terça-feira, 26

de

outubro

de

2021

ACESSE NO 

SEGUNDA, 19/7: Máquina federal tem enxugamento de pessoal e pagamento de multa ambiental cai 93% no governo Bolsonaro em destaque

Últimas Notícias

- Ads -

19 de julho de 2021

Folha de S.Paulo

Máquina federal tem enxugamento de pessoal e gastos

A máquina pública federal clássica no Brasil, que inclui ministérios, fundações e agências reguladoras, além órgãos tradicionais como INSS, IBGE, Ibama e Incra, entre outros, passa por um fase inédita de enxugamento.

A taxa de reposição dos funcionários que se aposentam é a menor da série histórica. Na média dos últimos três anos, apenas 11,6 mil novos servidores foram contratados.

Participam hoje dessa engrenagem 208 mil servidores públicos estatutários. No auge, em 2007, eles eram 333,1 mil, com direito a estabilidade e planos de progressão automática em suas carreiras, segundo dados do Painel Estatístico de Pessoal (PEP), do governo federal.

A diminuição se acentuou nos últimos anos, com a aprovação do teto de gastos, em 2015, e no governo Jair Bolsonaro (sem partido), que restringiu as contratações congelou os vencimentos dos servidores.




  • Bolsonaro diz que Pazuello agiu bem com intermediário
  • Aglomerações se multiplicam em meio a variante
  • Doações pelo judiciário geram questionamentos
  • Regime cubano reage e organiza manifestação





O Estado de S.Paulo

Pagamento de multa ambiental cai 93% no governo Bolsonaro

O número de processos com multas pagas por crimes ambientais na Amazônia Legal despencou 93% em 2019 e 2020. Levantamento feito por pesquisadores do Centro de Sensoriamento Remoto e do Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que a média anual de processos do Ibama com multas pagas caiu de 688 entre 2014 e 2018 para 44 nos dois primeiros anos do governo Jair Bolsonaro. Mudanças em regras internas do Ministério do Meio Ambiente e na legislação dificultaram tanto o trabalho de campo dos fiscais quanto o andamento interno de processos ligados a apurações de infrações ambientais, como desmatamento e venda de madeira. O governo tem apostado em operações militares contra crimes ambientais. As Forças Armadas, porém, não aplicam sanções a quem queima ou desmata.





  • STF: 3 em 10 senadores já declaram apoio a Mendonça
  • Governos usam software militar para espionar civis
  • PIX conquista clientes e supera TED e boleto
  • Câmara acaba com piso salarial de 5 profissões









O Globo

Reforma eleitoral reduz fiscalização sobre partidos

Relatório em discussão na Câmara esvazia papel da Justiça Eleitoral na análise de dados





  • Empresas buscam R$ 200 bi de crédito na retomada
  • Dados revelam 135 ligações entre Dias e alvo da CPI
  • Lista de espionagem em celular tem 50 mil nomes em 45 países
  • Inação na Amazônia preocupa parceiros