Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

domingo, 14

de

julho

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Homem que matou ex-companheira e tirou a própria vida em Canoinhas já tinha feito ameaça

Últimas Notícias

Magali Oliveira tinha 40 anos e foi morta por Adalberto Plachek Rodrigues na noite desta segunda

- Ads -

O feminicídio ocorrido em Canoinhas no final da noite desta segunda-feira, 2, chocou os moradores dos bairros Industrial 1 e Jardim Esperança que amanheceram com a notícia do assassinato de Magali Oliveira, de 40 anos, morta pelo ex-marido Adalberto Plachek Rodrigues, de 33 anos. Segundo a Polícia Civil, familiares relataram que Rodrigues já havia ameaçado de morte a vítima, dizendo que a mataria e que em seguida cometeria suicídio.

O crime aconteceu na casa da vítima, na Cohab 1, no bairro Industrial 1, próximo ao Posto de Saúde do bairro. A mãe de Magali teria encontrado a filha agonizando antes de falecer. Ela trazia o neto que estava com ela de volta para a casa da filha.

A Polícia Civil informou que foi acionada para comparecer no local do possível homicídio e que imediatamente a equipe da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Canoinhas se deslocou até o local juntamente com as polícias Militar e Científica.

Segundo o delegado Darci de Nadal Jr, Magali foi encontrada morta em um quarto da residência. “O local estava com diversos vestígios de sangue, em formato de poça, em formato de gotejamento e com diversas pegadas, possivelmente do autor dos fatos, que pisou no sangue e posteriormente saiu da residência e fugiu pela janela”, contou o delegado.

Delegado Darci de Nadal Jr/Arquivo/Portal JMais

Em seguida, a Polícia foi informada por familiares da vítima que o possível autor dos fatos seria Rodrigues, seu ex-marido. Diante da informação, a equipe do Tático e a equipe da Agência de Inteligência (AI) do 3º Batalhão de Polícia Militar (BPM) foram até a residência de Rodrigues, uma vez que ele já teria ameaçado de morte a vítima, dizendo que a mataria e que em seguida cometeria suicídio.

Chegando na residência do suspeito, os policiais solicitaram a autorização de seus familiares para realizar o arrombamento da porta de seu quarto, e após arrombarem a porta verificaram que o suspeito havia cometido suicídio e deixado no local uma carta de despedida. “O suicídio foi cometido mediante enforcamento. Ele utilizou-se de uma corda presa em uma das vigas de sustentação do telhado da residência para cometer o ato”, disse Nadal.

O crime está sendo tratado pela polícia como feminicídio (artigo 121 do código penal), em razão do homicídio de Magali ter sido cometido em razão de violência doméstica pelo seu ex-marido. O local foi periciado pela Polícia Científica, bem como foi efetuado o recolhimento dos corpos encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para exame cadavérico.

Ainda segundo o delegado, a causa da morte será definida após o resultado do laudo do local do crime e do laudo de exame cadavérico, realizados pelos peritos da Polícia Científica. “Por meio desses documentos será possível verificar quantos golpes e quais os instrumentos feriram a vítima, bem como qual foi a causa da morte dela”, explicou Nadal.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?