quarta-feira, 6

de

julho

de

2022

ACESSE NO 

Outubro Rosa: Saiba como ajudar a Rede Feminina de Combate ao Câncer

Imagem:Biluka

Últimas Notícias

- Ads -

A Rede realiza a campanha do PIX Solidário. Faça sua doação pelo cnpj: 83.786.400/0001-00

Na sessão da Câmara de Vereadores de Canoinhas desta segunda-feira, 6, Ana Wunderlich, presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Canoinhas divulgou atuações da instituição e ações do Outubro Rosa, mês dedicado à consciência da prevenção e do tratamento do câncer de mama.

A Rede Estadual Feminina de Combate ao Câncer foi fundada em 6 de maio de 1961, em Florianópolis, pela senhora Iná Tavares. Iná foi quem auxiliou a senhora Haydeé Carvalho de Oliveira (em memória) na fundação da Rede Feminina em Canoinhas. Ela veio até Canoinhas e junto com as amigas e dona Haydee fundou a instituição no município em 31 de maio de 1984. Já são 37 anos de atuação em Canoinhas e em toda a região.

A Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC) tem como missão, proporcionar atendimento humanizado nos serviços ofertados, contribuindo para prevenção do câncer e a melhoria da qualidade de vida dos pacientes. “A nossa missão é ser entidade de referência no município na prevenção do câncer, em especial do câncer de mama e do câncer de colo de útero”, disse Ana.

Segundo Ana, a Rede Feminina tem buscado durante esses 37 anos cumprir o seu papel da melhor maneira. “Isso é realizado através do nosso corpo técnico que hoje é pago. Temos uma ginecologista, uma fisioterapeuta, uma enfermeira, uma secretária e uma pessoa que cuida da organização do local, mas fundamentalmente pelas 48 voluntárias que prestam serviço sem nenhum ônus para instituição”, conta.

Para ela, a corresponsabilidade do grupo de voluntárias é que faz com que a Rede chegue diante da comunidade e possa fazer solicitações. Hoje, a instituição conta com o apoio de vários setores da comunidade. Entre elas, a WestRock, que fornece anualmente material e insumos para serem usados na clínica; conta com o apoio da Universidade do Contestado (UnC) que auxilia na área de Psicologia, da Escola Técnica Dama, das rádios UnC, 98 e 106,7, Portal JMais, da Havan, Prefeitura de Canoinhas, Hospital Santa Cruz, o Centro de Diagnóstico (CIC), entre outros.

Quanto à resposta à comunidade, a RFCC participa hoje do Conselho da Comunidade do Fórum, faz parte do Conselho do Idoso, pleiteia a participação no Conselho de Saúde, procure fazer parte do Conselho da Mulher, de Assistência Social, ou seja, de todos os movimentos que convertem para o trabalho com a mulher, com a jovem e com a família.

A maioria da população já conhece o trabalho da Rede através da clínica, onde é feito o exame preventivo. “Com a pandemia, criamos um sistema de agendamento, com hora marcada para evitar aglomeração. Ao fazer o preventivo, é feito também o toque de mama. Se houver necessidade, nós já encaminhamos a paciente para fazer o exame de mama e o SUS acolhe essa mulher”, explicou.

ACOLHIMENTO
A Rede Feminina está iniciando o projeto Paliativista, que segundo Ana ainda é embrionário, porém, já conta com algumas parcerias. Ele nasce com a intenção de acolher a mulher que passou por uma mastectomia ou que passou por um processo de cirurgia mais grave de colo de útero. A ideia é acolher essa paciente com terapia e fisioterapia. Para isso, as voluntárias e o corpo técnico da instituição estão passando por um treinamento para falar, para saber como lidar com a paciente e com a família. “A gente acredita que é função da Rede também atuar nesse setor”, afirmou a presidente.

De acordo com a lei aprovada neste ano, quem é diagnosticado com algum tipo de sintoma, têm 60 dias para iniciar o tratamento. No entanto, Ana explicou que há uma série de fatores contrários. “Uma é que não tem lugar, tem que mandar para fora, não tem como fazer. Na nossa cidade não temos um centro de referência, nosso centro de referência é Porto União. Mas a lei está dizendo que essa pessoa tem que ser levada para tratamento”, pontuou Ana.

Outro ponto levantado pela presidente foi a questão educacional, de que muitas mulheres e também homens demoram para começar a fazer o preventivo. “A gente deixa para muito tarde para começar a se cuidar, para começar a se olhar, para fazer o toque de mama”, alertou.

MUTIRÃO
Durante o Outubro Rosa, a RFCC está fazendo um mutirão. O atendimento é das 13h às 16h30, só para as mulheres que agendam. Entretanto, Ana solicitou para que as mulheres que fazem o agendamento não deixem de comparecer. O agendamento pode ser feito através do telefone 3622-2310.

Além do mutirão, a Rede realiza a campanha do PIX Solidário.

Outra forma de ajudar a instituição é contribuindo com o troco solidário no supermercado Via Atacadista ou participando do pedágio solidário que irá acontecer no sábado, 16 de outubro.