quinta-feira, 30

de

junho

de

2022

ACESSE NO 

Vereadores de Bela Vista do Toldo esquecem de pedido de cassação e colega recorda: “Vocês têm mente curta?”

Últimas Notícias

- Ads -

Dinei Berdnaski (PDT) se referia ao pedido para cassar o mandato do colega Vilson Stelzner, reprovado pela maioria

MENTE CURTA

Vereador Dinei Berdnaski (PDT) usou a tribuna da Câmara de Vereadores de Bela Vista do Toldo nesta terça-feira, 21, para responder a uma pergunta feita pelo presidente da Casa, Marcos Kogi (UB), e a vereadora Maíra Mizva (PL), na semana passada. Sem estar inscrita para falar, Maíra pediu a palavra para dizer que Dinei tinha voz ativa diante da população e que ele poderia ter apresentado pedido de cassação, sem citar nomes. “Nada impede o senhor de protocolar, vamos ver os trâmites legais da lei, o senhor tem livre arbítrio e pode protocolar o que o senhor quiser”, afirmou respondendo a um elogio que Dinei havia feito à Câmara de Canoinhas, que extinguiu o mandato de Renato Pike na semana passada.

No dia Dinei se queixou que são sete vereadores “de oposição”, sendo interrompido pelo presidente Kogi, que questionou quando foi protocolado pedido de cassação na Câmara. Dinei afirmou que foi protocolado sim, houve discussão, mas como a maioria é favorável (sem citar especificamente a quem, mas numa clara referência a Adelmo Alberti e Vilson Stelzner, vereador preso com Alberti na quarta fase da operação Et Pater Filium), o pedido foi reprovado.

Nesta terça, Dinei perguntou a Maíra e Kogi se “vocês têm mente curta? O número do protocolo (que pediu a cassação do mandato de Vilson) é 1779. Se vocês quiserem eu escrevo em um cartaz bem grande e prego na parede para ninguém mais esquecer, pra ninguém mais duvidar”.

E seguiu. “Outra coisa vereadora Maíra, a senhora disse na sessão passada que tinha de fazer a coisa certa, mas a senhora estava inscrita na semana passada para falar? Para falar a senhora tinha de estar inscrita. O presidente da Casa perdeu mesmo as rédeas ao ser interrompido pela senhora. A senhora disse que não está aqui para julgar e citou o ex-prefeito Adelmo Alberti. Eu julguei alguém? Nem citei ele. Ele está sendo julgado pelo que ele está falando lá na cadeia. Deixou Bela Vista do Toldo sem crédito nenhum. Realmente a gente fica decepcionado pelas atitudes, tanto do presidente quanto da vereadora. Espero que da próxima vez se inscreva se quiser falar”, disse. Tanto Maíra quanto Kogi não responderam.

“Prefeito deixou Bela Vista do Toldo na pior, sem moral nenhuma, só queria encher o bolso, tirava de quem mais precisava, esse prefeito lesou o Município. Não sou eu que estou dizendo, é ele (Alberti) que está falando por meio de suas delações, é o JMais que está de parabéns, que tem atualizado nossa população, deixando as informações mais transparentes”, concluiu.

Dinei ainda elogiou o atual prefeito Alfredo Cesar Dreher (Podemos) pelo que está passando para tentar colocar o Município nos trilhos.


FATOS E VERSÕES

De fato, não houve pedido de cassação do mandato de Alberti, porém, o de Vilson Stelzner, sim. O pedido foi assinado por Dinei e Osni Stelzner (MDB) e reprovado por sete votos a dois.


PESO DE PORTA

O decreto que extingue o mandato de Renato Pike (sem partido) foi entregue ontem à Justiça Eleitoral depois que a juíza eleitoral interina Marilene Granemann de Melo requereu o documento à Câmara na segunda-feira, 20.




NÃO ESTOU NEM AQUI

Protocolarmente, mesmo se negando a falar, o ex-prefeito de Canoinhas, Beto Passos (PSD), deveria aparecer por videoconferência para os membros da CPI dos Livros ontem à tarde. Mas nem isso. Alegou qualquer coisa para não aparecer e não dar o gostinho às arqui-inimigas Juliana Maciel (PSDB) e Tatiane Carvalho (MDB) de vê-lo no cárcere.




DOBRADINHA

Paulinho Basilio (D) quer lançar candidatura, ao passo que Zenilda (ao seu lado) apoia candidatura de Juliana Maciel (ao lado de Zenilda). Ainda na foto o deputado federal Carlos Chiodini (E)

O time dos sonhos do quarteto de oposição na Câmara de Vereadores é Juliana Maciel na cabeça de chapa com Zenilda Lemos na vice na disputa pela prefeitura de Canoinhas. Resta convencer boa parte do MDB a apoiar a dobradinha.




DIVERGÊNCIA

Depois de anos sob litígio, ainda não há consenso sobre a questão dos lotes do Loteamento Vila Verde, no Campo d’Água Verde. Há quem conteste a legitimidade de o Município arbitrar sobre a titularidade da área, considerando que as terras já teriam donos. A questão deve ir para a Justiça.




VOZ

Um grupo de pais segue se mobilizando na internet contra os decretos que obrigam o uso de máscara nas escolas. “Estamos há mais de dois anos na batalha por nossos filhos, crianças e adolescentes que vêm há tempo demais suportando o peso de péssimas políticas impostas por gestores inconsequentes. Somos pais e mães catarinenses, das mais diversas profissões, cujo único interesse é garantir os direitos de seus filhos.

A política de fechamento de escolas foi uma vergonha, seguida de protocolos praticamente hospitalares impostos no ambiente escolar. Há muito tempo os locais de aglomeração de adultos já se libertaram das medidas restritivas que alguns (equivocadamente) insistiam em manter apenas para crianças e adolescentes – ironicamente, a faixa etária mais poupada pelo vírus não contou com a mesma ‘bondade’ por parte dos adultos”, diz uma postagem do grupo Pais pela Educação de SC.


“Quem se candidatar a deputado estadual para fazer trampolim pra prefeito vai prejudicar a região. O Planalto Norte inteirinho errou na eleição passada”

Do ex-prefeito de Mafra, Wellington Bielecki (PSD), em entrevista ao portal Rio Mafra Mix. Ele estuda se candidatar em outubro, mas lembra que a corrida é complicada. “Não se elege com 17 mil votos, tem de se pensar em 30 a 35 mil votos pra cima”, vaticina




MAIS UM

Renato Pike teve negado mais um pedido de habeas corpus pela ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Laurita Vaz. Desta vez questionava, como outros advogados já haviam feito, a instância para julgá-lo.



PROCON

As cidades de Papanduva e Monte Castelo não possuem sistemas municipais de defesa do consumidor compostos pelo Procon, Comitê Gestor de Defesa do Consumidor e Fundo Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor. Devido à falta desses sistemas, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) articulou com os prefeitos a sua implantação para oferecer aos munícipes um local equipado e adequado onde possam buscar seus direitos quando se sentirem lesados por fornecedores de produtos ou serviços.