Pretensão do Governo Federal de cortar R$ 10 bilhões em auxílios e incêndios no Pantanal e EUA em destaque nesta terça


Incêndio no Pantanal A Delegacia de Meio Ambiente (Dema) apura quem são os possíveis responsáveis pelos focos de incêndio, que deram início a grandes queimadas no Pantanal. As cinco perícias realizadas pelo Centro Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman-MT) apontaram ação humana como causa da origem das queimadas na região/ Mayke Toscano/Secom-MT

15 de setembro de 2020

 

 

Folha de S.Paulo

Governo quer decreto para cortar R$ 10 bi de carentes

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) planeja endurecer regras e revisar quase 2 milhões de benefícios destinados a idosos e pessoas carentes com deficiência.

Com as medidas, a serem tomadas por decreto, o governo busca uma economia que chegaria a R$ 10 bilhões por ano.

A iniciativa está sendo preparada em conjunto pelos Ministérios da Cidadania e da Economia, conforme relatos ouvidos pela Folha.

O objetivo, segundo membros do governo, é endurecer a regulamentação ligada à avaliação dos critérios do BPC (Benefício de Prestação Continuada).

 

 

 

 

  • Candidato, Russomanno fala em apoio de Bolsonaro
  • Fonte revelada gerou crise e expôs falhas do Intercept
  • Novo presidente do STF, Luiz Fux está com covid-19
  • Molécula detectada em Vênus pode indicar vida
  • Lava Jato em Curitiba denuncia Lula pela 4ª vez
  • PCC usava crianças e idosos para lavar dinheiro de presos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Estado de S.Paulo

Economia propõe congelar aposentadoria para criar Renda Brasil

Para obter recursos para o programa Renda Brasil no Orçamento de 2021, a equipe econômica do governo avalia propor a desvinculação do salário mínimo dos benefícios previdenciários e o congelamento, por dois anos, de aposentadorias e pensões pagas pelo INSS. A medida atingiria tanto quem ganha um salário mínimo (hoje, em R$ 1.045) como quem recebe acima desse valor e permitiria benefícios menores que o piso, o que é proibido atualmente.

A proposta, que ainda não recebeu aval do presidente Jair Bolsonaro, teria de ser aprovada pelo Congresso. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ser favorável ao não reajuste por dois anos, mas apenas para quem ganha aposentadoria, pensão ou benefício acima do salário mínimo. Segundo Maia, seria muito difícil aprovar a desvinculação para quem ganha o piso. De acordo com o presidente da Câmara, congelar os benefícios previdenciários para quem ganha acima do mínimo abriria espaço de aproximadamente R$ 20 bilhões em 2021 e R$ 40 bilhões em 2022.

 

 

 

 

  • Fogo no Pantanal consome 64% de parque estadual
  • Maioria dos partidos diz ser a favor do fim da reeleição
  • Governo vai propor isenção total de tributo para igrejas
  • Bolsonaro decide efetivar Pazuello na pasta da Saúde
  • Coronavírus pode atingir o cérebro, aponta estudo

 

 

 

 

 

 

 

 

O Globo

Empresário confessa esquema e revela propina a Witzel

 

 

 

  • Partidos firmam alianças de olho em 2022
  • Por Renda Brasil, governo quer congelar aposentadoria
  • Pantanal: Planalto agora vê emergência

 

 





Deixe seu comentário: