sexta-feira, 23

de

fevereiro

de

2024

ACESSE NO 

Defesa de Pike alega que não há provas contra ele no âmbito da Et Pater Filium

Últimas Notícias

- Ads -

“Não há prova alguma”, diz defesa

- Ads -

Nas alegações finais da defesa de Renato Pike, investigado pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Maus Caminhos, deflagrada como a 9ª fase da Operação Et Pater Filium, consta a afirmação de que “não há prova alguma” contra ele presentes na denúncia do Ministério Público do Estado de Santa Catarina (MPSC).

O documento redigido pelos advogados de defesa do ex-prefeito e encaminhado pela Abreu & Silva Advogados Associados ao juiz criminal da comarca de Canoinhas, Eduardo Veiga Vidal, alega categoricamente que “os próprios membros do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e os corréus-colaboradores afirmaram que não há prova alguma”. A defesa classifica ainda como tendenciosas as versões registradas nas colaborações premiadas de Beto Passos, Chrystian Mokva e Diogo Seidel, conforme o JMais já publicou anteriormente.





GRAVAÇÃO CLANDESTINA

Da mesma forma que a defesa de Pike requereu a impugnação às colaborações premiadas dos corréus por, segundo consta no documento contendo as alegações finais, inexistir o caráter voluntário dos depoimentos por conta de um possível “favorecimento” que o Ministério Público teria oferecido a eles em troca das informações referentes à posição do ex-prefeito no esquema de propina, também fizeram questionamentos em relação à legalidade de uma gravação clandestina feita pelo empresário Chrystian Mokva. Neste aspecto, os advogados do ex-prefeito consideram que a gravação tem um caráter ilícito e “inservível ao propósito de justificar qualquer condenação”.

A gravação em questão teria sido feita em uma chácara pelo próprio Chrystian Mokva durante conversa com seu pai, Sérgio Mokva, e com Pike. Ela consta como uma das evidências da participação do ex-prefeito no esquema de propina presentes na denúncia do MPSC contra ele.

A gravação foi também citada por Mokva em seu depoimento no âmbito da Maus Caminhos. Na ocasião, inclusive, Chrystian teria alegado que Pike cobrava um pedágio de 8% do valor da licitação vencida pelo empresário para que ele pudesse prestar serviços ao município. “Ganhou, parabéns, só que assim, não se esqueça que tem pedágio de 8%”, teria sido a fala de Pike a Mokva, quando o então vice-prefeito convidou o empresário a comparecer em seu gabinete na prefeitura.









VAGAS

Vereadores de Canoinhas apreciam nesta segunda-feira, 9, projeto de lei que determina a publicação eletrônica da lista de espera para vagas nas escolas municipais de Educação Infantil de Canoinhas. A lista de espera deverá ser classificada por escola, contendo informações limitadas e garantindo a proteção dos dados pessoais dos responsáveis legais que efetuaram o pedido de matrícula e também, conterá:

I. Nome do responsável legal que efetuou o pedido de matrícula e se necessário,

apenas as suas iniciais;

II. Número do protocolo do pedido de vaga;

III. Data da solicitação de vaga;

IV. A posição do responsável na lista de espera, sem divulgar informações pessoais adicionais.

A lista de espera deverá ser divulgada no site da Prefeitura de Canoinhas com acesso facilitado, em banner destacado na página inicial.





POLÊMICA

A vereadora Tatiane Carvalho (MDB) questiona edital lançado pela prefeitura de Canoinhas para contratar empresa que venha a organizar a Fesmate em novembro. A vereadora sugere que o valor de R$ 300 mil seja destinado para a melhoria de estradas do interior.






CÂMERAS

Na semana passada o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), em Canoinhas, recebeu um importante reforço tecnológico para a realização das atividades de combate a incêndio: três câmeras térmicas.

Por meio de um projeto apresentado pelo Instituto de Bombeiros do Planalto Norte, junto à Vara do Trabalho de Canoinhas, foram adquiridas duas câmeras térmicas da marca Flir, modelo K2, e uma câmera térmica marca Flir modelo K33, num valor total de R$ 43.860,62. As câmeras foram apresentadas ao juiz Lauro Stankiewicz, da Vara do Trabalho de Canoinhas, pelo tenente-coronel Willian Leal Nunes, comandante do 9º Batalhão de Bombeiro Militar (9ºBBM) e presidente da coordenadoria de combate a incêndio estrutural do CBMSC.

Estes equipamentos são muito importantes para a atividade de combate a incêndio, sendo uma ferramenta fundamental para a identificação de vítimas em locais sem visibilidade devido à fumaça e outros produtos da combustão.

A Câmera K33 estará incorporada aos equipamentos do quartel de Canoinhas, enquanto que as Câmeras K2 serão ativadas nos quarteis de Major Vieira e Três Barras.






SOU CONTRA

O deputado Fabiano da Luz (foto) foi destaque na coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, após se posicionar contra o PL 335/2023 que concede o Título de Cidadão Catarinense ao ex-presidente da República, Jair Bolsonaro.

O assunto teve repercussão nacional após a Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa (Alesc) aprovar a matéria, mesmo sendo inconstitucional. A proposta vai contra uma lei estadual de 2021 que proíbe a concessão do Título de Cidadão Catarinense a pessoas consideradas inelegíveis, caso do ex-presidente.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?