Segunda audiência pública sobre rodovia SC-135 pede mais prazo

Assessoria Prefeitura de Porto União

Novo cronograma marca o dia 30 de junho para início das obras na rodovia. Aditivo é de 120 dias

 

 

A segunda audiência publica programada desde o dia 11 de abril, para tratar dos problemas estruturais da SC 135, trecho entre Porto União e Matos Costa, foi realizada na tarde desta terça-feira, 14, no Fórum da Comarca de Porto União. O ato contou com a presença do secretário de Infraestrutura de Santa Catarina, Carlos Hassler, do prefeito Eliseu Mibach, do juiz João Carlos Franco, do promotor Tiago Davi Schimtt, do representante da empresa que está habilitada a realizar reparos na via de rolamento, Décio Pacheco Filho, e vereadores.


 

 

Na segunda rodada de negociações, Hassler disse que o Estado precisa de 120 dias para montar um cronograma de investimentos e obras, contando do mês de junho, ou seja, até outubro.

 

 

 

Paralelamente a isso, o secretário disse que vai fazer outro projeto para a liberação de novos recursos. O gestor da pasta de infraestrutura disse ainda estudar o uso de uma balança móvel, para atestar se há excesso de peso de carretas e caminhões que passam pela rodovia. “Nós vamos corrigir os pontos mais críticos, para que a via fica trafegável”, lembrou Hassler.

 

 

 

Mibach enfatizou que espera um serviço bem executado, com os recursos disponíveis até o momento. “Nossa maior preocupação é a trafegabilidade dessas rodovias”, lembrou o prefeito.



 

 

 

Mibach soube pelo próprio secretário que o atual contrato com a Décio Pacho pode ser aditivado em até 20% do seu valor total. A empresa informou que já foram gastos R$ 3 milhões, dos R$ 7,4 milhões do valor global do contrato em serviços realizados desde o KM zero até o KM7 e no Km 20.

 

 

 

Mibach relembrou Hassler dos problemas semelhantes na SC 340, trecho entre a BR 280, na localidade da Lança e Santa Cruz do Timbó.

 

 

Segundo o Deinfra, no próximo dia 22, os trabalhos de recuperação já devem começar no trecho. A garantia foi dada por uma engenheira que acompanhou a reunião. “Agora esperamos que as coisas aconteçam mais rápido, e que a população saiba que tem gente trabalhando para reconstituir essas rodovias importantes para a região”.

 

 

O prefeito lembrou que se o trecho não receber atenção devida, vai ficar pior do que a SC 135. O secretário, por sua vez, disse que os recursos são escassos e que a melhor atitude a se tomar é a prudência e ir resolvendo os problemas atacando os pontos mais críticos.

Deixe seu comentário: