Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

sábado, 15

de

junho

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Juiz criminal ouve 75 testemunhas da quarta fase da Et Pater Filium

Imagem:Arquivo

Últimas Notícias

Fase foi desencadeada em Bela Vista do Toldo

- Ads -

O juiz criminal da comarca de Canoinhas, Dr Eduardo Veiga Vidal, iniciou nesta segunda-feira, 24, uma série de tomada de testemunhos relacionadas a quarta fase da Operação Et Pater Filium, desencadeada em Bela Vista do Toldo e que culminou com a prisão do então prefeito, Adelmo Alberti, solto em agosto condicionalmente.

Esta fase envolve ainda o ex-prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini (MDB), seu filho Marcus Vinicius (solto há duas semanas); o vereador bela-vistense Vilson Stelzner (UB); o ex-secretário de Alberti, Claudinei Ribeiro, o Baixinho; e os empresários Joziel Dembinski (que segue preso), Rodrigo dos Santos, Mario Massaneiro, João Pereira de Lima Sobrinho e Elenice Mara Koch de Lima.

As audiências de instrução e julgamento seguem até a próxima semana e ocorrem pela manhã e à tarde, todos os dias.

O agendamento das audiências é o passo seguinte a apreciação das alegações preliminares apresentadas pelas defesas dos réus. Todas foram rejeitadas pelo juiz. No total, estão sendo ouvidas 75 testemunhas, entre elas a ex-contadora da prefeitura de Major Vieira, Marenize Brocco, e quatro testemunhas protegidas. As sessões ocorrem no Tribunal do Júri.


ALEGAÇÕES

Entre as alegações apresentadas pelas defesas para tentar desqualificar as denúncias chama a atenção a apresentada pela defesa de Orildo, já condenado a mais de 250 anos de prisão nas sentenças prolatadas nas primeiras fases da Et Pater Filium, referentes a Major Vieira. Foi a partir da investigação desencadeada pelo Ministério Público (MPSC) em Major Vieira que se desencadeou a fase Bela Vista do Toldo, já que, segundo o MP, Orildo e Adelmo Alberti se mancomunaram para lesar os cofres públicos.

O argumento central é a suposta inobservância da prerrogativa de foro de Orildo, em razão da condição de prefeito à época da investigação iniciada pelos Grupos Especiais de repressão ao crime do Estado do Paraná (Ministério Público paranaense).

A investigação até então levada a efeito pelo Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria – Região de União da Vitória) e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco – Núcleo Regional de Ponta Grossa), ambos do Ministério Público do Estado do Paraná, não visava a apurar a conduta de Orildo, mas sim, uma suspeita de corrupção no Departamento de Estradas e Rodagens (DER) do Paraná. Por meio de interceptações telefônicas devidamente autorizadas, foi constatado o envolvimento dos empresários de União da Vitória, Décio Pacheco e Décio Pacheco Filho, com atividades ilícitas.

Com o avanço das diligências, que ainda não se relacionavam a Orildo, foi determinada a remessa de cópia dos autos ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina, visando – só então – a apurar a conduta de Orildo. Isso porque, durante as interceptações telefônicas, foi possível ouvir conversas suspeitas dos Lima com Orildo.

“Para além do fato de a defesa não ter especificado a razão pela qual, supostamente, há ilicitude nos elementos de informação que instruem a denúncia, a tese de ofensa ao juiz natural é questão já apreciada por este Juízo em ações outras que envolvem alguns dos réus denunciados no presente feito”, expõe Vidal, deixando claro que a tese de que não cabe a Vara Criminal da comarca analisar a denúncia já foi superada.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?