Pilates como reabilitação


Arquivo

O método tem sido um aliado na recuperação de pessoas que sofreram amputação ou PcD

 

 

 

Você sabia que com aparelhos de design diferenciado e exercícios bem diversificados, o método Pilates é uma técnica eficaz para ajudar o corpo em fase de adaptação após amputação ou PcD (pessoa com deficiência)?

 

 

No caso de amputação, flexibilidade, força, postura e sensibilidade do indivíduo sofrem modificações, e o corpo necessita de uma reeducação. Nessa fase, a prática de uma atividade física e de hábitos alimentares que favorecem o fortalecimento dos músculos certos.

 

 

Nesse processo, uma opção muito positiva é a prática do Método Pilates, que promove exercícios globais que trabalham o corpo todo. Estudos recentes indicam que o Pilates é uma ferramenta útil na reabilitação, pois ele tem como objetivo a melhora de força, coordenação e mobilidade. Estes princípios estão presentes durante a reabilitação, por isso o método tem apresentado bons resultados no tratamento de indivíduos que sofreram amputações ou PcD.

 

 

 

 

Atributos do Método Pilates

O Pilates tem como principal foco a respiração, articulação da coluna, organização da cabeça, pescoço e ombros, alinhamento das extremidades e descarga de peso, integração do movimento, alongamento axial e controle de centro.

 

 

 

Boa parte da eficiência se deve às características únicas do método criado por Joseph Pilates, que usa uma série de exercícios, equipamentos e movimentos com a finalidade de melhorar o controle muscular.

 

 

 

Os princípios do Pilates são:

– Concentração;

– Controle;

– Centralização;

– Respiração;

– Fluidez, e

– Precisão.

 

 

Por isso, sua prática não se preza pela velocidade ou quantidade de séries realizadas, mas sim pela qualidade do movimento. O método atua no sentido de alinhar os três pontos da coluna vertebral, occipital, região dorsal media e sacro, respeitando suas curvas fisiológicas, lordoses cervicais e lombares, e cifose torácica.

 

 

 

Somado a isso, há a utilização de abdominais, formando um centro alinhado, forte e equilibrado, que constitui a base para todos os movimentos do corpo humano.

 

 

 

Pilates, um aliado na reabilitação

O Método Pilates tem sido um aliado muito importante na reabilitação, pois seus exercícios são completos e trabalham com pouco impacto. “Eles são realizados de maneira segura, sempre dentro da amplitude permitida”, afirma Ivan França, fisioterapeuta e instrutor de Pilates da MetaLife.

 

 

Na reabilitação são utilizados diversos equipamentos simples, como rolos, bolas, discos de propriocepção, bastão, entre outros, além dos aparelhos específicos do Pilates, como Cadillac, Reformer, Chair, Barrel, entre outros.

 

 

 

Os exercícios Pilates são realizados de acordo com o ritmo de cada indivíduo (e suas condições físicas e de saúde) e a progressão é efetivada de maneira proporcional ao desempenho. Joseph Pilates ao criar o método pensou justamente como forma de reabilitação. “Quando você vai trabalhar com reabilitação tem que querer transformar o mundo dessa pessoa. Por isso, meu trabalho como instrutor de Pilates atua como foco a reabilitar o que fazemos diariamente, como sentar, levantar e empurrar”, assegura Ivan França.

 

 

 

De acordo com França, entre os principais benefícios estão a melhora do equilíbrio, da postura, da força, qualidade da marcha, da propriocepção, da independência e da mobilidade. “São vários benefícios que o Pilates proporciona para a pessoa amputada”.

 

 

 

Ivan já realizou alguns trabalhos com pessoas amputadas. “Amputados abaixo do joelho, acima do joelho e bilaterais. O Pilates não tem nenhuma contraindicação. O importante é a pessoa amputada saber em escolher um bom profissional e estar disposta a estar nesse ambiente de recuperação e querer ter resultados melhores”, comenta o instrutor parceiro da MetaLife Pilates. Na opinião dele, houve uma mudança muito significativa social e de oportunidades, pois “antigamente a pessoa portadora de algum tipo de deficiência ficava em casa, escondido. Hoje não. A pessoa com deficiência vai para a rua, pratica esportes, trabalha, estuda. O Pilates vem para colaborar para que essa pessoa tenha mais qualidade de vida”.

 

 

 

Vida normal

Pessoas que têm algum tipo de amputação conseguem ter uma vida normal, segundo Ivan França. “Elas conseguem praticar exercícios, mas lógico que, dependendo da modalidade esportiva, precisará de algumas adaptações. No caso do Pilates vai depender muito de como é a condição física e diária dessa pessoa. Mas é possível fazer os exercícios igualmente a uma pessoa que não tem nenhum tipo de deficiência”, confirma o instrutor, que complementa: “Um movimento ou outro pode ser que tenha uma dificuldade ou será preciso uma adequação. O Pilates contemporâneo tem muitas adaptações. No meu dia a dia, ao praticar o Pilates consigo utilizar todos os aparelhos”.

 

 

 

 

Exemplo de superação

Evanilson Raul de Souza França, conhecido como Ivan França, é instrutor de Pilates parceiro da MetaLife. O Pilates entrou em sua vida quando estava no final de um processo de reabilitação, em 2009.

 

 

Em 2004, estava Ivan em uma moto e uma pessoa que estava em uma caminhonete bateu nele. O acidente foi tão grave que sofreu uma amputação traumática transtibial, na altura da canela esquerda. Foi irreversível.

 

 

 

Após 34 dias internado em um hospital recebeu do médico a notícia de que teria que viver sem uma das pernas. As palavras daquele médico com certeza não foram nada fáceis de serem ouvidas por Ivan. No entanto, a vontade de vencer fez com que ele se superasse.

 

 

“Eu fiz algumas sessões, não foram muitas. Quando estava para terminar a faculdade eu fiz um curso de formação em Pilates. Eu conheci o método e me apaixonei. Comecei a trabalhar com Pilates a partir de 2011 e a partir daí nunca mais parei”.

 

 

Hoje Ivan é fisioterapeuta, dá aulas de Pilates em Jundiaí (SP), e ministra palestras e workshops em eventos. Um exemplo de superação.





Deixe seu comentário: