Polícia Militar de Canoinhas recebe 22 câmeras para filmagem de ocorrências

Câmera ficará no peito do policial/PM/Divulgação

Policiais passarão por treinamento para trabalhar com as câmeras

 

 

CÂMERAS NA FARDA

Abaixo-assinado do qual participam policiais militares de todo o Estado pede a não obrigatoriedade do uso de câmeras nos uniformes durante ocorrências. Mais de 2 mil assinaturas já foram coletadas.


 

 

 

Anteontem o comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar de Canoinhas (BPM), tenente coronel Silvano Sasinski, esteve em Lages, onde recebeu 22 câmeras destinadas à corporação de Canoinhas. Segundo ele, começa agora uma fase de treinamentos, mas não há resistência por parte dos policiais lotados no 3º BPM.

 

 

 

O objetivo da Secretaria de Segurança Pública é tornar as operações policiais mais transparentes.

 

 

 

O Judiciário usou recursos das penas pecuniárias — aplicadas como alternativa às condenações que restringem a liberdade — para financiar o projeto.

 

 

 

 

 

 

 

 

EXONERADA A PEDIDO

Morgana Lessak não é mais secretária de Administração de Canoinhas. Ela foi exonerada a pedido para tratar de problemas de saúde. Prefeito Beto Passos ainda não nomeou seu substituto e, por enquanto, ele mesmo está despachando na pasta.

 

 

 

 

 

 

PATRIMÔNIO

 

Mais um patrimônio histórico de Canoinhas foi ao chão. A casa do deputado e historiador Orty Machado, já falecido, tinha sido herdada pela irmã de Orty. Ficava em ponto nobre, na esquina das ruas Vidal Ramos e Eugênio de Souza. Colocada à venda, ela foi desmanchada ontem. 

 

 

 

 

INCENTIVOS

Prefeito Beto Passos (PSD) quebrou o recorde de projetos de lei concedendo benefícios para empresas de Canoinhas por meio de leis. Só ontem seis passaram na Câmara. Gil Baiano (PL) elogiou os incentivos, mas disse temer que a Secretaria de Obras não tenha estrutura para atender todos os empresários.

 

 

 

 

 

“A internet na praça é espetacular, mas e a qualificação das pessoas?”

da vereadora Norma Pereira, em crítica velada ao governo Passos, defendendo a criação do Balcão do Sebrae em Canoinhas para qualificar mão de obra

 

 

 

 

 

CONSELHO

Requerimento da Câmara enviada ao diretor de Turismo de Canoinhas, Eder Chagas, foi aprovado ontem. O requerimento se baseia em reportagem do JMais que mostrou que a cidade ficou de fora do mapa turístico Caminhos do Contestado. A Câmara quer saber o porquê da exclusão. “Isso é muito grave, porque podemos perder a inscrição em programas estaduais e federais”, alertou Norma Pereira (PSDB). A vereadora lembrou que vinha se preocupando com essa situação, apresentou requerimentos ao diretor de Turismo e não obteve nenhuma resposta.

 

 

 



 

 

PARQUINHO

Os vereadores de Três Barras voltaram a cobrar o executivo pelos parquinhos infantis da cidade. Os pedidos vão desde melhorias, fiscalização na infraestrutura, até mesmo a instalação de novos equipamentos em diversos bairros do município.

 

 

 

 

CONFUSÃO

Com um líder de governo como o canoinhense Mauricio Eskudlark (PSD) na Assembleia, Carlos Moisés da Silva (PSL) não precisa de inimigos. Ao invés de defender os interesses do governo, o deputado tem dito pra quem quer ouvir que é contra o aumento de ICMS para vários setores. Até aí tudo bem, está jogando pra torcida. Ontem, em entrevista ao Diário Catarinense, no entanto, disse que “o governo está meio isolado”. Ora, se Moisés está isolado em boa dose isso é culpa de Eskudlark mesmo que, como líder do governo tem a missão de afinar a relação entre Legislativo e Executivo.

 

 

 

 

 

GÊNERO

Na mesma entrevista, Eskudlark disse outra bobagem que nada tem a ver com política. Perguntado pelo reacionário colunista Moacir Pereira sua posição sobre “ideologia de gênero” se disse contra. “Educação de crianças e jovens é missão primordial da família. Respeito todas as opções, mas não é função do Estado adotar ideologia de gênero”, disse.

 

 

 

 

Tanto o colunista quanto o deputado distorcem completamente o que foi proposto por dezenas de especialistas em educação. O termo correto é “identidade de gênero”, o que significa ensinar às crianças que nem sempre um homem na sua essência nasce no corpo de um homem, assim como ocorre com mulheres. Exemplos existem aos montes e nada tem a ver com promiscuidade que fere de morte a tradicional família brasileira. Trata-se de uma situação que causa imenso sofrimento à pessoa que, frise-se, nem sempre se identifica como homossexual. São duas situações bem distintas. O que os estudiosos previam no Plano Estadual de Educação é que a existência dessas pessoas fosse ao menos mencionada e compreendida pelas crianças, a fim de que se alguma delas se sentisse num corpo diferente do gênero com o qual se identifica ao menos se sentisse à vontade para falar sobre isso. 

 

 

 

 

 

Eskudlark e outros deputados fundamentalistas querem anular essas pessoas, colocá-las à margem como se de fato não existissem.

 

 

 

 

 

 

 

REAÇÃO

Falando nisso, 11 entidades ligadas à ciência e aos direitos humanos classifica, em manifesto, a decisão de Carlos Moisés de retirar do currículo base da educação os termos identidade de gênero e diversidade como fundamentalista e distante dos debates qualificados sobre educação.

 

 

 

 

 

 

CASA DE LUXO

Aprovado por unanimidade no plenário durante a sessão ordinária desta terça-feira, 3, o requerimento do deputado Bruno Souza (sem partido) que solicita a devolução ou venda da residência oficial da vice-governadora, Daniela Reinehr. 

 

 

 

 

Na semana passada, a vice-governadora explicou os gastos divulgados em quase R$ 300 mil com a residência oficial, conforme expôs reportagem do jornal Notícias do Dia. Segundo sua assessoria, as instalações destinadas ao trabalho no Centro Administrativo estariam prejudicadas devido a reformas, assim a residência oficial estava sendo utilizada para atividades oficiais e recepção de autoridades. O requerimento aprovado na Assembleia pediu, também, o cronograma dessas obras de reforma e o prazo estimado de conclusão. “Nada mais justo solicitarmos o cronograma de entrega das obras. A previsão de desembolso e quando pode ser vendida. Acabar com este resquício imperial. O Brasil deixou de ser império e durante a república ainda temos manias e rituais de realeza. Temos de nos tornar uma república de fato onde todos são iguais perante a lei”, ressalva o parlamentar.

 

 

 

 

 

 

CONTRADITÓRIO

Carlos Moisés da Silva (PSL) vende as aeronaves do Estado a fim de provar esforço por economia e gasta R$ 300 mil para manter a vice em Florianópolis. Chama a atenção na reportagem do Notícias do Dia a vice ter 14 policiais militares como segurança, recebendo salários de R$ 8 mil mensais. Se Daniela Reinehr passasse roçando na maioria dos catarinenses, dificilmente seria reconhecida.




Deixe seu comentário: