Desafios para os prefeitos do Planalto Norte


Vice-prefeito e prefeito reeleitos de Canoinhas/Moisés Gonçalves/Divulgação

Combate à covid-19 deve ser prioridade zero

 

 

DESAFIOS

Os prefeitos do Planalto Norte que foram empossados ou reempossados nesta sexta-feira, dia 1º, precisam eleger uma prioridade zero: o combate à covid-19. Passadas as festas, os hospitais da região terão superlotação. Como se fosse possível plantar vento e colher flores, muita gente viajou para o litoral, aglomerou em festas e visitou parentes como se não houvesse amanhã. O amanhã chega na próxima semana e uma profusão de novos casos vai degringolar o já esgarçado sistema público de saúde.

 

 

 

 

Com a incompetência do governo federal no trato à pandemia, com os sinais trocados do presidente Bolsonaro e o “especialista em logística” deixando para comprar agulhas e seringas aos 45 do segundo tempo, se os Estados e os Municípios não se mexerem será o caos. O Estado de São Paulo saiu na frente e já tem o suficiente para vacinar em uma primeira etapa toda a população da capital. Isso, ainda, se a vacina chinesa comprovar capacidade de imunização. Senão, será uma tragédia para outros Estados, que já assinaram protocolos de intenção de compra da vacina. A Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) foi uma das entidades que foi à São Paulo atrás da vacina chinesa. Ao contrário do que os fundamentalistas baseados no WhatsApp pregam, a questão passa longe da ideologia: é o que temos. A negociação com todas as demais vacinas estão bem atrás da chinesa em termos de logística. Tanto aos produtores da vacina da Astrazeneca quanto da Pfizer, com as quais o governo federal vem negociando, vão primeiro garantir abastecimento para seus respectivos países para depois mandar a vacina para o Brasil. A chinesa é diferente porque o governo paulista não só comprou doses como também a tecnologia e o Instituto Butantan já produziu milhões de doses em solo brasileiro. Tudo estocado aguardando a finalização do estudo de eficácia e aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

 

 

 

 

 

 

Quem correr antes, vai garantir a vacina para sua população. Quem ficar esperando “propostas” como sugere o presidente, vai morrer. Não existe vários entrepostos de água gelada no Saara para que se possa escolher a melhor oferta. Diante disso, o prefeito Beto Passos (PSD) deu um sinal de que já passou a empolgação da eleição e o foco vai voltar a ser a pandemia. Na posse disse que vai assumir a presidência do Consórcio Intermunicipal de Saúde (CIS) da Amplanorte e priorizará a compra da vacina para a região. Que seja em breve.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ECONOMIA

A incompetência do governo federal no trato à covid-19 não encontrou a mesma morosidade e trapalhadas na economia. O governo agiu rápido e conseguiu colocar de pé em tempo recorde um monumental sistema de transferência de renda por meio do auxílio emergencial. Concomitantemente, liberou rios de dinheiro para Estados e Municípios. Muitos receberam além do que perderam em receitas, por isso, nenhum Município do País pode chorar. Bolsonaro foi uma mãe para prefeitos, especialmente os de cidades menores, que com arrecadação pequena engordaram seus cofres nos últimos meses. Por isso, economia não pode ser desculpa para combater o vírus.

 

 

 

 

Ademais, o comércio parece ter recuperado as vendas perdidas em março e abril e corre risco zero de ser fechado novamente. Ninguém deixou de comprar os presentes de fim de ano e ainda usou o auxílio emergencial para melhorar os agrados.

 

 

 

Resta aguardar os efeitos do fim do auxílio agora em janeiro. Contudo, Canoinhas, só pra citar um exemplo, vem ofertando empregos de dúzias para cima. Está cada vez mais difícil ficar desempregado na cidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ENQUETE

A propósito da vacina chinesa, enquete feita na home do JMais mostra que 138 pessoas aceitariam tomar a coronavac sem restrições; 74, não; e 22, talvez.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BOAS NOVAS

De modo que os prefeitos empossados nesta sexta assumem seus respectivos Municípios com uma boa retaguarda financeira e um desafio que não é para os fracos de manter sua população viva diante de um vírus que ataca de modo avassalador e contamina com facilidade impressionante. A eleição de 2020 já foi uma espécie de referendo pra ver se os atuais prefeitos souberam agir adequadamente durante o estouro da pandemia. Todos os candidatos a reeleição se deram bem na prova. Resta saber se manterão o mesmo patamar de aprovação na segunda onda.

 

 

 

 

 

 

 

 

SANEAMENTO E OBRAS

Beto Passos, especificamente, tem o desafio de concluir obras de asfalto iniciadas no ano passado e dar um ultimato à Casan para que, enfim, inicie a segunda etapa da implementação do saneamento básico na cidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDIRETAS DIRETAS

Prefeito Beto Passos ainda não superou as mágoas da campanha. Em um discurso assertivo, no qual não se esqueceu de nenhum dos setores de sua administração, aproveitou para mandar recados a oposição.

 

Vereadora Juliana Maciel/Moisés Gonçalves/Divulgação

Pouco depois, Juliana Maciel (PSDB) lembrou que, agora, ele governa para todos os canoinhenses, já adiantando uma possível rejeição aos opositores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EU ME LEMBRO

Beto Passos/Moisés Gonçalves/Divulgação

Passos afirmou que durante seu primeiro mandato os vereadores de oposição nunca o procuraram para “pedir melhorias para os canoinhenses”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Nossa campanha não foi a campanha da coxinha, foi a campanha das propostas”

do prefeito reeleito Beto Passos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECADOS

Prefeito reeleito de Três Barras, Luiz Shimoguiri (PSD) também mandou recados a oposição: “Aceitar derrota é uma virtude e também uma qualidade”. Sobre a divisão de votos, acrescentou: “Quero dizer que a democracia é isso mesmo, mas as regras eleitorais mostram que vence quem ganha mais votos. Respeito muito quem votou nos demais candidatos.” Falou também sobre o desafio de combater a covid-19 e pediu ajuda aos vereadores para administrar.

 

 

 

 

 

 

 

“Três Barras não pertence a nenhum grupo político. Três Barras pertence à sua gente”

do prefeito reeleito Luiz Shimoguiri

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EQUIPE

Luiz Shimoguiri, prefeito empossado

Luiz Shimoguiri (PSD) promete para até o fim da próxima semana o anúncio da nova equipe de governo. Adelmo Alberti (PSL), também.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DIVISÃO

A eleição para a mesa diretora da Câmara de Três Barras mostrou divisão entre opositores e governo. Mesmo com chapa única, cinco votaram contra. Assim como em Canoinhas, Shimoguiri tem um voto para manter maioria na Câmara, porém, lá a relação será mais tensa, já que em Canoinhas Passos conseguiu incluir Zenilda Lemos (MDB) na mesa diretora e garantiu unanimidade na votação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PARTIDO ÚNICO

Adelmo Alberti

Prefeito reeleito de Bela Vista do Toldo, Adelmo Alberti (PSL) também conclamou para a união. “Passou a eleição, temos um partido único, que é Bela Vista do Toldo”, enalteceu.

 

 

 

 

 

 

 

 

“Nem todos tem a grandeza de pensar assim”

emendou Adelmo Alberti, reclamando dos adversários políticos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MOMENTO DIFÍCIL

Adilson Lisczcovski/Gilberto Havrelhuk

Em seu discurso, o prefeito eleito de Major Vieira, Adilson Lisczkovski (Patriota) destacou que Major Vieira vive seu momento mais difícil em mais de 60 anos de história. Fez referência direta a pandemia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Grandes poderes geram grandes responsabilidades”

do prefeito de Major Vieira, Adilson Lisczkovski, parafraseando o tio do Homem Aranha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECESSO

Dou uma folga de três semanas aos meus leitores. Retorno com coluna fresquinha no dia 23 de janeiro. Feliz 2021 a todos nós!





Deixe seu comentário: