Eleições 2020, nem nova e nem velha, apenas a Realpolitik em Canoinhas


Apesar dos avanços da atual gestão que devem sim ser reconhecidos, Canoinhas precisa romper com a mesmice

 

 

Paulo Machado*

 

Pouco mais de trezentos e cinquenta dias separam o eleitor canoinhense do próximo pleito municipal. Mais do que escolher prefeito, vice e vereadores, o eleitor vai determinar o rumo do município; reeleger ou eleger, renovar, deixar como está ou voltar ao passado, são as opções do eleitor de Canoinhas ou de qualquer lugar do Brasil, onde a democracia reina soberana.

 

 

 

 

Com o visível enfraquecimento do movimento que levou Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto, esperar por grandes surpresas na eleição municipal seria um grande equívoco, a possibilidade de algum ¨outsider¨ aparecer com chances reais é praticamente nula, indicando que a eleição será disputada por figuras políticas tradicionais do município, aquelas que entre um e outro espasmo de ¨PRINCIPISMO¨ optam por seguir a cartilha da ¨REALPOLITIK¨, fazendo o que precisa ser feito para continuar protagonizando a política da cidade.

 

 

 

 

A grande verdade é que ora de um lado ora de outro, os personagens políticos optam por fazer sempre o mesmo e como Albert Einstein disse brilhantemente: “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. Exatamente por isso, apesar dos avanços da atual gestão que devem sim ser reconhecidos, Canoinhas precisa romper com a mesmice e avançar para um novo modelo de governança e gestão que priorize eficiência, economicidade, transparência e a impessoalidade.

 

 

 

 

Essa transformação vai muito além da mudança de personagens que tradicionalmente ocupam os espaços políticos de nossa cidade, de nada adianta mudar a pessoa e não transformar as ideias, revolucionando a gestão e tendo coragem para fazer o certo, doa a quem doer.

 

 

 

 

Essa grande guinada pode e deve ocorrer o quanto antes, mas duvido que seja nas eleições de 2020, por enquanto ainda impera a forma tradicional de fazer política. Em dias, semanas ou meses, adversários serão aliados, aliados serão adversários, e a ausência de um  bom diagnóstico da nossa real situação  e  de um planejamento para o município, de médio e longo prazo, vão continuar. E o eleitor? Esse como todo bom brasileiro não desiste e acredita que um dia a tão esperada renovação chega, para mudar para sempre a história de Canoinhas.

 

 

 

 

*Paulo Machado foi secretário de Desenvolvimento Econômico de Canoinhas e assessor especial da  CCJ da Câmara dos Deputados





Deixe seu comentário: