quinta-feira, 21

de

outubro

de

2021

ACESSE NO 

Novo recorde de mortes por covid, rejeição da gestão Bolsonaro na pandemia tem pior marca e rachadinha em destaque

Últimas Notícias

- Ads -

17 de março de 2021

 

 

O Globo

Com 2.798 mortes, Queiroga fala em ‘dar continuidade’

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta terça-feira (16) que os rumos da política de saúde continuarão a ser determinados pelo presidente Jair Bolsonaro.

Marcelo Queiroga chegou pouco antes das 10h. “A política é do governo Bolsonaro, a política não é do ministro da Saúde. O ministro da Saúde executa a política do governo. Ministro Pazuello tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias do Brasil e eu fui convocado pelo presidente Bolsonaro para dar continuidade a esse trabalho. Vamos buscar as soluções. Eu não tenho vara de condão para resolver os problemas da saúde pública brasileira. Vocês sabem disso”, declarou o novo ministro da Saúde.

 

 

 

 

 

 

  • Datafolha: 54% reprovam gestão de Bolsonaro da Covid
  • Controle da pandemia na pauta do Congresso
  • ‘Rachadinha’: Flávio tem dupla derrota na Justiça
  • Bolsonaro quer manter Pazuello com cargo no governo
  • Criação de vagas em janeiro é a maior desde 1992
  • Empresas aéreas reduzem voos domésticos à metade
  • Síndica é presa, acusada por morte de vizinho na Barra
  • EUA detém em 5 meses o dobro de ilegais na fronteira
  • Facebook vai pagar a jornais na Austrália por uso de conteúdo

 

 

 

 

 

 

 

O Estado de S. Paulo

País tem 2.798 óbitos em 24h; em SP, 88 morrem na fila por leito

O Brasil bateu ontem o recorde diário de mortes por covid-19, com 2.798 óbitos – 116 por hora. O Estado de São Paulo teve 679 vítimas e 24 cidades informaram que, só neste mês, 88 pessoas morreram à espera de um leito. Nove Estados (SP, RS, SC, GO, MT, PB, MS, TO e AC) estão com a média semanal de óbitos mais alta desde o começo da pandemia. A ocupação das vagas de UTIS no Estado de São Paulo é de 89,9% em média. O maior número de mortos na fila por vagas para internação foi relatado em Bauru (15), Taboão da Serra (14), Ribeirão Pires (8) e Franco da Rocha (8). Em Urânia, cidade com 9 mil habitantes, três pacientes que morreram sem conseguir vaga eram da mesma família. Especialista diz que o represamento das internações causa uma pressão ainda maior sobre a rede de saúde. Isso ocorre porque, quando o paciente consegue uma UTI, está debilitado, com menos chance de sobreviver, e requer maior tempo de tratamento.

 

 

 

 

 

  • ‘Não teremos paciência’, diz vice da Câmara sobre Queiroga
  • Hospital privado recorre ao SUS
  • STJ nega pedidos de Flávio no caso das ‘rachadinhas’
  • Frederico Trajano – ‘Vacina é a única solução e estou pessimista’
  • Lula busca aproximação com o PSDB
  • Congresso terá grupo de defesa da energia limpa
  • Kassab não vê acordo sobre nome de centro
  • PEC Emergencial cria regra com limite para dívida pública
  • Deputados aprovam texto que pode baratear gás
  • Descobertas milenares no Mar Morto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Folha de S. Paulo

Rejeição da gestão Bolsonaro na pandemia tem pior marca

A rejeição ao trabalho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na gestão da pandemia da Covid-19 disparou ao maior nível desde que a crise sanitária começou, há um ano.

Segundo o Datafolha, 54% dos brasileiros veem sua atuação como ruim ou péssima na semana em que foi apresentado o quarto ministro da Saúde de seu governo. Na pesquisa passada, realizada em 20 e 21 de janeiro, 48% reprovavam o trabalho de Bolsonaro na pandemia.

 

 

 

 

 

 

 

  • Ludhmila escreveu ao presidente que se alinharia 100%
  • Queiroga defende a ciência em dia de recorde de mortes
  • Eventual alta de juros causa temor no setor produtivo
  • Em 2 anos, custo da cesta básica sobe quase 33%
  • Avisamos ao presidente que intervir na Petrobras teria custo, diz Guedes
  • Recursos de Flávio Bolsonaro são rejeitados pelo STJ
  • Bolsonaristas agridem repórter em ato em BH
  • Avanço da Covid faz lockdown se espalhar pelo interior paulista
  • Agência europeia orienta manutenção da vacina de Oxford
  • Entenda o que são as novas variantes e tire suas dúvidas