quinta-feira, 23

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

2020 foi o ano mais sangrento da década no trânsito das rodovias da região

Últimas Notícias

- Ads -

Foram 49 mortes computadas nas rodovias que cortam a região; a maioria, 26, aconteceu na BR-280

 

 

Pelo menos 49 pessoas perderam a vida em acidentes de trânsito nas rodovias que cortam a região do Planalto Norte e Sul do Paraná em 2020. Somente na BR 280, no trecho Mafra a Porto União foram 26 vítimas fatais. Pelo segundo ano consecutivo o número de mortos na BR 280 vêm aumentando. Em 2019, foram 14 mortes no mesmo trecho enquanto que  em 2018 foram seis óbitos.

 

 

Na sequência, vem a BR-116 (trecho que liga Monte Castelo a Mafra) com 14 mortos.  Houve registro de duas mortes ainda na PR 151 (entre Três Barras e São Mateus do Sul), duas na SC 477 (que liga Canoinhas a Papanduva/Monte Castelo) e uma na SC 303 (que liga Canoinhas a Três Barras).

 

 

Além dessas rodovias, o levantamento do JMais também engloba a rodovia SC 160, que liga Irineópolis à BR 280, porém, não houve acidentes com mortes nesse trecho em 2020.

 

 

 

No dia 20 de dezembro aconteceu o maior acidente com número de vítimas fatais já registrados na BR-280, entre Porto União e Mafra, em quase 40 anos da rodovia. As três crianças mortas no gravíssimo acidente ocorrido perto das 12 horas, na rodovia, proximidades da Floresta Nacional (Flona) do Ibama, em Três Barras, tinham 11, nove e cinco anos, respectivamente, e viajavam com a mãe em um Gol com placas de Canoinhas. Eles eram moradores da localidade da Campininha, em Três Barras. Os quatro morreram.

 

Acidente na 280 vitimou mãe e três filhos/Reprodução

 

Outras duas mulheres que viajavam em um Renault Logan com placas de Jaraguá do Sul, que colidiu frontalmente contra o Gol, morreram no local do acidente. Elas foram sepultadas na cidade de Guarapuava (PR). Não houve sobreviventes.

 

 

 

Antes deste acidente, cinco pessoas, identificadas como sendo da mesma família, morreram em trecho próximo da divisa entre Canoinhas e Irineópolis da rodovia no ano de 2016.

 

 

 

Acompanhando o levantamento que o JMais faz desde 2013, o número de mortos nestas estradas havia batido recorde naquele ano. Foi de 38 mortos em 2013 para 29 mortos em 2014 e para 22 mortos em 2015, subindo para 33 em 2016. Em 2017 este número recuou um pouco, para 30, baixando mais um pouco no ano seguinte, para 26 mortes, e subindo em 2019, para 31. Em 2020, os números voltam a subir e o recorde é de 49 mortos.

 

 

 

 

 

MORTES NAS RODOVIAS DA REGIÃO

2018 2019 2020
BR 116** 12 11 14
BR 280*** 6 14 26
Canoinhas (perímetro urbano) 1 0 1
Três Barras (perímetro urbano) 3 0 1
Bela Vista do Toldo (perímetro urbano) 1 0 1
Transfalcônica (Três Barras) 1 0 0
Itaiópolis (perímetro urbano) 1 0 1
SC-477 0 1 2
PR 151 0 5 2
SC 303 1 0 1
SC 160 0 0 0
TOTAL 26 31 49
** entre Monte Castelo e Mafra
*** entre Porto União e Mafra

 

 

MORTES NO PERÍMETRO URBANO

Na área urbana, três acidentes com vítimas fatais foram registrados na região de Canoinhas no ano passado: um em Bela Vista do Toldo, um em Três Barras e um em Canoinhas.

 

 

Tadeu Iarrocheski, 53 anos, morreu após uma colisão entre sua motocicleta e um veículo Gol na localidade de Rio Bonito, em Bela Vista do Toldo, no dia 1.º de janeiro de 2020. De acordo com o relatório da PM, o condutor do Gol apresentava sinais de embriaguez.

 

 

 

Em Três Barras, Leopoldo Simas, 42 anos, morreu em capotar um Chery Celer, que dirigia perto das 6 da manhã do dia 16 de fevereiro, em uma curva que dá acesso à Escola de Educação Básica Colombo Machado Salles, em Três Barras, pela rua Félix da Costa Gomes, no bairro João Paulo 2.º.

 

 

 

No dia 8 de março, um acidente entre uma motocicleta e uma caminhonete deixou dois jovens feridos no cruzamento das ruas Paulo Ritzmann e Frei Menandro Kamps, em Canoinhas. A jovem de 15 anos, garupa da moto estava grávida na ocasião do acidente e teve ferimentos leves. Já o condutor da moto, Eduardo de Barros Paes Oliveira, de 20 anos, ferido gravemente, foi transferido para o Hospital São Vicente, de Mafra, onde faleceu dez dias depois do acidente.

 

 

 

No ano anterior, em 2019, nenhum acidente com mortes foi registrado em área urbana.