Canoinhas: Mulher cai no golpe do bilhete premiado e perde R$ 10 mil


Ela foi envolvida pelos golpistas que usaram o nome de um empresário da cidade

 

 

Uma mulher perdeu R$ 10 mil na tarde desta quarta-feira, 8, no centro de Canoinhas, vítima do famoso golpe do bilhete premiado. Segundo a reportagem apurou, o golpista envolveu o nome de uma pessoa conhecida na cidade, proprietário de uma loja.

 

 

 

O golpista ofereceu o falso bilhete premiado à mulher usando o nome do empresário para dar credibilidade ao golpe. O empresário disse não saber nada a respeito.

 

 

 

Além do dinheiro – R$ 4 mil que a vítima sacou e R$ 6 mil que ela emprestou do banco – o bandido levou queijos que trazia do interior, onde mora, para vender no centro, os cartões de crédito e o aparelho celular dela.

 

 

 

O golpe do bilhete premiado se dá da seguinte forma: Invariavelmente, o golpista diz que por algum motivo não pode retirar o prêmio e que se a pessoa lhe entregar o dinheiro que tem, ele entrega o bilhete para a vítima. Ludibriada, a pessoa entrega o que tem na esperança de que o bilhete seja de fato premiado. Descobre que caiu no golpe quando tenta sacar o prêmio na agência da Caixa Econômica.

 

 

 

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso.

 

 

 

 

MANJADO

O golpe do bilhete premiado é um dos mais antigos no país, e tem diferentes formas de ser aplicado. No geral, todos seguem uma mesma linha de raciocínio: as vítimas, normalmente idosas, são abordadas na rua por pessoas aparentemente muito humildes e sem instrução. Mas não se engane, os golpistas usam desse disfarce para conquistar a empatia das vítimas. Logo após a abordagem, o bandido conta que tem em mãos um bilhete premiado. O valor é sempre alto e ele logo sugere que a vítima fique com bolada em troca de um valor menor em dinheiro, ou ainda, de um bem material, pois supostamente, precisaria levantar qualquer valor urgentemente.

 

 

 

Em algumas versões do golpe, os bandidos dizem que por motivos religiosos, não podem ficar com todo o dinheiro, ou pedem para que a vítima seja sua testemunha na hora de sacar o prêmio. Nesse caso, sugere para que a pessoa lhe dê um valor para mostrar boa fé. Há ainda, casos em que os estelionatários fingem não poder retirar o prêmio por não terem documentos, oferecendo parte do prêmio para que a vítima saque em seu lugar. Porém, esta deve lhe dar uma garantia de que não irá roubá-lo, e dessa forma, muitos são enganados.





Deixe seu comentário: