Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

domingo, 14

de

julho

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Mudanças climáticas: lucro para alguns e prejuízo para muitos

Últimas Notícias

Crise é prejudicial em especial para os agricultores

- Ads -

Há duas semanas participei do Encontro Nacional sobre Milho e Sorgo e a palestra de abertura foi realizada pelo pesquisador Emerson Limberger da Corteva Agriscience sobre “Adoção de novas tecnologias no combate a estresses potencializados pelo aquecimento global”. Para quem não lembra, a Corteva é hoje uma das gigantes do agro mundial, fundada a partir das fusões da Dow, DuPont e Pioneer.

Pois bem, a Corteva, assim como todas as grandes empresas do agronegócio, ao contrário de muitos brasileiros, está levando muito a sério a questão do aquecimento global. A confirmação se dá pela quantidade de pesquisas e desenvolvimento relacionados a novos produtos que se adaptem às mudanças ambientais que estão ocorrendo em função do aumento real da temperatura no planeta.

Sem dúvida, é importante saber que elas vêm trabalhando sério no desenvolvimento de novos produtos, pois talvez, sem eles será difícil produzirmos alimentos em um futuro não muito distante. Mas, é importante lembrar que, para as multinacionais o aquecimento é visto como um grande negócio, e que a geração de cultivares melhorados adaptados à secas, pragas e doenças, vai contribuir para a geração de bilhões de dólares em lucros.

E sabe o que isso significa para nossa agropecuária? Custos de produção cada vez maiores. E quais as alternativas? Acima de tudo é preciso que todos assumamos que o aquecimento global é real. Não há mais como negar, em função da imensa quantidade de dados, pesquisas e infelizmente, de confirmação das previsões até então.

Quando assumirmos que ele é real, começaremos a agir sabendo que ainda é possível evitar o pior. No meio rural isso significa trabalhar proporcionado maior proteção ao solo, com ênfase no plantio direto; proteção da água, com uso eficiente da irrigação, conservação de nascentes e cursos d’água; uso eficiente de maquinários e sistemas de produção mais sustentáveis, como adubação na cobertura do inverno, sistemas integrados de produção, sistemas silvipastoris; SPDH entre tantos outros.

Assim como as multinacionais, mas com foco diferente, as empresas públicas de pesquisa agropecuária como a Epagri, Embrapa, IDR e tantas outras, também vem desenvolvendo estratégias de mitigação aos efeitos das mudanças climáticas na agricultura. Essas pesquisas são fundamentais para dar suporte às políticas públicas de apoio à Agricultura e para a geração de tecnologias adaptadas às diferentes realidades do nosso Estado e do país.

Como cidadão(ã) e como produtor(a) rural vamos juntos fazer a nossa parte e lembrar que essa terra não é nossa, é apenas emprestado de nossos filhos e netos. Pense no que cada um quer deixar para eles.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?