“O PSL de Canoinhas terá candidato a majoritária”, diz Galeski


Vereador Célio Galeski/Arquivo

Vereador afirmou que não há compromisso nenhum com o prefeito Beto Passos

 

 

 

CANDIDATO

Vereador Célio Galeski, presidente do PSL canoinhense, disse ontem na sessão da Câmara de Vereadores que o partido do governador Moisés vai ter candidatura na majoritária em Canoinhas. Disse, ainda, que é pré-candidato a prefeito.

 

 

Sobre sua relação com o prefeito Beto Passos (PSD), disse que embora tenha um bom relacionamento com ele, isso em nada mudará a decisão do partido. “Todos sabem que com relação à presidência (da Câmara) trabalhamos muito juntos fazendo com que a população de Canoinhas ganhasse com isso. Arrisco a dizer que tenho um relacionamento melhor com o prefeito do que com o vice-prefeito. Isso não quer dizer que eu não possa ser candidato. Tenho conversado com o PSL do Estado e eles têm nos dito que Canoinhas é prioridade. O vice-prefeito falou que eu devo satisfações ao prefeito Beto Passos, nada disso, eu pretendo participar da majoritária e já estamos conversando com outros partidos sobre isso”.

 

 

A fala de Galeski é estratégica e segue um enredo surrado de partidos periféricos. O vereador apostou alto ao assumir o PSL em Canoinhas depois que a ala bolsonarista pulou do barco junto com o presidente.

 

 

 

O cálculo foi correto naquele momento, quando Galeski viu em um governador que vinha perdendo aliados, uma oportunidade de aproximação que poderia trazer bons frutos. Veio a pandemia e com ela o escândalo dos respiradores, que hoje tornaram o governador Carlos Moisés altamente tóxico.

 

 

 

Estrategista, Galeski sabe que fez uma má aposta e tenta, agora, faturar com a própria imagem, lançando uma pré-candidatura. É um aceno claro para Passos, que já entendeu, mas tende a deixar essa caravana passar sem mexer um músculo. O prefeito tende a ser pragmático e repetir a dobradinha com o PL.

 

 

 

 

 

 

PIKE OU ERZINGER

A dúvida na repetição da coligação PSD/PL se dá quanto ao vice. Renato Pike e Cel Mario Erzinger estão no páreo. A tendência é que se faça (se é que já não fizeram) uma pesquisa para apontar o nome mais forte. Erzinger parece ter ganhado maior público nestes últimos quatro anos, mas se alguém for agora para as ruas perguntar sobre o que a população pensa do seu nome, há de detectar a rejeição que ele atraiu para si ao dizer que sairá de balaclava nas ruas se Canoinhas tiver manifestações antigoverno.

 

 

 

 

A propósito, Erzinger agradeceu a manifestação do tenente coronel Silvano Sasinski e do presidente da Câmara, Paulo Basilio, à coluna, sobre sua fala. Esqueceu propositalmente ou não de comentar a manifestação do prefeito. Passos disse que “não há hipótese alguma de Canoinhas ter luta armada.”

 

 

 

 

 

 

“O preço do pecado é a morte”

do vereador Célio Galeski sobre o governador. Galeski ressaltou os feitos de Moisés na Saúde, antes de afirmar que se ele fez algo errado terá de pagar

 

 

 

 

 

 

 

ERA SÓ UM JANTAR

O Governo do Estado emitiu nota nesta segunda-feira, 8, afirmando que o governador Carlos Moisés (PSL) estava hospedado em um hotel de Gaspar no fim de semana e, por acaso, se viu em meio a festança junina.

 

 

 

 

 

DE BOA

Vereador Paulo Glinski (PSD) provocou o colega Célio Galeski logo depois de o peeselista defender o governador Moisés. “Ele está tranquilo, pois estava até em uma festa no fim de semana”, disse Glinski.

 

 

 

“O governador deve ter parado para descansar, tirou a máscara só um pouquinho, ou tá seguindo o Bolsonaro (que seguidas vezes é flagrado sem máscara), eram do mesmo partido”, retrucou Galeski.

 

 

 

 

 

 

 

NASCEU

O vereador Paulinho Basilio (MDB), presidente da Câmara de Canoinhas, não presidiu a sessão de ontem por um motivo muito nobre. Ele se tornou papai pela primeira vez.

 

 

 

 

 

 

 

PORTA DE ENTRADA

Três Barras também vai pagar bônus para os funcionários que trabalham no Pronto Atendimento e que estão atendendo casos suspeitos de covid-19. Lei foi sancionada na semana passada pelo prefeito Luis Shimoguiri (PSD). O projeto libera, ainda, materiais e equipamentos permanentes para serem utilizados nos leitos clínicos de covid-19 e na sala de urgência e emergência.

 

 

 

É bom lembrar que pacientes com covid-19 das quatro cidades da comarca – Canoinhas, Bela Vista do Toldo, Major Vieira e Três Barras – são tratados no Hospital Santa Cruz de Canoinhas(HSCC).

 

 

 

 

 

 

 

 

DESPESAS

Ser referência em atendimento a pacientes com covid-19 tem se mostrado um tormento para o HSCC. Isso porque o hospital não tem recebido as pacientes da maternidade, por exemplo, que representavam muito financeiramente ao hospital. Estas pacientes estão sendo direcionadas ao Félix da Costa Gomes, de Três Barras. A média de nascimentos registrados no HSCC era de 30 mensais. Há mais de dois meses não nascem crianças na HSCC.

 

 

 

A ala covid tem apenas dois pacientes internados no momento.

 

 

 

 

 

 

DISCURSO MUSICAL

Vereador de Três Barras, Bano Mendes, usou o Facebook para mostrar que o mundo não precisa de mais um cantor. Ele fez uma interpretação visceral de uma versão de uma música de Zezé do Camargo e Luciano dizendo que “Três Barras pode mais”. Além de mutilar a música, não cantou qual sua contribuição em seus dois mandatos como vereador para melhorar a cidade.

 

 

 

 

 

 

 

REVÉS

Se estivesse em 1968, Jair Bolsonaro, talvez, obtivesse sucesso em empastelar os dados sobre o coronavírus no país. Com a imprensa plenamente livre ele poderia prever o que de fato aconteceu. Um consórcio formado pelos principais veículos de imprensa do País está compilando os dados que não são exclusivos do Ministério da Saúde. Pelo contrário. Os dados são computados pelas Secretarias de Saúde dos Municípios, que repassam para os Estados que, por sua vez, repassam tudo para o Ministério, que tem o único trabalho de somar.

 





Deixe seu comentário: