quarta-feira, 27

de

outubro

de

2021

ACESSE NO 

QUINTA, 22/7: Bolsonaro põe Centrão na Casa Civil e recria pasta do Trabalho e demissão por justa causa para quem não tomou vacina em destaque

Últimas Notícias

- Ads -

22 de julho de 2021

Folha de S.Paulo

Bolsonaro muda ministérios e dá mais poder ao centrão

Em seu momento de maior fragilidade no governo, Jair Bolsonaro (sem partido) prepara uma reforma ministerial com a previsão de dar mais poder ao centrão, bloco político que era criticado no discurso do atual presidente e que se tornou sua base de sustentação no Congresso.

O mandatário disse nesta quarta-feira (21) que as mudanças ocorrerão até a próxima semana, mas a expectativa é a de que se concretizem até sexta (23).

Elas serão feitas em meio a uma série de pressões sobre Bolsonaro, incluindo mais de cem pedidos de impeachment na Câmara, perda de popularidade, desvantagem sobre Lula nas pesquisas eleitorais para 2022, investigação da CPI da Covid no Senado, instabilidades na base governista e negociações do fundo eleitoral bilionário.

O desenho definido por enquanto envolve trocas em três pastas: o senador Ciro Nogueira (PP-PI) vai para a Casa Civil no lugar do general Luiz Eduardo Ramos, que passa para a Secretaria-Geral, hoje ocupada por Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Já Onyx, pelos planos atuais, ocupará o Ministério do Trabalho e da Previdência, que será recriado com a publicação de medida provisória prevendo a divisão do Ministério da Economia, de Paulo Guedes.






  • Senado vê pouca ação do Planalto por Mendonça
  • Brasil perde quase 30 mil indústrias desde 2013
  • SP prevê flexibilizar a partir do dia 1º, mas manterá máscara
  • Evento em Santos testa protocolos para retomada






O Estado de S.Paulo

Bolsonaro põe Centrão na Casa Civil e recria pasta do Trabalho

Numa tentativa de fortalecer sua base de sustentação política, o presidente Jair Bolsonaro fará mudanças no ministério. A principal novidade é a nomeação, para a Casa Civil, do senador Ciro Nogueira (PI), presidente do Progressistas e um dos líderes do Centrão. Bolsonaro muda a articulação política em meio a queda de popularidade e acusações contra sua gestão na CPI da Covid. O general Luiz Eduardo Ramos deixa a Casa Civil e vai para a Secretaria geral da Presidência, no lugar de Onyx Lorenzoni. Para continuar com Onyx na equipe, Bolsonaro decidiu recriar o Ministério do Trabalho e Emprego. Na Casa Civil, o Centrão passa a integrar o núcleo duro do governo. O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi convidado para o cargo, mas recusou. Alcolumbre comanda a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e mostra resistências à indicação de André Mendonça ao STF.





  • Chefe da Defesa condicionou eleição a voto impresso
  • ‘Não sabia. Fui atropelado por um trem’, diz general Ramos
  • Justiça confirma demissão por justa causa por vacina
  • Material de construção tem alta recorde
  • Termelétricas geram 1/3 da energia do País
  • Grávida poderá tomar Pfizer como 2ª dose
  • Covid encurtou mais a vida de latinos nos EUA



O Globo

Sob pressão, Bolsonaro dá Casa Civil a líder do Centrão

ara conter insatisfações de aliados do Centrão, o presidente Jair Bolsonaro avalia fazer o que chamou de uma “pequena reforma ministerial”, que envolveria uma troca na Casa Civil e a recriação do Ministério do Trabalho. Bolsonaro convidou o senador Ciro Nogueira (PP-PI) para assumir a Casa Civil.

Atual titular da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos pode ser deslocado para a Secretaria-Geral da Presidência, que hoje é ocupada por Onyx Lorenzoni, conforme mostrou o colunista Lauro Jardim. E Onyx iria para o ministério a ser recriado, que abrigaria as áreas do emprego e da previdência. As mudanças ainda não estão definidas.

  • Vacina da Johnson é menos efetiva contra variantes
  • Brasil pode ter nova crise no Orçamento
  • Agenda ESG vai ganhar mais peso na Bolsa