segunda-feira, 27

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Mão experiente de Carlos Saldanha deixa Cidade Invisível palatável

Últimas Notícias

- Ads -

Série brasileira acerta ao trabalhar bem personagens do folclore nacional

 

 

 

FOLCLORE NACIONAL

Poderia ser uma baita bobagem: um roteiro protagonizado por personagens do folclore nacional como a Cuca, o Curupira, o Saci Pererê e o Boto Cor-de-Rosa. Nas mãos da pessoa errada poderia ser desastroso. Com o argumento em mãos, a Netflix decidiu chamar um dos brasileiros mais bem-sucedidos lá fora. Carlos Saldanha é o criador dos megassucessos Rio e A Era do Gelo.

 

 

 

Saldanha se dedicou, como de costume, e isso é perceptível na série. Como transformar Alessandra Negrini em uma Cuca convincente sem cair no humor involuntário? Simplesmente sem usar efeitos ou subterfúgios mirabolantes. O talento de Alessandra dá conta do resto.

 

 

 

Marco Pigossi, que estreou mal na Netflix com a esquecível  Tidelands, tem aqui sua chance de sucesso internacional (a série está sendo curtida no Brasil e lá fora). Ele interpreta um policial ambiental traumatizado pela morte da esposa e que entra em um turbilhão de fatos extraordinários ao encontrar um boto cor-de-rosa morto em uma praia do Rio de Janeiro. Ao investigar o caso, dá de cara com outros personagens do folclore nacional e, aos poucos, vai entendendo que o que ocorre com eles tem ligação com a morte de sua esposa.

 

 

 

A trama é simples, previsível, mas ganha destaque por colocar em evidência personagens que pareciam confinados a viver apenas nos livros e no imaginários dos trintões. Saldanha deu um presente a quem costumava dormir com a cantiga da Cuca. É uma visão bem particular do nosso folclore, mas válida, afinal, antes de Saldanha qual foi a última figura pública a valorizar nossas lendas tupiniquins?

 

 

 

A segunda temporada já está sendo negociada.