Planos de anúncio a partir de R$ 100. Clique aqui e converse com a gente

terça-feira, 23

de

julho

de

2024

ACESSE NO 

Planos de anúncio a partir de R$ 100. Clique aqui e converse com a gente

Secretário preso em Major Vieira denunciou servidora que pagava contas pessoais com dinheiro público

Últimas Notícias

Joel Martins Alves é acusado de fraudar a própria folha de pagamento

- Ads -

O secretário de Finanças de Major Vieira, Joel Martins Alves, preso na manhã desta quinta-feira, 25, acusado pelo crime de peculato-desvio, foi quem detectou e denunciou os arranjos da ex-contadora da prefeitura de Major Vieira, Marenize Brocco, presa em 2021 acusada de usar dinheiro público para pagar contas pessoais dela e de colegas de trabalho.

Joel, por sua vez, é acusado de alterar seus próprios dados nos arquivos da folha de pagamento antes de enviá-los ao sistema bancário, e, assim, aumentar indevidamente sua remuneração, causando possível enriquecimento ilícito e prejuízo ao erário.  

O secretário de Finanças teve sua casa e sua sala na prefeitura de Major Vieira revistadas. Ele passou por audiência de custódia ainda pela manhã e foi conduzido para o Presídio Regional de Canoinhas. A prisão dele é preventiva, segundo Paulo Glinski, advogado que o representou na audiência de custódia, mas que ainda não sabe se seguirá defendendo o secretário no processo.

A prefeitura de Major Vieira disse que não vai se pronunciar, inicialmente, até que haja mais esclarecimentos sobre o caso. Joel segue secretário.


HISTÓRICO

Joel foi escolhido por Adilson Lisczkovski para ser seu secretário de Finanças assim que foi eleito em 2020. Discreto, ele contou em off à reportagem do JMais como descobriu o esquema que Marenize mantinha na prefeitura de Major Vieira, e que já tinha sido descoberto em 2015. Contudo, à época, o Ministério Público firmou acordo com a então servidora e a manteve no financeiro da prefeitura. Em 2021, Joel flagrou boletos na mesa de Marenize enquanto ela estava fora da sala. Os boletos eram particulares, mas haviam sido pagos através de contas do Município. O caso foi denunciado ao Ministério Público e Marenize e seu marido foram presos em setembro daquele ano. Dois anos depois, o próprio prefeito seria preso, desta vez envolvido no esquema da operação Mensageiro, que apura recebimento de propina para manter a Serrana Engenharia como prestadora de serviços de coleta e destinação de lixo.

Ao assumir a prefeitura em agosto, seu vice, Edson Schroeder (PP), afirmou que iria manter o plano de governo de seu antecessor, “sempre respeitando ele como o meu prefeito. Vou continuar com o mesmo plano de governo dele. Com a mesma garra que ele tinha”. E cumpriu. Prova disso é que manteve Joel na Secretaria de Finanças.



TRÊS BARRAS

Uma segunda investigação apura suspeitas de crimes de corrupção passiva e ativa no município de Três Barras. Neste caso, um empresário e um servidor estariam envolvidos em um esquema na entrega de brita e cascalho ao município.

O JMais também procurou a prefeitura de Três Barras e pediu uma manifestação sobre o caso. O município afirmou que não houve busca e apreensão na prefeitura e que o alvo seria um ex-secretário. Neste caso, a reportagem apurou que o mandado de busca e apreensão foi cumprido na casa do ex-secretário de Obras Francisco Farias, o Chicão. O JMais não conseguiu contato com Farias.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?