segunda-feira, 27

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Projetos limitam poder de governadores sobre polícias civil e militar e estados vão leiloar este ano de aeroportos a abatedouro

Últimas Notícias

- Ads -

Segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

 

 

 

O Globo

 

 

Manchete: Estados vão leiloar este ano de aeroportos a abatedouro

Governos buscam gestão mais eficiente na iniciativa privada e melhor uso de recursos

Os estados se preparam para colocar em prática uma ampla agenda de concessões e parcerias público-privadas este ano. A carteira de projetos que serão licitados inclui aeroportos, estradas, concessionárias de energia elétrica e saneamento, ginásios e até um abatedouro em Alagoas. A estratégia de vender ativos é a receita de governos de diferentes partidos e situações fiscais. Em comum, buscam uma gestão mais eficiente na iniciativa privada e o melhor uso de recursos públicos. Além disso, a receita deve ajudar os mais endividados, em um cenário de cofres mais vazios com os gastos para combater a pandemia. PÁGINA 13

 

 

 

  • Após 10 anos – Risco ainda ronda a Serra
  • Appel e Amazon banem rede social de apoio a Trump
  • Orçamento cai nas principais capitais do país
  • Espanha socorre àreas isoladas por neve com vacinas e comida
  • Enem terá regras de segurança para a Covid-19
  • No Rio, incerteza ainda marca planos para volta às aulas
  • Vasco vence e afunda o Botafogo

 

 


 

 

Folha de S. Paulo

 

 

Manchete: Acesso a jornalismo profissional reduz efeito de fake news

Experimento inédito feito em São Paulo mediu o impacto de campanhas de conscientização sobre conteúdos falsos

O acesso ao jornalismo profissional de qualidade reduz consideravelmente a chance de um eleitor acreditar em fake news, mostra pesquisa inédita feita em São Paulo.

Conduzido por cientistas políticos das universidades da Carolina do Norte – Charlotte (EUA) e das federais de Minas Gerais e Pernambuco, o  trabalho acadêmico contou com parceria da Folha e da consultoria Quaest.

PODER A8

 

 

 

  • Taxação de fortunas é alvo de crítica da Receita
  • Governo breca produção ao optar por um só tipo de seringa para vacinas, diz indústria
  • De olho no Enem, alunos tentam se proteger da Covid
  • Fuvest faz 1ª fase entre máscaras e temas pop
  • Após Capitólio, relação entre Bolsonaro e Biden se complica
  • Na pandemia, brasileiro investe mais na Bolsa, mas não deixa poupança
  • Coronavírus, crise e consumo consciente impulsionam vendas de brechós online
  • ‘A vida no Senegal é muito pior’
  • Amazon, após Google e Apple, rompe com rede de extrema direita
  • Maia sobe tom e deve deixar para sucessor decisão de impeachment
  • Em média de gols oficiais, Pelé ainda supera Messi e Cristiano Ronaldo

 

 

 


 

 

O Estado de S. Paulo

 

 

Manchete: Projetos limitam poder de governadores sobre polícias civil e militar

Modelo defendido por aliados de Bolsonaro propõe criação de patentes e de Conselho de Polícia Civil ligado à União, além de mandatos para comandantes

O Congresso se prepara para votar dois projetos de lei orgânica das polícias civil e militar que restringem o poder de governadores sobre braços armados dos Estados e do Distrito Federal. As propostas trazem mudanças na estrutura das polícias, como a criação da patente de general, hoje exclusiva das Forças Armadas, para PMS, e de um Conselho Nacional de Polícia Civil ligado à União. O novo modelo é defendido por aliados do governo no momento em que o presidente Jair Bolsonaro endurece o discurso da segurança pública para alavancar sua popularidade na segunda metade do mandato. Os projetos limitam o controle político dos governadores sobre as polícias ao prever mandato de dois anos para comandantes-gerais e delegados-gerais e impor condições para que eles sejam exonerados antes do prazo. No caso da Polícia Militar, a sugestão é para que a nomeação do comandante saia de lista tríplice indicada por oficiais e a destituição, por iniciativa do governador, seja justificada e por motivo relevante e comprovado. Na Polícia Civil, o delegado-geral poderá ser escolhido diretamente pelo governador, mas a dispensa “fundamentada” precisa ser ratificada pela Assembleia Legislativa ou Câmara Distrital, em votação por maioria absoluta.

POLÍTICA / PÁGINA A4

 

 

  • Fim de auxílio pode jogar 3,4 mi na extrema pobreza
  • Câmara quer julgar Trump nesta semana
  • Abstenções na Fuvest crescem na pandemia
  • Na linha de frente do Emílio Ribas
  • Japão acha nova cepa de vírus em brasileiros
  • Escolas públicas viram centros solidários
  • Após briga de torcidas, Santos vence São Paulo