Seminários regionais discutem IG para mel de melato da bracatinga

Foto: Aires Mariga / Epagri

Segundo levantamentos da Epagri, esse tipo de mel é produzido em 20% do território estadual,  sobretudo as regiões dos Planaltos Serrano e Norte

 

 

O mel de melato da bracatinga será a grande estrela dos Seminários Regionais de Apicultura, realizados no dia 8 de maio em Mafra e 9 de maio em Bocaina do Sul. Trata-se de um tipo diferente de mel, que não é produzido pelas abelhas a partir do pólen das flores, e sim a partir de um resíduo alimentar da cochonilha – um inseto que se aloja no caule da bracatinga, árvore nativa da mata atlântica.


 

 

Os dois eventos começam às 8h30 e seguem até as 17h30. Na programação, discussões que envolvem a busca de uma Indicação Geográfica (IG) para o mel de melato da bracatinga. Uma IG é uma certificação, concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), que garante que um produto só tem aquelas propriedades porque sua produção é influenciada por características ambientais ou culturais de uma determinada região. O trabalho para solicitar uma IG para o mel de melato da bracatinga está sendo desenvolvido graças a uma parceria entre a Epagri, a UFSC, o Sebrae e a Federação das Associações de Apicultores de Santa Catarina (Faasc).

 

 

Segundo levantamentos já realizados pela Epagri, o mel de melato da bracatinga é produzido em 20% do território estadual, compreendendo sobretudo as regiões dos Planaltos Serrano e Norte. Para o pedido de IG, a instituições vão incluir áreas vizinhas a Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, onde também são registradas ocorrências desse mel.



 

 

O mel de melato da bracatinga é mais escuro, tem menos açúcares e mais minerais que o similar produzido a partir do pólen. Estudos científicos também apontam propriedades medicinais no produto. Em Santa Catarina, 95% da produção desse mel é exportada. A Alemanha é o principal país comprador.

 

 

Além de valorizar e confirmar as características únicas do mel de melato de bracatinga, a IG também tem potencial de gerar desenvolvimento para o território produtor. Na avaliação dos técnicos da Epagri, a certificação poderia atrair indústrias de processamento do produto e até incentivar o turismo local.

 

 

O Seminário vai envolver todo os membros da cadeia produtiva, para apresentar os resultados parciais dos estudos e aprofundar as discussões sobre a IG do mel de melato da bracatinga. As inscrições podem ser feitas nos locais dos eventos. A expectativa é de reunir 500 pessoas nos dois Seminários.

Deixe seu comentário: