sexta-feira, 1

de

julho

de

2022

ACESSE NO 

Enquete mostra que eleitor não perdoa aliados políticos de Passos

Últimas Notícias

- Ads -

Participantes mostram tolerância zero com quem defendeu o governo que desmoronou com prisões

SINTOMAS

COLUNA DE DOMINGO A enquete feita com 660 leitores do JMais por meio das nossas listas de transmissão do WhatsApp mostra que os aliados políticos de Beto Passos (PSD) e Renato Pike (PL) terão muito trabalho para convencer o eleitorado de que de nada sabiam, muito menos tinham qualquer envolvimento com as suspeitas que levaram os dois pra cadeia há um mês.

Com uma carreira profissional ilibada e três mandatos como vereador, representante do maior distrito de Canoinhas, Vilmar Sudoski (PSD) aparece como campeão de rejeição. Defensor de primeira hora de Passos na Câmara de Vereadores, Willian Godoy (PSD), hoje prefeito em exercício e pré-candidato às eventuais eleições extemporâneas, vem logo em seguida em taxa de rejeição.

Interessante que Paulinho Basílio (MDB) e Beto Faria (MDB) vem em seguida. Logo que ocorreram as prisões de Beto e Pike, os pés-vermelhos comemoraram certos de que chegou a hora de voltar para a prefeitura. Não será tão fácil. Primeiro que os oposicionistas da atual legislatura ganharam uma projeção que talvez somente Beto Passos experimentou como vereador quando fez marcação cerrada no governo de Leoberto Weinert e se projetou como candidato bem-sucedido a prefeito.

O MDB tem duas vereadoras na oposição, ok, mas conforme a enquete mostra é de Juliana Maciel (PSDB) que o eleitorado mais gosta. O grande problema de Juliana é ser do PSDB, partido que, para os emedebistas, os levou a derrota na eleição passada considerando que Basilio era candidato a vice de Norma Pereira, hoje no PSB. O MDB já sabe, contudo, que não vai levar essa com chapa pura.

A enquete mostra a vereadora Zenilda Lemos (MDB) – ao lado de Tatiane Carvalho (MDB) e Marcos Homer (Podemos) – com baixíssima taxa de rejeição. O MDB já cogita o nome dela e vê em uma chapa Zenilda/Juliana algo bem palatável, porém, Juliana não abre mão da cabeça de chapa. Ainda conta a favor de Zenilda a grande penetração que ela tem no meio católico e nos bairros mais carentes da cidade por causa de sua profissão, assistente social. A enquete ainda mostra que ela seria a quarta opção do eleitor, coladinha com Leoberto e Ivan. Potencial, o nome tem e, talvez, seja a grande surpresa dessa enquete.