sábado, 4

de

dezembro

de

2021

ACESSE NO 

Empresário nega envolvimento com esquema para desviar recursos do transporte escolar

Últimas Notícias

- Ads -

“Jamais ia participar de algo ilegal”, afirma Leandro José Muk

CONTRAPONTO

O empresário Leandro José Muk negou em conversa com a coluna qualquer envolvimento com um esquema apontado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) na sexta fase da Operação Et Pater Filium. Leandro é acusado de facilitar a fraude em um processo licitatório ocorrido em 2017 para transporte escolar cujo vencedor foi Gildo Lisboa, preso na mesma fase da operação.

O fato de ele não ter ônibus à época e uma conversa de Whats App embasaram a denúncia contra ele.

Muk contou que quando apareceu a licitação, ele viu a oportunidade de investir no ramo de transporte escolar. A ideia era, caso ele fosse vencedor do processo licitatório, comprar um ônibus. Como ele perdeu a licitação, a compra foi abortada.

Ele disse que sabia que seu pai era motorista de Lisboa, mas isso não era impedimento para ele participar da licitação.

Sobre a conversa de Whats App que consta na denúncia, Muk conta que seu irmão entrou em contato com Orildo a pedido de seu pai porque seu pai não conseguiu contato com Lisboa e pediu a seu irmão para mandar uma mensagem ao então prefeito. “O celular era do meu irmão, não meu. Meu pai ouviu certa vez do Orildo que o transporte não poderia parar e que se não conseguissem falar com o Gildo, que poderiam chamar ele que ele resolvia”, conta. Como seu pai não tinha telefone com WhatsApp pediu ao irmão de Leandro que entrasse em contato com Orildo ou com o secretário de Educação (Laércio Subzack).

Ele afirmou que foi desclassificado não por falta de documentação, mas porque um documento estava dentro de um envelope. Conforme o pregoeiro, o papel deveria estar fora do envelope.

Muk nega veementemente que tenha tratado de qualquer arranjo. “Jamais imaginei que fosse fraudulenta. Agora que ao ver as reportagens é que a gente consegue ligar os pontos e ver o que realmente aconteceu”, conta.

“Não tenho nada a esconder, minhas contas estão abertas, não tem nada de comprometedor no meu celular (o aparelho foi apreendido pelo Gaeco) porque nunca conversei com nenhuma dessas pessoas. O que está acontecendo é uma grande injustiça. Não existe nenhum documento que me ligue a isso. Jamais ia participar de algo ilegal”, afirma.

Muk tem uma lavação de carros há cinco anos em Itajaí e trabalha no contraturno em um condomínio em Balneário Camboriú. “Não tem como eu ter me beneficiado de qualquer valor e estar trabalhando em dois empregos pra sustentar minha família”, conclui.

REJEITADO

Vereadores de Três Barras rejeitaram ontem por 4 votos a 3, requerimento do vereador Willian de Lima que pedia relatório dos empenhos emitidos da Prefeitura Municipal e Fundos Municipais (ordinários e globais) referentes aos exercícios do ano de 2017 até a presente data, além de relatório dos saldos em caixa da Prefeitura nos meses de janeiro do ano de 2017 até a presente data.

Vereadores Carla Shimoguiri, Abraão Mussi e Gerson Lescovicz explicaram seus votos contrários ao requerimento afirmando que todos os empenhos estão à disposição no site da prefeitura e que reunir e imprimir toda a documentação de 2017 a 2020 renderia uma quantia incomensurável de papéis.

Ele disse que fará outro mais específico. “Nós podemos saber o que está nos documentos, mas a população que quer saber nos cobra. Acredito que estamos em uma situação (financeira) boa no Município e por isso acho que podemos dar continuidade a obras que estão paradas”, afirmou.



GANHA MAIS, PAGA MAIS

Vereador Marcos Homer (Podemos) reclamou ontem na sessão da Câmara que assim que os professores receberam aumento do Estado já veio a mordida do leão do Imposto de Renda. Projeto nacional pede isenção do IR para a categoria.



POSITIVADO

A comitiva canoinhense que foi à Brasília levou mais que esperança aos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Um dos integrantes da comitiva já havia apresentado sintomas de covid-19 antes da viagem. Ao se sentir um pouco melhor decidiu encarar a viagem. Ao voltar acabou internado com sintomas graves da doença.



A VOLTA DOS QUE NÃO FORAM

Os radares fixos podem voltar às rodovias estaduais de Santa Catarina. Desde 2012, por uma mudança na legislação, os equipamentos não fazem mais parte da rotina dos motoristas que circulam pelas SCs. No entanto, a Polícia Militar Rodoviária (PMRv) enxerga a necessidade da volta do monitoramento para controlar o excesso de velocidade em pontos estudados.



VOTAÇÃO

Vai a votação hoje à noite na Câmara de Canoinhas projeto de lei de origem executiva que propõe limitar o valor máximo de aposentadorias a ser concedidas aos servidores públicos municipais de Canoinhas. Pelo projeto, o valor dos benefícios de aposentadoria e pensão devido pelo Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) aos servidores públicos titulares de cargos efetivos e membros de quaisquer dos poderes, incluídas suas autarquias e fundações, que ingressarem no serviço público do Município de Canoinhas a partir da data de início da vigência da lei não poderá superar o limite máximo dos benefícios pagos pelo Regime Geral de Previdência Social, regulado pelo Governo Federal e que hoje está em R$ 6.433,57.



LIMITE

Sede do Instituto de Previdência de Canoinhas (ICPrev)/Divulgação

O Município de Canoinhas é o responsável pelo aporte de contribuições e pelas transferências das contribuições descontadas dos seus servidores ao plano de benefícios previdenciário. Do total da contribuição, o Município não pode exceder 8,5% como contrapartida.

O projeto de lei tem como objetivo instituir o Regime de Previdência Complementar no âmbito do Município de Canoinhas, fixar o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões pelo Regime de Previdência e autorizar a adesão ao plano de benefícios de Previdência Complementar.

Na prática, busca blindar o fundo dos servidores públicos.

Conforme determinado por legislação de 2019, a instituição do Regime de Previdência Complementar deverá ocorrer no prazo máximo de dois anos da data de entrada em vigor da emenda. Sendo assim, o prazo para que o Município institua tal regime se encerra no mês de novembro de 2021.