quinta-feira, 23

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Farmácia no centro é assaltada e furtada três vezes no final de semana

Últimas Notícias

- Ads -

Um homem de 35 anos foi preso pela PM

 

 

 

Um homem com 35 anos de idade foi preso por policiais militares na tarde deste domingo, 14, na rua Vidal Ramos, centro de Canoinhas, por roubo e furto em uma farmácia.

 

 

Na noite de sábado, 13, o suspeito entrou no local e solicitou a doação de um produto. Com a negativa do funcionário ele anunciou o roubo e levou o produto.

 

 

 

Na manhã de domingo, 14, policiais em rondas pela área central, próximo a antiga empresa Procopiak, na rua Vidal Ramos, visualizaram o suspeito e o abordaram. As características e vestes seriam as mesmas do autor do roubo. Após averiguação, revista pessoal, levantamento fotográfico do suspeito e identificação, ele foi liberado, pois já não era mais considerado flagrante.

 

 

 

Ainda no domingo, por volta das 13 horas, ocorreu um novo assalto no local. Um homem chegou na farmácia, anunciou o assalto, demonstrou ter uma arma ou algo embaixo da blusa, e levou a quantia de R$ 1 mil.

 

 

 

Cerca de uma hora depois, um policial que se encontrava no interior do estabelecimento, juntamente com um funcionário, verificaram as imagens do roubo da noite passada e viram se tratar do mesmo suspeito que já havia furtado outro produto, na mesma noite.

 

 

 

Em rápida ação policial, o acusado foi detido e conduzido para a Delegacia de Polícia Civil.

 

 

 

Em entrevista ao jornalista Joselito Beluk, no programa Repórter 98, da rádio 98 FM, o delegado Darci Nadal Junior, falou sobre o caso. “Ele ficou preso. Não sei qual foi a manifestação do Poder Judiciário na análise do auto de prisão em flagrante, mas ele ficou preso. Ele cometeu o furto pelo qual ele foi preso no dia 14 por volta das 13h. Contudo no sábado, 13, à noite, na mesma farmácia, o mesmo indivíduo cometeu um roubo. Não foi furto, foi roubo, pois ele fez a menção para o funcionário de estar armado. A situação do roubo vai ter que ser instaurado inquérito policial uma vez que quando ele foi preso já não tinha mais estado flagrancial do artigo 302”, explicou o delegado.