sexta-feira, 24

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Febre amarela: aumenta número de macacos mortos em Santa Catarina

Últimas Notícias

- Ads -

Saúde reafirma importância da vacinação

 

 

 

Santa Catarina já contabiliza a morte de 64 macacos por conta da febre amarela. As últimas epizootias (morte ou adoecimento de macaco) foram confirmadas nesta quinta-feira, 11, em Lages (4), São José do Cerrito (3) e Rio Fortura (1).

 

 

 

Além disso, SC tem dois casos humanos confirmados em 2021. O primeiro, registrado em janeiro, foi de uma moradora de Taió, região do Alto Vale do Itajaí, de 40 anos. O segundo foi confirmado em março, sendo de um homem, de 62 anos, morador de Águas Mornas, na Grande Florianópolis. Ambos não tinham registro de vacina.

 

 

 

Para acessar os números atualizados da doença, clique aqui.

 

 

 

Para Arieli Fialho, gerente de imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC), o cenário da doença reforça a importância da vacinação. “A febre amarela é uma doença grave e que pode levar à morte se não for diagnosticada e tratada rapidamente. A vacina é a melhor maneira de prevenir a doença. A dose é gratuita e está disponível nos postos de saúde”, alerta.

 

 

 

A cobertura vacinal de SC para a febre amarela é de 76%, no entanto, é heterogênea, ou seja, algumas regiões do estado apresentam índices abaixo. “Especialmente nos locais onde temos o registro das novas epizootias, é necessário que a população esteja vacinada. Na Grande Florianópolis e na Serra temos as coberturas mais baixas”, destaca João Augusto Brancher Fuck, diretor da Dive/SC.

 

 

 

Todos os moradores de Santa Catarina com mais de nove meses devem receber a dose. Quem não tem certeza se já tomou a vacina, deve procurar uma unidade de saúde para conferir a caderneta de vacinação.

 

 

 

FEBRE AMARELA 

A febre amarela é uma doença grave transmitida por mosquitos de mata (Haemagogus e Sabethes). Os macacos, por viverem no mesmo ambiente que esses animais, são as primeiras vítimas da doença. “Por isso, é tão importante que a população comunique aos órgãos de saúde assim que encontrar um macaco morto ou doente. Eles sinalizam a região por onde o vírus está circulando”, explica Renata Gatti, bióloga coordenadora do programa de Vigilância da Febre Amarela no estado de Santa Catarina.

 

 

 

Os principais sintomas da doença são: início abrupto de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas e no corpo, náuseas e vômitos, fraqueza e cansaço, dor abdominal e icterícia (pele amarelada). Ao apresentar algum sinal ou sintoma, é importante procurar atendimento médico.