Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

domingo, 26

de

maio

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Prefeita de Canoinhas joga livros condenados pela Câmara no lixo

Últimas Notícias

Uma das obras ensina educação sexual para adolescentes

NO LIXO

- Ads -

A prefeita de Canoinhas, Juliana Maciel Hoppe (PL), gravou um vídeo na tarde desta quarta-feira, 17, no qual condena dois livros encontrados pela vereadora Tatiane Carvalho (MDB) na Mundoteca, uma biblioteca montada com apoio do Governo Federal no Complexo Cultural de Marcílio Dias. Ela jogou os livros no lixo. “Eu jamais jogaria um livro no lixo, mas porcaria numa biblioteca aqui do nosso Município não vai ter mais não”, afirmou, lembrando que a Mundoteca é um programa do Governo Federal “e tal da Lei Rouanet, coisa que vocês também já conhecem né? Mais uma vez o governo do PT faz esse tipo de coisa. Bota o adolescente, bota a criança, induz a coisa que não é dos valores do que a gente acredita, não é o que a família quer que ele aprenda, não é o que realmente uma criança ou até um adolescente precisa ler em uma biblioteca”.

Ao reafirmar a atitude de jogar as obras no lixo, a prefeita alertou prefeitos de outras cidades que tenham Mundotecas, que “façam como eu, façam um pente fino e vejam se vocês também não estão sendo enganados por essa política do que a gente não acredita (…) e façam a limpa aí na cidade de vocês”.

Na verdade, quem descobriu os livros foi a vereadora Tatiane Carvalho (MDB), conforme mostrou a coluna de ontem. “Que excelente notícia, prefeita! Fico feliz que nossas crianças não terão mais acesso a esses livros! Agora precisamos olhar se não há mais nada no mesmo sentido em outros locais públicos e que as crianças tenham acesso! Obrigada por ouvir minha denúncia e fazer o correto!”, comemorou Tatiane, arquirrival da prefeita, comentando a postagem da prefeita no Instagram.

O vídeo dividiu opiniões. Nos quase 500 comentários há muitos parabenizando a prefeita, mas também críticas ferrenhas, ligando a prefeita ao Nazismo e a extrema-direita. “Aaaah sim! Vamos incentivar as crianças a não lerem, assim fica mais fácil conduzir a massa no futuro. Não seria mais lucro apresentar a leitura de ponto e contraponto para a criança aprender a raciocinar e assumir a verdade que lhes é mais conveniente? O livro que você jogou fora pode ser útil aos pais que não pensam como você. Além disso, custou dinheiro dos nossos impostos. Em vez de jogar fora, compre livros nos quais você acredita e coloca nessa biblioteca também, pelo menos assim acho que de maneira mais lógica você empurra a ideologia que você apoia. Mas, como já falei, não é isso que vocês querem”, opinou um internauta.

“Eu concordo com você totalmente, mas o que a gente pensa não importa, o que a gente tem como princípio não importa, a família brasileira está induzida a ir para o fundo do poço com esse desgoverno! Parabéns pela coragem, espero realmente que não seja sancionada por alguma lei besta semelhante à depredação do patrimônio público. Talvez em vez de jogar no lixo, deveria deixar em um porão, sabe como é a turma do mimimi né?”, diz outro.






ME DÊ MOTIVOS

A ação da prefeita atende a três demandas. A primeira é melhorar a relação com a Câmara de Vereadores, que condenou em uníssono as obras na sessão desta segunda. O segundo motivo é acenar para a militância bolsonarista, se firmando como a candidata do ex-presidente em Canoinhas. O terceiro motivo é estocar o governo Lula, que dificultou como pode o acesso aos R$ 30 milhões solicitados junto ao Banco do Brasil. O resto é espuma.







AÇÃO

Ainda não se sabe se depois de gravado o vídeo, a prefeita juntou os livros do lixo e devolveu a Mundoteca. As obras, por mais execráveis que ela possa achar, pertencem ao acervo da biblioteca, que não é propriedade dela, muito menos do Município. Canoinhas entrou na parceria cedendo o espaço que, por sinal, foi restaurado pelo Governo Federal e entregue para administração do Município.





NÃO OLHE PARA A FRENTE

A direção da Câmara de Vereadores de Canoinhas mandou borrar as imagens exibidas pela vereadora Tatiane Carvalho (MDB) na sessão de terça-feira, 16, folheando os polêmicos livros com imagens de conotação sexual, mas não tem nenhum bicho-papão ali. A intenção parece pintar o “demônio” mais feio do que é de fato. Ademais, nenhuma criança assiste sessão da Câmara que, inclusive, já pregou violência contra a mulher e o trecho não foi censurado na postagem da sessão no Youtube. Bater em mulher, tudo bem, mas um singelo desenho de um pênis, Deus nos livre.






NO PÁREO

A esposa do ex-vereador Cel Mario Erzinger, Rosicler Erzinger, vai entrar na disputa por uma vaga na Câmara de Vereadores pelo PL. Mario não quer disputar o pleito dessa vez.




SERVENTES

A vereadora Tatiane Carvalho (MDB) diz que foi procurada por serventes do Município alegando que perderam vale-transporte que era fornecido pelo Executivo. Requerimento assinado pela vereadora cobra uma explicação da prefeita.



DOAÇÃO

O presidente da Câmara de Canoinhas, Maurício Zimmermann (PL), está solicitando ao Estado a doação do material gerado na fresagem da revitalização da SC 477 ao município de Canoinhas para utilização deste produto em vias rurais e urbanas sem pavimentação e nas proximidades da obra. “Devido às chuvas intensas, este material se faz necessário para melhorias no acesso às localidades e, principalmente, para o transporte escolar”, explica o vereador.











280

Diante da precariedade do pavimento do trevo da BR 280, no bairro Piedade, em Canoinhas, vereador Wilmar Sudoski (PSD) está solicitando, através de requerimento, o emergencial reperfilamento asfáltico do local.

A proposição apresentada e aprovada em plenário na sessão ordinária de terça-feira, 16, segue agora para análise do setor de engenharia do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), com sede em Mafra.





AINDA SOBRE

Divulgação

A Aurora Coop inaugurou nesta terça-feira, 16, em Chapecó, nova unidade fabril que recebeu investimentos totais da ordem de R$ 587 milhões, entre recursos próprios e financiamento junto ao BNDES/FINEP. O novo complexo industrial ocupa uma área de aproximadamente 15 hectares no bairro Efapi. O conjunto é formado por edificações industriais, de administração, suporte e tratamento de efluentes, totalizando uma área construída de 31.402 metros quadrados.

Mais um claro sinal de que o projeto Canoinhas foi mesmo sepultado.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?