domingo, junho 20, 2021

ACESSE NO 

Por unanimidade, TRE manda retomar processo de compra de votos por campanha de Shimoguiri

Últimas Notícias

Sentença da juíza eleitoral da comarca foi anulada

 

 

RETOMADA

Por unanimidade, o pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina acatou recurso à duas sentenças da juíza eleitoral da comarca de Canoinhas, Marilene Granemann de Mello, e remeteu os autos para a comarca de Canoinhas novamente. A juíza havia mandado arquivar duas denúncias de compra de votos contra o prefeito eleito Luiz Shimoguiri (PSD).

 

 

 

As ações, impetradas pelo candidato derrotado na eleição passada, Gilson Nagano (PL), apontam irregularidades no  Programa Municipal de Combate à Fome e no Serviço Autônomo Municipal de Água e Saneamento Ambiental de Três Barras (Samasa).

 

 

 

 

 

O Programa Municipal de Combate à Fome foi alvo de investigação do Ministério Público (MP) em 2019 e uma série de critérios foram estabelecidos mediante Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre o MP e o prefeito Shimoguori.  Essa política pública consiste na distribuição mensal de até 1200 cestas básicas de alimentos à famílias comprovadamente carentes. “Nada disso foi obedecido e as cestas básicas serviram como o grande elemento desestabilizador das eleições em Três Barras pela sua desenfreada distribuição, de modo a angariar apoio político para os réus”, acusa a representação. Além disso, afirma a acusação, Shimoguiri quadruplicou a compra de cestas básicas em ano eleitoral. A acusação aponta, ainda, que houve descontrole da distribuição das cestas. “Não se tem como identificar a obediência pela distribuição da cesta sequer à identidade daqueles beneficiários cadastrados, oportunizando a fraude e o abuso do poder (…) viu-se uma operação paralela de distribuição de cestas básicas, travestido de política pública, mas direcionada ao abuso de poder e à captação ilícita de sufrágio.”

 

 

 

 

 

Em outra ação, a representação da campanha de Nagano acusava o uso do Samasa em benefício próprio pelo prefeito e pelo candidato a vereador Ernani Wogeinaki Júnior, “de forma abusiva grave e ilegal para fins eleitorais, comprometendo a normalidade e a legitimidade do pleito.”

 

 

 

 

A acusação aponta doação de areia e brita através da autarquia, da Serrana e do Município
diretamente para os eleitores. A  Serrana Empresa Brasileira de Saneamento é contratada para prestação de serviços para o Samasa.

 

 

 

 

“A empresa Serrana deixa à disposição do Samasa equipamentos (caminhão e retroescavadeira) para a execução de serviços previsto no contrato. Todavia, como irá se comprovar, os serviços são realizados para particulares a pedido dos candidatos assim como em favor destes a mando do Diretor Executivo/Presidente Ernani Wogeinaki”, acusam.

 

 

 

A representação acusa, ainda, Shimoguiri de utilizar a estrutura do Serviço Autônomo Municipal de Água e Saneamento Ambiental de Três Barras (Samasa) para promover sua candidatura e a do filho do diretor do Samasa, Ernani Wogeinaki Jr, o vereador eleito mais votado em 2020 na cidade. Segundo apontava a acusação, o pai de Ernani, que dirige o Samasa, promovia o cancelamento de faturas de água supostamente em troca de votos. Documentos anexados ao processo provariam o cancelamento de pelo menos quatro faturas, sendo duas justamente de Ernani pai e filho. Em alguns cancelamentos anexados à denúncia consta como descrição: “CANCELAMENTO DE FATURA A PEDIDO DO PRESIDENTE DO SAMASA”. Acusa ainda Ernani de reunir funcionários para determinar que o corte de água de usuários inadimplentes ocorresse somente de quem não os apoiasse politicamente. Afirmava, ainda, que “inobstante não se tenha nenhuma informação a respeito dos cadastros dos consumidores ‘tarifas de baixa renda’, ao que se percebe pelo modo de agir, o número dos beneficiários aumentou significativamente do ano de 2016 até a presente data.”

 

 

 

 

 

 

Para recusar as denúncias, a juíza basicamente conclui destacando “ausência de pressuposto mínimo da ocorrência de captação ilícita de sufrágio”.

 

 

 

A representação pedia a inelegibilidade dos investigados para as eleições presentes e as que se realizarem nos oito anos subsequentes, bem como a cassação do seu registro ou diploma, com a imposição de multa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ALEGAÇÕES

Os magistrados do TRE destacaram que “a própria sentença (da comarca) reconhece que a inicial ‘traz argumentos e documentação para sustentar o pedido dos quais até é possível inferir indícios de irregularidades e/ou ilegalidades’, o que, por si só, dá azo ‘à continuidade da ação de investigação judicial justamente para resguardar a moralidade e a
normalidade das eleições’.”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AINDA NA JUSTIÇA

A ação de Nagano contra Shimoguiri é chumbo trocado. Na véspera da eleição a juíza eleitoral acatou denúncia do Ministério Público Eleitoral sobre compra de votos por parte do candidato derrotado. A ação, que tramita na comarca, pede a cassação do registro de candidatura de Gilson Nagano (PL) e de seu candidato a vice Ricardo Cornelsen (PSC) por suposto abuso de poder econômico cumulada por representação de captação ilícita de voto.

 

 

 

 

A ação é robusta em provas e partiu de denúncia anônima de que o comitê de campanha de Gilson e seu candidato a vice estaria distribuindo vales-combustível. Segundo o denunciante, integrantes da coligação que apoia Nagano estariam distribuindo diversos “vales-gasolina” em troca de voto. Os valores variariam entre R$ 40,99 e 41,99, o correspondente a 10 litros de gasolina. A ação coleciona como provas os próprios vales e depoimentos que corroboram a infração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMUNIZADO E NA ESTRADA

Senador Dario Berger no encontro regional do MDB em Canoinhas/Divulgação

Vacinado e motivado, o senador Dário Berger integra a comitiva do MDB que iniciou na sexta-feira, 7, uma série de encontros regionais pelo estado. O roteiro iniciou pelo Planalto Norte e na sexta ele esteve em Canoinhas. O objetivo do partido é ouvir a militância e destacar a trajetória dos três nomes já definidos para disputar as prévias no dia 15 de agosto e decidir qual será o candidato emedebista ao governo de Santa Catarina. A coluna entrevistou outro governável, o presidente estadual do partido Celso Maldaner. A entrevista pode ser vista aqui.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AGLOMERAÇÃO

O encontro regional do MDB na sexta, 7, em Canoinhas, foi criticado por promover aglomeração. Por mais que tenham sido respeitadas as medidas higiênicas (álcool em gel e máscara) tinha muita gente próxima uma da outra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PASSO ACERTADO

Dario Berger, Celso Maldaner e Antídio Lunelli são pré-candidatos ao governo de SC/Divulgação

Com o ocaso de Moisés, seguido de seu retorno triunfal na sexta, 7, o MDB vem acertando o passo para a eleição do ano que vem com os olhos na movimentação dos adversários e os ouvidos nas bases. Ao mobilizar todos os seus filiados o partido consegue antever como estará o humor do catarinense no ano que vem. Chama a atenção o perfil diferente dos três governáveis que participarão das prévias em agosto: Celso Maldaner representa a oligarquia Maldaner, Dario Berger representa o político tradicional mais despojado, já Antídio Lunelli seria o “novo”, o “outsider”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REFORMA

Enquanto estava de molho, o governador Carlos Moisés (PSL) arredondou a nova Reforma da Previdência. O texto, no entanto, ainda será discutido com os Poderes, como a Assembleia Legislativa (Alesc), responsável também por aprovar o texto. A ideia do governo é alinhar com os parlamentares antes mesmo de a proposta chegar à Casa para evitar grandes alterações que impeçam o avanço do projeto, assim como ocorreu na primeira tentativa, entre 2019 e 2020. À época, uma emenda diminuía em R$ 11 bilhões a ideia original do Executivo. A informação é do colunista da NSC, Ânderson Silva.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Sou grata ao povo catarinense pela oportunidade que tenho de contribuir para o desenvolvimento do Estado e sigo com entusiasmo nesta missão”

da vice-governadora Daniela Reinehr, ao deixar o governo interino

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAIS POR AÍ

Além de trocar todo o secretariado instituído por Daniela, Moisés deve fazer trocas nas próximas semanas. As mudanças fazem parte das acomodações políticas.

 

 

 

Deixe seu comentário:

Você perdeu renda por causa da pandemia?