domingo, 19

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Sem doses, cidades começam a suspender vacinação e Congresso deve barrar agendas do bolsonarismo em destaque nesta quarta

Últimas Notícias

- Ads -

17 de fevereiro de 2021

 

 

Folha de S.Paulo

Congresso deve barrar agendas do bolsonarismo

Enquanto a nova cúpula do Congresso Nacional abraça as prioridades do governo relativas à agenda econômica, as pautas conservadoras mais alinhadas ao presidente Jair Bolsonaro continuarão enfrentando resistência para avançar nas duas Casas.

Líderes partidários dão como certo que propostas relativas a armas, a proteção de militares que matarem em operações de GLO (garantia da lei e da ordem) e a outras de forte apelo à base bolsonarista devem permanecer na gaveta no primeiro semestre do ano —ou mesmo ao longo de todo 2021.

 

 

 

 

 

 

 

  • Em lockdown, Araraquara tem fila para internações
  • Villas Bôas ironiza reação de Fachin a pressão sobre STF
  • Brasil tenta voltar ao Conselho de Segurança da ONU
  • Metade das empresas abre ano com queda no lucro, diz estudo
  • Frio intenso leva neve incomum a Atenas; EUA registram mortes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Estado de S.Paulo

Capitais começam a paralisar vacinação e cobram o governo

A falta de imunizantes contra a covid19 está fazendo com que capitais e diversas outras cidades do País suspendam a vacinação menos de um mês após o início da campanha. Rio, Salvador e Cuiabá anunciaram que não vão mais aplicar a primeira dose até a chegada de novas remessas. Curitiba informa só ter estoque para esta semana. A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) cobrou do governo federal um cronograma de abastecimento e de metas de vacinação para cada faixa de público.

“A expectativa é de que as doses provenientes do Instituto Butantan sejam entregues no dia 23”, informou o governo em nota. “O retorno esperado (da campanha) é na próxima semana, mas a data exata ainda será confirmada.” O Ministério da Saúde recebeu, no total, 10,7 milhões de doses de vacinas, sendo 8,7 milhões da Coronavac e 2 milhões do imunizante Oxford/astrazeneca. Pressionada, a pasta formalizou ontem a compra de 54 milhões de doses da Coronavac.

  • Base na Câmara quer limitar atos da oposição
  • Preços dos carros novos sobem até 33% em 1 ano
  • Araraquara tem colapso na saúde mesmo com lockdown
  • Acrópole sob neve paralisa imunização

 

 

 

 

 

 

O Globo

Sem novas doses, cidades de todo o país começam a suspender vacinação

Prefeituras começaram a suspender a vacinação contra a Covid por causa da falta de doses nos estoques. Só na semana que vem, o Ministério da Saúde voltará a receber lotes de imunizantes.

Nem o ritmo lento da vacinação no Brasil evitou que os estoques chegassem ao fim. Sem doses suficientes, a Prefeitura do Rio anunciou que vai suspender a vacinação a partir desta quarta-feira (17).

Cuiabá parou a vacinação dos idosos e só está vacinando os profissionais de saúde que precisam receber a segunda dose.

  • Deputado bolsonarista é preso após ataque a ministros do STF
  • Gilmar Mendes rebate ironia de Villas Bôas
  • Frio recorde nos EUA
  • Empresas usam tecnologia e selos para monitorar saúde