Quando a impulsividade é um problema médico?

Várias pessoas falam, escrevem, postam pensamentos e depois se arrependem. Há também quem tem reações exageradas e de forma impensada, colocando até mesmo a própria vida em risco. Você conhece alguém assim? É disso que trataremos aqui: impulsividade.

 

 

IMPULSIVIDADE: DEFINIÇÃO

A impulsividade é um padrão de comportamento marcado por atitudes não planejadas. Pensamos em falar ou em fazer várias coisas, mas depois de refletirmos, percebemos que aquilo não tem fundamento. Já quem tem uma impulsividade aumentada parte direto para a ação.

Esse tema sempre foi relevante – porque esses comportamentos trazem vários prejuízos, tanto sociais, quanto profissionais –, e ficou mais importante ainda pelo advento das redes sociais, já que um texto ou um post escrito de forma impulsiva pode trazer consequências desastrosas à vida daqueles que estão envolvidos. Você já deve ter visto atores, jornalistas, youtubers e até mesmo políticos que tiveram atitudes impulsivas e com isso grandes prejuízos à carreira. Mas isso não significa que essas pessoas tenham transtorno do controle do impulso.

 

QUANDO A IMPULSIVIDADE É UM PROBLEMA MÉDICO?

A impulsividade é uma característica da personalidade, alguns são mais impulsivos, outros menos. Quem nunca comprou algo que não precisava e se arrependeu depois? Ou ficou nervoso com alguém sem ao menos ter deixado ele terminar de argumentar, isso é normal se ocorre eventualmente, porém, anormal se frequente. Nesse caso a impulsividade passa a ser doença.

 

 

Se o córtex pré-frontal, área do cérebro que fica logo acima dos olhos, responsável pelo planejamento das ações, não estiver funcionando adequadamente, perde-se o controle sobre os impulsos.

 

 

TIPOS DE IMPULSIVIDADE

Transtorno Explosivo Intermitente (TEI): é a incapacidade de se lidar com o impulso de raiva ou agressividade, quebrando objetos e/ou agredindo pessoas de forma impensada. Todos podem ter um dia de fúria, e se ocorreu apenas uma vez, não é caracterizado como transtorno.

 

 

Oniomania: é o hábito de fazer compras impulsivas, de objetos que muitas vezes a pessoa não irá usar, se arrependendo depois.

 

 

Cleptomania: dificuldade de controlar o impulso de furtar objetos, que na maioria das vezes não tem valor financeiro agregado importante, e são totalmente desnecessários.

 

 

Automutilações: o indivíduo não consegue conter o impulso de se machucar, e, muitas vezes, sente alívio, por exemplo, ao se cortar.

 

 

Há também quem tem dificuldades em conter os impulsos em relação à esfera sexual, e por isso se coloca em diversas situações desagradáveis.

 

 

TRATAMENTO

Se você sofre por ter atitudes impensadas e isso traz grandes prejuízos para a sua vida e daqueles ao seu redor, não deixe de procurar um psicólogo e/ou um psiquiatra. O tratamento pode melhorar muito a qualidade de vida do indivíduo.

*Texto produzido em parceria com o portal Leet Doc.

Deixe seu comentário: