Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

quarta-feira, 12

de

junho

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Pais não podem deixar de submeter filhos às vacinas do Programa Nacional de Imunização

Últimas Notícias

As vacinas são aprovadas pelas autoridades sanitárias e sua aplicação é uma exigência legal

- Ads -

Você sabia que é dever dos pais e responsáveis levarem os filhos para receber todas as doses do Calendário Nacional de Vacinação? E que, em caso de recusa injustificada, os responsáveis ficam sujeitos às punições previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)?   

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) reitera esse alerta e, quando a intervenção do Conselho Tutelar não é suficiente para compelir a regularização da imunização da criança, age com medidas extrajudiciais e judiciais, visto que se trata de uma violação ao direito à saúde da criança e de uma afronta aos programas e estratégias de saúde pública.  

A Promotoria de Justiça, a partir de informações do Conselho Tutelar, instaurou uma notícia de fato para apurar a situação. Diante disso, a Promotoria informou a mais de 70 famílias sobre a situação e está apurando se houve descumprimento do Calendário Nacional de Vacinação para a eventual adoção de medidas necessárias.



SAIBA MAIS 

O Supremo Tribunal Federal (STF), em março deste ano, reiterou a tese da constitucionalidade da vacinação obrigatória de crianças ao julgar uma medida cautelar contra diversos decretos municipais catarinenses que dispensavam a exigência de vacina contra a covid-19 para matrícula e rematrícula na rede pública de ensino. 

Conforme a decisão do STF, é dever do Estado proteger a infância e a adolescência, assegurando o direito social à saúde e à educação. Além disso, ressalta que a vacinação obrigatória é matéria já decidida em julgamento com repercussão geral (Tema 1.103) e assevera que o direito assegurado a todos os brasileiros e brasileiras de conviver num ambiente sanitariamente seguro sobrepõe-se a pretensões individuais de não se vacinar.  

O STF acrescenta que, no caso da vacinação contra a covid-19, uma vez incluída no Plano Nacional de Imunização (PNI), o poder público municipal não pode normatizar no sentido de sua não obrigatoriedade, sob pena de desrespeito à distribuição de competências legislativas. 

A partir de tal entendimento, uma vez recomendada pelas autoridades sanitárias, não apenas a imunização contra a covid-19, mas todas as demais incluídas no PNI, sob os mesmos fundamentos, devem ser exigidas pelas autoridades competentes, ainda que contra a vontade dos pais ou responsáveis, considerando o dever de proteção da criança e do adolescente pela sociedade e pelo Estado, previsto no art. 227 da Constituição.   

Ressalta o Ministério Público, ainda, que, muito embora a exigência de apresentação do Calendário de Vacinação em nenhuma hipótese deve obstar o ato da matrícula escolar, os pais ou autoridades competentes devem ser comunicados em caso de descumprimento do dever de proteção por meio da vacinação.   

A Lei Estadual n. 14.949/2009, inclusive, atribui prazo de 30 dias para a apresentação ou regularização do Calendário de Vacinação do aluno, devendo a escola comunicar ao Conselho Tutelar a omissão ilegal ou injustificada dos pais, ou responsáveis.   

Os pais poderão ser multados, além de outras responsabilizações possíveis, se a criança não foi vacinada nos casos exigidos, por não se evidenciar apenas a liberdade individual dos envolvidos, mas o próprio interesse da coletividade, materializado na impostergável necessidade de se tutelar a saúde pública e individual das crianças.

Fonte: MPSC

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?