segunda-feira, 16

de

maio

de

2022

ACESSE NO 

Polícia prende quadrilha que aplicava golpe do cartão em idosos em SC

Últimas Notícias

- Ads -

Um dos integrantes da organização movimentou mais de R$ 2 milhões

Nesta semana, a Polícia Civil de Santa Catarina, através da 5ª Delegacia de Polícia da Capital, identificou uma organização criminosa formada por estelionatários que agia em diversos Estados do Brasil, aplicando o golpe do “motoboy”. Em Santa Catarina, eles agiram principalmente em Florianópolis e Balneário Camboriú.

No golpe, uma das autoras se passa por telefonista de uma instituição financeira e entra em contato com as vítimas, geralmente idosos, informando que seus cartões de crédito haviam sido clonados. Em seguida, outro criminoso se passa por funcionário da instituição bancária e deslocava-se até a residência da vítima para coletar o cartão. A partir daí eram realizadas inúmeras compras em estabelecimentos ou os cartões eram passados em máquinas de cartão dos próprios criminosos.

Somente em dois meses, um dos integrantes da organização movimentou mais de R$ 2 milhões em apenas uma das diversas contas que possuía. Os autores são jovens de classe média e são considerados foragidos.

A investigação iniciou-se em dezembro de 2020, com a prisão em flagrante de um dos coletores de cartão em um edifício de luxo, em Florianópolis. Após meses de diligências, foi possível qualificar os principais membros e representar pelas respectivas prisões preventivas, bloqueio de ativos financeiros e outras medidas cautelares, que foram deferidas pelo Poder Judiciário. Houve o apoio do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da DEIC/PCSC.

GOLPE COMUM NA REGIÃO

A Polícia registrou outras três ocorrências na mesma modalidade de golpe em um intervalo de poucos dias em Canoinhas. Duas foram registradas pela manhã e a outra à tarde. Nas duas primeiras ocorrências, um morador do distrito do Campo d’Água Verde e outro do Alto das Palmeiras, relataram a mesma situação. O golpista entrou em contato com as vítimas, informando uma suposta compra em seus cartões, realizadas em Florianópolis, que o caso estava em análise, e era para realizar uma perícia no cartão, que uma pessoa iria até sua casa apanhar o cartão. Em seguida, os golpistas orientavam as vítimas a ligarem para o número 0800, que fica no verso do cartão. As duas vítimas relataram terem passado o número do cartão e a senha por telefone.

Ainda no mesmo dia, a Polícia Militar recebeu outra ligação. O solicitante relatou que sua mãe havia sido vítima do golpe. Os dois estavam em uma agência bancária e foram orientados a registrarem o boletim de ocorrência diretamente na Delegacia de Polícia Civil.

Houve ainda uma quinta ocorrência, de um agricultor de Canoinhas que perdeu R$ 3 mil no golpe também no mesmo dia. A ocorrência foi registrada na Delegacia de Polícia Civil.



COMO O GOLPE É APLICADO

A vítima recebe uma ligação dos golpistas relatando ser do banco ou da operadora do cartão e é avisada que foram feitas compras irregulares em seu cartão de crédito. Ela é aconselhada a entrar em contato com um 0800, porém, ao ligar para o número a chamada é desviada e volta para a central do grupo criminoso. Neste momento, os golpistas solicitam a digitação da senha e avisam que um funcionário irá até a casa da vítima para recolher o cartão, que estava supostamente fraudado, para perícia.

Depois de ter o cartão e senha em mãos, os criminosos retiram todo o valor disponível na conta bancária. Na tentativa de tentar resolver um falso golpe, no entanto, a vítima acaba caindo em um verdadeiro.

FIQUE ATENTO

A Polícia Militar (PM) de Canoinhas frisa que os estabelecimentos bancários em hipótese alguma enviam agentes para a retirada de cartões e nem solicitam senhas pessoais por telefone. Desconfie de desconhecidos que ligam ou enviam mensagens que solicitem dados pessoais. Neste caso, desligue imediatamente o telefone e ligue no banco ou prestadora de serviços do cartão e se informe, ou faça isso pessoalmente em uma agência.

Em caso de suspeita de golpe, ligue para o telefone 190 da Polícia Militar ou no disque-denúncia da Polícia Civil, através do número 181.