sexta-feira, 1

de

julho

de

2022

ACESSE NO 

Et Pater Filium motiva festival de prints fakes na internet

Últimas Notícias

- Ads -

Documentos aparentemente reais estão sendo manipulados

Um festival de fake news está tomando conta das redes sociais com informações distorcidas sobre a sétima fase da Operação Et Pater Filium, desencadeada na terça-feira, 29.

Logo pela manhã, de modo criminoso, uma pessoa capturou a tela de uma notícia publicada no JMais, e, simulando a mesma fonte, criou outro título, afirmando que o prefeito Beto Passos (PSD) havia conseguido um habeas corpus, documento que lhe daria liberdade.

No começo da tarde desta sexta começou a proliferar um outro print, desta vez de um documento do Tribunal de Justiça, com uma lista de nomes apontados como “acusados”. A imagem tem vários sinais de manipulação, a começar pelos nomes dos acusados, com vários erros de grafia.

O caso mais rumoroso é do vereador Wilmar Sudoski (PSD), que na imagem falsa aparece como “Vilmar”. O vereador registrou um boletim de ocorrência na Delegacia contra quem está compartilhando o print, responsabilizando o administrador da página no Facebook Reclame e Elogie Canoinhas, Fernando Oderich, apenas um dos canais que disseminou o print.

Sudoski disse ao JMais que apesar de estar perto do prefeito e vice, não viu o que vinha acontecendo, mas que isso não mancha sua honestidade. “Não é erro, nem falha, é maldade”, afirmou em relação a quem divulga as fake news.

Oderich disse que “eu hoje controlo as postagens no grupo, mas não consigo controlar todos os comentários. Eu vi que apareceu uma lista nos comentários que tem o nome de algumas pessoas novas. O Grupo tem um tamanho hoje que sem a ferramenta de denúncia do Facebook eu não consigo averiguar tudo o que está sendo comentado”.

Para o administrador parece uma infeliz brincadeira de 1º de abril que, assim que vista, foi apagada por ele.

Há, ainda, outras montagens a partir de postagens do JMais trazendo título e fotos diversos do real. “A recomendação sempre é de ir à fonte, ou seja, se ver qualquer print, especialmente no WhatsApp, cheque entrando no site pelo jmais.com.br”, destaca o editor do portal, Edinei Wassoaski.