Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

domingo, 14

de

julho

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Preservacionista ou conservacionista: como você se identifica?

Últimas Notícias

As palavras parecem ter o mesmo significado, mas, o sentido delas é bem diferente

- Ads -

Você sabe a diferença entre preservação e conservação? As palavras parecem ter o mesmo significado, mas, o sentido delas é bem diferente.

Conservação implica em uso racional de um recurso natural, ou seja, em adotar um manejo que garanta a autossustentação do recurso explorado para as futuras gerações

Já preservação apresenta um sentido mais restrito, significando proteção integral com intocabilidade para evitar perda de biodiversidade, ou seja, não o utilizar, mesmo que racionalmente.

Para muita gente pode parecer a mesma coisa ou causar alguma confusão. Mas os dois conceitos são discutidos há muito tempo e formam duas correntes ideológicas distintas no que diz respeito à relação do homem com a natureza. Na segunda metade do século XIX, iniciou-se uma tendência mundial de criação de áreas naturais protegidas como resposta aos efeitos destrutivos que nosso modelo de sociedade causa aos meios naturais. Com o passar do tempo, no entanto, uma questão igualmente importante tornou-se foco de disputas e posicionamentos distintos sobre essas áreas: elas podem ou não ter presença humana?

Os preservacionistas defendem que as áreas naturais não devem sofrer interferência humana. O maior expoente dessa corrente foi o naturalista John Muir. Para ele, o natural é algo que prescinde da ação e ocupação humana, por isso deve se manter intocado.

Já os conservacionistas defendem a possibilidade de manejo sustentável dos recursos naturais. Por volta de 1940, o cientista e ecologista Aldo Leopold, propôs um manejo que visasse proteção. Para ele, na conservação a participação humana precisa ser de harmonia e sempre com intuito de proteção.

A inclusão das necessidades sociais tem sido uma constante nos movimentos ambientalistas, que têm incluído alternativas de renda que visam a melhoria da qualidade de vida humana com práticas que enfocam e valorizam a natureza local. Esta abordagem resulta da impossibilidade e da injustiça de se pensar em conservar espécies e ecossistemas ameaçados, quando as condições de humanas são indignas. Com base nesse novo pensar surgiu o termo ‘socioambiental’, onde o social e o ambiental são verdadeiramente tratados de maneira integrada.

Trazendo esses conceitos para nossa realidade, nos confrontamos com a questão de um dos grandes tesouros do Planalto Norte, que são as nossas áreas de caíva ou invernadas. São as áreas onde ocorre a extração da erva-mate nativa e onde se mantem parte dos rebanhos animais em determinados períodos do ano.

O viés preservacionista da lei afirma que os animais são prejudiciais aos remanescentes florestais e que devem ser proibidos. Por outro lado, se olharmos com aspecto conservacionista, podemos verificar que a presença do animal é integrada ao manejo dos ervais nativos, pois ajuda a mantê-los mais abertos, com mais luz e consequentemente melhora sua produção.

Eu acredito na valorização de quem conservou áreas de florestas nativas. Mas, para isso, precisamos implantar na prática, de uma vez por todas, a política de pagamentos por serviços ambientais e gerar tecnologias adaptadas que melhorem o processo produtivo com menos impacto ambiental. E você? O que acha disso?

- Ads -
Logo Facebook Logo WhatsApp Logo nova do Twitter
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?