Eleição de Julio Garcia na Alesc contrasta com gestão apolítica de Moisés

Julio Garcia vai presidir a Assembleia Legislativa pela terceira vez/Fábio Queiroz/Agência AL

Um dia antes da posse dos deputados, Moisés deu as primeiras entrevistas para a imprensa e mandou recados

 

 

SOB NOVA DIREÇÃO

Carlos Moisés da Silva (PSL) completou o primeiro mês de governo praticamente mudo para o público. Na quinta-feira, 31, decidiu atender a imprensa. No mesmo dia deu entrevista de meia hora ao Bom Dia SC da NSC TV e de duas páginas ao Diário Catarinense. Ainda gravou entrevista para o G1 SC.


 

 

Demonstrando uma segurança admirável, Moisés, ao contrário de Jair Bolsonaro (PSL), que foi seu grande trampolim para a vitória, aprendeu que boca calada não entra mosca.

 

 

O recado mais importante Moisés mandou para os deputados empossados ontem. Depois de admitir que foi procurado por deputados para barganhar cargos e negou, disse que “os deputados têm autonomia para voto. Como não sou um político de carreira, não tenho pretensão de reeleição, vou fazer um trabalho no Estado dentro da boa técnica e não da política tradicional”.

 

 

A fala ganha um simbolismo contraditório se considerarmos que a Assembleia elegeu ontem, por unanimidade, Julio Garcia (PSD) para a presidência da Casa. Garcia está no quinto mandato, conquistou seu primeiro cargo eletivo aos 36 anos, em 1986, pelo PFL, com 17.129 votos. Nos anos 1990, foi presidente do então Banco de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (Badesc) e da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). Em 1999, retornou à Alesc, como segundo suplente do PFL. Permaneceu na Casa até a conclusão da legislatura, em 2003, e foi reeleito em 2002, com 32.573 votos. Em 2005, elegeu-se presidente da Alesc pela primeira vez, com o voto de todos os 40 deputados. Reeleito deputado em 2006, em agosto de 2009, renunciou ao mandato de deputado para ser conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC), órgão que presidiu entre 2014 e 2015 e do qual se aposentou em 2017.

 

 

Perguntando sobre essa história de nova política, disse que “não existe nova política e velha política. A política é uma só. Há pessoas que exercem bem a política e essas devem permanecer. Tem aquelas que não exercem bem. Essas têm que ir para casa. Um pouco já foi agora. As eleições vão depurando. Vivemos um momento bom, em que a população demonstrou que se preocupa com as eleições, tanto que deu o recado nas urnas.”

 

 

 

COMO CONSEGUIR A UNANIMIDADE?

A eleição de Garcia por unanimidade é bastante curiosa. Não bate com o discurso de pelo menos os seis eleitos pelo PSL.

 

 

ROTATIVO

O setor jurídico do Município concluiu ontem o edital para contratação de empresa que explore o estacionamento rotativo em Canoinhas. A licitação será lançada em 20 de fevereiro. Dessa forma, no entanto, antes de março o estacionamento pago não volta.

 

 

 

SÃO BRAZ

A 2ª Vara Cível da Comarca de Porto União decidiu acatar ação civil pública decorrente de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina em face de nove médicos que atuam (ou atuavam) no Hospital São Braz.



 

Com isso, ordenou bloquear em R$ 100 mil os bens de cada um dos denunciados em medida acautelatória que visa assegurar o ressarcimento integral do dano, ou seja, a decretação da indisponibilidade dos seus bens como garantia de pagamento de multa civil eventualmente imposta.

 

A denúncia do MPSC é por atos de improbidade supostamente praticados pelos médicos que teriam deixado de prestar atendimento de sobreaviso médico ao público abruptamente, sem respeitar as normas para tanto, em novembro de 2018.

 

À época, segundo nota da direção do hospital, os serviços de “Urgência e Emergência ou fonte 100” e do sobreaviso: anestesiologia, cirurgia geral, obstetrícia, ginecologia, Ortopedia e Pediatria, deixaram de ser prestados pelos médicos, pelo fato de que valores (R$ 726.794,24) que deveriam ter sido pagos por parte do Governo do Estado de Santa Catarina estavam atrasados há sete meses.

 

 

 

OBSTÁCULO VENCIDO

O Município de Canoinhas conseguiu reaver o terreno que havia sido cedido à Universidade do Contestado (UnC) na rua Guilherme Prust. O terreno estava nas mãos da Universidade há décadas sem nenhuma utilização. Prefeito Beto Passos (PSD) quer construir o Parque da Cidade no local.

 

 

 

JUIZADO FEMININO

Com as mudanças recentes na composição do Judiciário de Canoinhas, o Fórum da Comarca tem três titulares mulheres. Liliane Midory Yshiba Michels está à frente da 1ª Vara e dirige o Foro. A 2ª Vara está agora a cargo da canoinhense Dominique Gurtinski Borba Fernandes. Ela comandava a Vara Criminal até o ano passado, que agora está sob o comando de Marilene Granemann de Mello. A juíza substituta Gabriella Mararelli Calijorni também está trabalhando na Comarca.

 

 

DE SAÍDA

Decio Lima (PT), que deixou o Congresso Nacional nesta semana, encaminhou ofício ao prefeito Beto Passos (PSD) informando que indicou a liberação de R$ 2 milhões para Canoinhas dos recursos de emenda impositiva. Os recursos, segundo o prefeito Beto Passos (PSD), serão para obras de pavimentação.

 

 

BETO CARRERO

A assessoria de comunicação do Beto Carrero World respondeu a nota publicada aqui na coluna sobre meia-entrada. A nota informa que “a determinação judicial foi cumprida, em todos os moldes estabelecidos, concedendo-se a meia-entrada a quem apresenta os documentos pertinentes. O controle é feito no acesso ao empreendimento, a fim de que seja feita a validação do documento que o portador informou ter no ato da compra online, em efetivo cumprimento aos preceitos da lei”.

 

 

DECEPÇÃO

A baixaria na eleição para a mesa diretora do Senado ontem mostra que poucas são as esperanças de que algo tenha mudado. Encarar Renan Calheiros (MDB) como favorito é um tapa na cara de todos que não o elegeram ele em outubro passado.

 

A reeleição de Rodrigo Maia (DEM) na Câmara dos Deputados é outro indício de que pouca coisa mudou.

Deixe seu comentário: