Os impactos da covid-19 na campanha de Beto Passos


Beto Passos e Renato Pike/Divulgação

Prefeito terá de ficar em quarentena nos próximos dias, cruciais para a campanha

 

 

 

IMPACTOS

Ivan Krauss (PRTB) fez uma carreata dando a largada para sua campanha já no primeiro dia possível. Norma Pereira (PSDB), uma semana depois, inovou com um comício drive-in coroado com um céu colorido de balões biodegradáveis. A grande pergunta que fica na cabeça do eleitor: o que Beto Passos (PSD) fará para superar os adversários no lançamento de campanha?

 

 

 

 

Ideias até existem, mas a grande preocupação da equipe de campanha no momento é quando poderá expor Passos em público novamente. Diagnosticado com covid-19 nesta segunda-feira, 5, conforme protocolo do Ministério da Saúde, Passos tem de ficar 14 dias em total isolamento. São 14 dias cruciais para a campanha.

 

 

 

 

É o momento de fazer visitas, se aproximar do eleitorado mais distante e ouvir demandas dos diferentes setores da sociedade. Isso pode ser feito virtualmente, mas na contramão do que recomendam as autoridades de saúde o eleitorado ainda privilegia a conversa cara a cara, mesmo que a distância e com máscara. O eleitor do interior, decisivo na eleição de Passos em 2016, tem este perfil bem definido.

 

 

 

 

 

Com a possibilidade de retomar sua campanha presencial em 19 de outubro, a grande pergunta é se Passos conseguirá recuperar o tempo perdido.

 

 

 

 

Há uma questão mais premente ainda sobre a campanha de Passos. O deputado estadual Mauricio Eskudlark (PSD) deve se afastar do cargo por 60 dias. O vice-prefeito candidato a reeleição Renato Pike (PL) é seu suplente e está bastante animado para assumir a vaga. Ele avalia que isso não prejudica a campanha, mesmo com Passos impossibilitado de sair de casa. Pike acredita que poderá seguir na campanha, dedicando os tradicionais três dias de sessões ordinárias na Assembleia à Capital. Questionado se o eleitor não veria sua ascensão à Alesc como uma forma de relegar a campanha para segundo plano, Pike analisa de outra maneira: “Posso ser visto como aquele que teve oportunidade de representar Canoinhas na Assembleia e recusou”. Para ele, é perfeitamente possível conciliar a campanha com a nova função em Florianópolis.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NÃO É BRINCADEIRA

Isolado, Passos gravou vídeo ontem divulgado em suas redes sociais. Abatido, ele demonstrou preocupação com a doença. “Essa doença não é brincadeira. Ela judia e maltrata. Quem já passou por isso sabe do que estou falando”, afirmou agradecendo as mensagens de apoio recebidas. Pediu, ainda, que todos que defendem sua candidatura que se cuidem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PLANO DE GOVERNO

Norma Pereira (PSDB) postou seu plano de governo nas suas redes sociais. Assim como todos os candidatos a prefeito ela protocolou o plano junto à Justiça Eleitoral. “Eu sempre conto aqui para vocês que tenho uma equipe extremamente competente, temos muitas lideranças políticas trabalhando conosco, pessoas das mais variadas áreas e nós, estamos trabalhando incansavelmente há um bom tempo para apresentar para você eleitor, as melhores propostas”, escreveu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INTERIOR

Ivan Krauss (PRTB) postou vídeo agradecendo o eleitorado do interior. “Muito obrigado a todos pelo carinho que estão nos recebendo, na cidade e no interior, apoio está cada dia maior! Todos nos dizendo que querem a renovação, que tem esperança na mudança. A onda 28 está crescendo. Obrigado!”, escreveu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

R$ 538 milhões

em renúncia fiscal é quanto as emissoras de rádio e TV ganharão com a propaganda político partidária

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRADO E PRADO

Vereador Célio Galeski/Arquivo

Vereador Célio Galeski (PSL) criticou a atitude da empresa Prado e Prado durante a sessão desta segunda, 5, da Câmara de Canoinhas. “Não tenho nada contra a empresa, mas tenho tudo a favor da população de Canoinhas”. Segundo ele, o Município notificou na semana passada a empresa que é responsável pelo asfaltamento de pelo menos 12 trechos de ruas da cidade que estão sendo feitos simultaneamente, mas que não estão acontecendo como deveriam. “Não consigo entender como uma empresa ganha uma obra e não faz. Se falta algo, acredito que se a empresa participa de uma licitação deveria ter (os requisitos). Não temos compromisso com o que deveria acontecer e não acontece”. Ele elogiou a atitude do Município de notificar a empresa e frisou que se a Prado e Prado não reagir, que se contrate a segunda colocada no processo licitatório.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAL NA FOTO

A administração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é considerada ruim ou péssima por 47% dos eleitores de Florianópolis, enquanto 44% desaprovam o governo estadual de Carlos Moisés (PSL). Os números são da pesquisa do Ibope encomendada pela NSC Comunicação para mostrar o cenário eleitoral da Capital catarinense.





Deixe seu comentário: