Presídio Regional de Mafra tem seis casos confirmados de covid-19


Presídio de Mafra/Riomafra Mix

Parentes de detentos reclamam da falta de contato

 

 

 

Parentes de internos do Presídio Regional de Mafra reclamam da falta de contato com eles por causa da pandemia. “Estamos recebendo notícias de que 40% do presídio está contaminada por covid, que a situação está desumana, eles estão sem ligação e carta por 30 dias. Houve transferência de preso para outro presídio passando por cima da portaria publicada pelo governo. Houve rebelião e teve 14 presos atingidos por bala de borracha. Não estão permitindo a entrada de advogados e alegam que os presos estão em isolamento, não é permitido entrada de sacolas desde o início da quarentena. Agora eles estão sem luz e água, e não estão sem banho de sol por sete dias”, reclama a esposa de um dos detentos que, por questões de segurança não quis se identificar.

 

 

 

A Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) informou por meio de nota a partir de questionamento da reportagem que no Presídio de Mafra há seis casos confirmados de covid-19, desde o dia 16 de março, quando foram implantadas as medidas de prevenção e combate ao coronavírus no sistema prisional catarinense.

 

 

 

Destes seis casos, três são internos, mas apenas um está isolado na unidade porque um recebeu o benefício da prisão domiciliar e o outro, após liberação da equipe de saúde, foi transferido para a Penitenciária de Joinville para cumprir a pena. Os outros três casos são de servidores que estão afastados do trabalho.

 

 

 

Ainda de acordo com a SAP, a unidade tem seis celas destinadas ao isolamento: três para internos que apresentarem sintomas e outras três para receber os presos que chegam das Delegacias, Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal.

 

 

 

“O Presídio de Mafra segue todos os protocolos de segurança determinados pela Sala de Situação da SAP e que estão disponíveis no site www.sap.sc.gov.br”, diz a SAP em nota.

 

 

 

 

BANHO DE SOL
Os tumultos registrados nos dias 19 e 28 de julho na unidade resultaram em danos estruturais na área de banho de sol e o local está sendo recuperado. Por conta disso, os internos terão de ficar sem o banho de sol, até que as obras estejam concluídas, informa a SAP. A previsão é que os trabalhados fiquem prontos dentro de sete dias. Há um procedimento administrativo sendo lavrado e estão sendo colhidos depoimentos dos internos e dos servidores para apurar as circunstâncias e responsabilidades sobre o tumulto.

 

 

 

 

ENERGIA ELÉTRICA
A suspensão da energia elétrica nas galerias entre 22h e 6h é um procedimento padrão no sistema prisional que foi implantado em Mafra, diz a SAP. “Manter a unidade em silêncio é também uma questão de segurança”, frisa.

 

 

 

 

CONTATO COM FAMILIARES
Os contatos entre os familiares e os internos previstos para o mês de julho já foram realizados e, os referentes ao mês de agosto, ocorrerão dentro do período conforme determina Portaria da SAP. O mesmo ocorre com os e-mails. “Importante ressaltar que nenhum advogado foi impedido de manter contato com o seu cliente”, afirma a SAP.

 

 

 

 

 

ITENS EXTERNOS
O envio de itens externos permanece suspenso como medida de segurança, uma vez que objetos externos podem oferecer risco de contaminação para os detentos. “Importante ressaltar que os presos seguem bem assistidos porque o estado entrega kits de higiene pessoal (individual) e para a limpeza da cela. Os internos também recebem todas as refeições, além de uniformes de inverno e cobertores”, encerra a SAP em nota.





Deixe seu comentário: