sábado, 25

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Fachin anula condenações de Lula, que pode ser candidato, novo auxílio e Harry e Meghan em destaque nesta terça-feira

Últimas Notícias

- Ads -

9 de março de 2021

 

 

O Globo

Fachin anula condenações, e Lula se torna elegível em 2022

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a anulação de todas as decisões tomadas pela 13ª Vara Federal de Curitiba, que conduz a Lava-Jato, em quatro processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Como consequência, ficam anuladas todas as condenações proferidas contra o petista, que retomará seus direitos políticos. Fachin determinou que os processos sejam reiniciados, da estaca zero, na Justiça Federal do Distrito Federal.

 

 

 

 

 

 

  • Bolsonaro critica ‘decisão monocrática’
  • Líderes do PT creem que ex-presidente concorrerá
  • Gilmar pode submeter à 2ª turma suspeição de Moro
  • Fiocruz corrige falha e começa a produzir
  • Falta de profissionais é causa de metade dos leitos de UTI fechados
  • Bolsonaro defende fatiar PEC para blindar policiais de ajuste
  • Guedes confirma valor do novo auxílio de R$ 175 a R$ 375
  • Harry e Meghan – Um bombardeio sobre o Palácio de Buckingham

 

 

 

 

 

 

 

 

O Estado de S. Paulo

Fachin anula condenações de Lula, que pode voltar a disputar eleições

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, decidiu, sem avaliar a culpabilidade, anular todas as condenações impostas pela operação ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que torna o petista novamente habilitado para disputar a eleição de 2022. Na decisão, Fachin determina o envio dos processos contra o ex-presidente à Justiça Federal do Distrito Federal, a quem caberá analisar as provas colhidas nos casos do triplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e das ações sobre a sede do Instituto Lula e doações recebidas pela entidade. Fachin concluiu que a Justiça Federal de Curitiba não tinha competência para cuidar das ações contra o petista porque esses processos não dizem respeito diretamente ao bilionário esquema de corrupção na Petrobrás. A liminar não se debruçou, portanto, sobre o mérito das acusações que levaram o ex-presidente a condenações por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A Procuradoria-geral da República (PGR) informou que vai recorrer da decisão do ministro. Conforme apurou o Estadão, a medida é uma tentativa de reduzir danos diante da iminência de novas derrotas da Lava Jato no STF. A reviravolta nos casos de Lula provocou turbulência no mercado financeiro, uma vez que o ex-presidente é o nome mais forte, até agora, para enfrentar Jair Bolsonaro em 2022.

 

 

 

 

 

  • Governo acelera cronograma de doses da Pfizer
  • Bolsonaro critica decisão de ministro; PT reage com cautela
  • Parte do comércio abre, apesar de restrições
  • Municípios e Estados ignoram lei e dão reajustes
  • Abertura de escolas gera ‘guerra’ entre pais
  • Planalto indica 6 nomes para a Petrobrás
  • Líder paraguaio tenta evitar impeachament
  • Acusação de racismo pressiona realeza britânica

 

 

 

 

 

 

 

 

Folha de S. Paulo

Fachin anula condenações de Lula, que pode ser candidato

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta segunda-feira (8) a anulação de todas as condenações proferidas contra o ex-presidente Lula pela 13ª Vara Federal da Justiça Federal de Curitiba, responsável pela Lava Jato.

Lula, 75, tinha sido condenado em duas ações penais, por corrupção e lavagem de dinheiro, nos casos do tríplex de Guarujá (SP) e do sítio de Atibaia (SP).

O ministro do STF entendeu que as decisões não poderiam ter sido tomadas pela vara responsável pela operação e determinou que os casos sejam reiniciados pela Justiça Federal do Distrito Federal.

Assim, as condenações que retiravam os direitos políticos de Lula não têm mais efeito e ele pode se candidatar nas próximas eleições, em 2022. Lula estava enquadrado na Lei da Ficha Limpa, já que ambas as condenações pela Lava Jato haviam sido confirmadas em segunda instância.

A PGR (Procuradoria-Geral da República) já decidiu recorrer contra o habeas corpus de Fachin. A informação foi confirmada por assessores do procurador-geral Augusto Aras.

 

 

 

 

  • Para líderes do centro, ex-presidente enfraquece iniciativa de frente ampla
  • Assessores veem presidente beneficiado; PT celebra, mas com desconfiança
  • Bolsa cai 3,98% após temores do mercado com Lula e um Bolsonaro mais populista
  • Governo fala em 14 mi de doses da Pfizer no 1º semestre
  • Em um mês, escolas de SP têm 21 mortes e 4.084 casos
  • Última semana teve mais óbitos que 72 dias iniciais
  • Docentes de particulares da capital marcam greve
  • Vacina em idoso de 75 a 76 anos começa dia 15 em São Paulo
  • Sob protestos, Paraguai vê cifras baixas de Covid
  • Cor do meu filho era tema para realeza, diz Meghan