segunda-feira, 15

de

agosto

de

2022

ACESSE NO 

Canoinhas e mais quatro cidades da região estão no nível alto de alerta para covid-19

Últimas Notícias

- Ads -

Somente Três Barras foi classificada no nível baixo de alerta para a doença

Canoinhas, Major Vieira, Papanduva, Mafra e Itaiópolis estão no nível alto para covid-19, de acordo com a matriz de alerta epidemiológico divulgada nesta segunda-feira, 20, pela Secretaria de Estado da Saúde, que traz a atualização da avaliação de risco potencial. Apenas Três Barras está no nível baixo de alerta. Bela Vista do Toldo, Porto União, Monte Castelo e Irineópolis foram classificadas no nível médio de alerta.

Os níveis de alerta epidemiológico são determinados por meio da observação das taxas de incidência de casos de covid-19 e de casos hospitalizados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na semana epidemiológica anterior, somadas às coberturas vacinais.

Em Canoinhas, a taxa de incidência de casos de covid-19 é média, registrando entre 10 e 20 casos por 100 mil habitantes na semana epidemiológica anterior. Mafra, Três Barras e Monte Castelo também apresentaram taxa média de incidência de casos. Os demais municípios da região indicaram taxa baixa, tendo registrado abaixo de 10 casos.

Quanto à incidência de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), Major Vieira registrou acima de 200 casos (nível alto) e Papanduva registrou entre 100 e 200 casos (nível médio). Os outros oito municípios do Planalto Norte tiveram menos de 100 casos de SRAG registrados (nível baixo).

Em relação a cobertura do esquema vacinal primário completo, que são as duas doses da vacina para a população acima dos 5 anos, apenas Três Barras e Monte Castelo apresentam índice acima de 85%. As outras oito cidades estão no nível médio e apresentam índice de cobertura vacinal entre 60 a 85% da população vacinável.

Quando se trata da cobertura vacinal da dose de reforço, somente Três Barras tem entre 60 a 85% da população acima dos 18 anos vacinada com esta dose. No restante das cidades a cobertura vacinal da dose de reforço ficou abaixo dos 60%.