sexta-feira, 1

de

julho

de

2022

ACESSE NO 

Alberti e ex-diretor preso viajaram para buscar cabeçote; secretário que gastou R$ 70 mil em diárias em 4 anos foi junto

Últimas Notícias

- Ads -

Em pelo menos 15 viagens somente em 2021, diferentes funcionários de primeiro escalão viajaram para buscar peças

Um dos homens fortes do mandato anterior de Adelmo Alberti (PSL), o ex-secretário de Administração, Saúde e Articulação e Desenvolvimento Sustentável de Bela Vista do Toldo, Natanael Pires, gastou R$ 76,4 mil em diárias em quatro anos e meio, entre 2017 e junho de 2021.

Pires foi prefeito de Matos Costa no início dos anos 2000. Em 2004 ele foi condenado a dois anos de prisão acusado de desvios da ordem de R$ 40 mil na construção de um ginásio de esportes de uma escola da cidade.

Em 2017, quando Alberti voltou ao comando da prefeitura, ele nomeou Pires como seu secretário de Administração. Pires ocupou o cargo até o começo de 2019, quando Alberti exonerou o então secretário de Saúde, Gilberto Ziemann, e deslocou Pires para a pasta. No início deste segundo mandato consecutivo, Alberti realocou Pires na então criada Secretaria de Articulação e Desenvolvimento Sustentável, cargo do qual foi exonerado pelo prefeito em exercício Alfredo Cesar Dreher (Podemos) assim que assumiu depois da prisão de Alberti.

Chama a atenção as viagens feitas por Pires em dissonância com o cargo que ocupava. Em 2017, por exemplo, ele dirigiu um carro da prefeitura para levar Alberti e o diretor de Planejamento e Desenvolvimento Econômico à época, Claudinei Ribeiro, para buscar um cabeçote em Curitiba (PR) na Retífica de Motores Lopes da Rocha.

Ainda como secretário de Administração, Pires participou de um evento sobre comunicação em Veranópolis (RS) e de um Congresso de Prefeitos em Florianópolis.

Já como secretário de Saúde, em 2019, ele buscou peças para patrola e retroescavadeira em Curitiba, participou de várias audiências em repartições estaduais e com deputados e até participou de uma reunião para pesquisa de preços de peças para pá carregadeira em uma empresa chamada FG Peças, em Curitiba. Participou de uma reunião sobre “assuntos administrativos” em Jaraguá do Sul e levou o prefeito ao aeroporto em Curitiba.

Embora não seja diária, consta como tal o ressarcimento feito pelo Município a Pires do valor de R$ 895 referente a diversos remédios comprados em várias farmácias com dinheiro do bolso dele para fornecer a moradores de Bela Vista do Toldo. Consta na justificativa: “Os medicamentos de extrema necessidade e urgência que não disponíveis no momento na secretária municipal de saúde – farmácia”, contudo, conforme pessoas ligadas a administração do Município na gestão anterior, o Município tinha convênio com quatro farmácias de Canoinhas para compra de remédios que por ventura faltassem na farmácia básica. As farmácias, por sua vez, pediam um dia útil para providenciar medicamentos que estivessem em falta.

O ex-secretário Natanael Pires/Divulgação

Ainda como secretário de Saúde, Pires buscou peças também em Joinville e participou de audiências na Azimute, uma verdadeira obsessão de Alberti dado o número de viagens para audiências na sede da empresa. A Azimute foi contratada pelo Estado para operar o Programa Recuperar. Ao todo, 165 cidades que possuem vias estaduais estão sendo atendidas pelo programa. Não é o caso de Bela Vista do Toldo, cuja SC-120, que é de seu interesse, não recebeu nada do programa até o momento.

Procurado na manhã deste sábado, 31, Pires disse que iria apresentar as provas que comprovam as diárias usadas na segunda-feira, 2. Sobre a compra de remédios ele adiantou que não havia farmácias credenciadas à época e que por isso ele fez a compra dos remédios com seu dinheiro, posteriormente ressarcido pelo Município. Afirmou ainda que a SG vendia, sim, peças ao Município. Ele disse que juntaria a documentação e apresentaria o material à reportagem. Depois de ver este texto publicado, o ex-secretário ligou para o JMais afirmando que não apresentaria mais documentos e que não ligassem mais para ele.



PEÇAS

Pelo menos 15 viagens foram realizadas somente neste ano para busca de peças em empresas de Curitiba, Joinville, Jaraguá do Sul, Rio Negrinho, São Bento do Sul Jaraguá do Sul e até em Santa Cecília, para onde Josiel Ossowski viajou em 11 de janeiro para buscar um pneu. Até mesmo o atual prefeito, Alfredo César Dreher, viajou a Curitiba com o objetivo de buscar peças. Foi no dia 13 de abril. Pela viagem foi ressarcido em R$ 531,78.

No total, somente neste ano foram gastos R$ 2.895 em viagens para buscar peças.

Todas as descrições das diárias analisadas são genéricas, informando apenas que o servidor recebeu o dinheiro por ter ido buscar peças em determinada cidade e com determinado veículo, mas não há documentos que comprovem as despesas anexados, muito menos nota fiscal da compra da peça. Em um só caso, em uma das viagens de Natanael Pires, consta que a peça foi buscada na SG Peças, de Curitiba. A reportagem entrou em contato com a empresa e ouviu que consultando as notas fiscais emitidas nada havia para a prefeitura de Bela Vista do Toldo. Esta empresa não consta entre os credores da prefeitura nos últimos quatro anos conforme consulta ao portal da transparência.

A reportagem consultou uma transportadora de Canoinhas para saber quanto custaria para buscar 15 volumes (média de 5 quilos cada) em Curitiba com entrega direta em Bela Vista do Toldo. Recebeu como resposta o valor total de R$ 750, com intervalo de, no máximo, um dia entre o pedido e a entrega.



PRESCEDENTES

Embora não se tenha nada que documente publicamente a relação entre a prefeitura de Bela Vista do Toldo e a SG, em 2017 o próprio prefeito Alberti recebeu diárias a fim de devolver peça de uma patrola JCB da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos para e empresa. “Houve a necessidade da devolução por as peças estarem licitadas, em Curitiba, com o veiculo toro QIH 2484”, diz a justificativa. Contudo, a SG nada recebeu pelo serviço que conste no Portal da Transparência.

A reportagem pediu uma posição do diretor de comunicação da prefeitura sobre os gastos, mas ele disse que somente a assessora jurídica da prefeitura poderia falar a respeito. Ele disse não ter o contato da assessora.