Direita e esquerda em Canoinhas

Ascensão de Jair Bolsonaro e Carlos Moisés da Silva inspira movimento de direita na cidade

 

 

MUDANÇA DE RUMO

Na sexta-feira passada Canoinhas recebeu dois deputados eleitos em outubro. No Clube Laffayette estava o deputado federal reeleito Pedro Uczai (PT). Já na sede do PSL estava o deputado estadual de primeira viagem Ricardo Alba (PSL). O objetivo dos dois era o mesmo: ampliar o contato com as bases. O discurso, bem diferente.


 

Enquanto Uczai criticava a reforma trabalhista e demonizava o texto proposto pelo governo para reformar a Previdência, defendendo um Estado mais afável e protetor, Alba defendia a redução da máquina pública, incentivos para a industrialização e a saída de comissionados ligados aos governos anteriores e a partidos de esquerda.

 

A presença dos dois e a militância que atraíram diz muito sobre as próximas eleições municipais. Embalados pelo sucesso de Jair Bolsonaro e Carlos Moisés da Silva, o PSL ganhou força em Canoinhas (como em todo o Brasil) e impulsionou um movimento chamado Direita Canoinhas. O PSL, como se sabe, tem viés de extrema direita, embora ora tenha posicionamentos de centro-direita e por vezes flerte até com a esquerda, mesmo aparentemente sem saber, já que a demoniza (está aí a pauta de costumes que contradiz o discurso liberal).

 

Deixando o partido de lado e focando no movimento, o Direita Canoinhas fala em menos interferência do governo na economia, usando os recursos públicos para investir exclusivamente em Saúde, Segurança Pública e Educação. As demais áreas deveriam ser administradas em parceria ou exclusivamente pela iniciativa privada. “O governo deve servir ao povo e não o povo servir ao governo”, defendem.

 

 

É óbvio que as políticas de esquerda não deram certo no Brasil. O PT apostou na intervenção governamental na economia e deu no desastre que deu. Pior, se corrompeu para garantir maioria e enriquecer seus asseclas. Bolsonaro e Moisés são a chance de a direita colocar em prática suas ideias e testar pra ver no que dá. Está aí a boa proposta de reforma da Previdência que pode imprimir a primeira e fundamental marca desse governo na administração do País.

 

 

Receio, contudo, que ao se falar em administração municipal esses princípios direitistas teriam de sofrer algumas adaptações para serem implementados. Se o próximo prefeito, supondo-se de direita, segue ao pé da letra o que dizem os membros do movimento, os parcos recursos públicos seriam investidos em saúde e educação. A não ser que o prefeito queira assumir uma atribuição do Estado, o que iria para a Segurança Pública deveria ser rateado entre escolas e postos de saúde também. A redução da máquina pública aumentaria ainda mais os recursos nessas duas áreas. Creio que teríamos saúde e educação de primeiro mundo, o que é ótimo.

 

 

Mas e os buracos nas ruas, a necessidade de seguir os planos de pavimentação, o Porteira Adentro, as Fundações de Cultura e Esporte e os programas sociais? Parcerias, seria a resposta do prefeito de direita.

 

 

Canoinhas já teve a experiência da pavimentação comunitária, mas não foi muito bem-sucedida. Se o prefeito de direita convencer a população de que ela terá melhor saúde e educação, mas para isso terá de pagar pela pavimentação e manutenção da sua rua, por que não?

 

 

Desde sempre a Fundação de Cultura serve para dizer que temos algo ligado a cultura em Canoinhas. Por mais necessária que seja, sua extinção hoje seria sentida por pouca gente, infelizmente. Já a de esportes é mais ativa, mas uma ideia seria, tanto na cultura quanto no esporte, o Município trabalhar como um incentivador da iniciativa privada, que poderia patrocinar festivais de música e teatro, eventos como os bem-sucedidos Família no Parque, Sunset e o Natal da Paz utilizando-se da tão criticada Lei Rouanet. Parcerias com a iniciativa privada já acontecem hoje como o prefeito Beto Passos (PSD) ressalta sempre que fala desses eventos. Campeonatos esportivos poderiam ter o mesmo financiamento. Fácil conseguir patrocínio não é, mas vale a tentativa. Quem executaria esses eventos? Aí já temos um problema.

 

 

Temos ainda a Secretaria de Ação Social, que desenvolve um trabalho fundamental com os mais carentes. Se desativada, vai ter reclamação. Uma solução seria ela ser encampada pela Saúde.

 

 

Analisar a fundo essa mudança de filosofia administrativa é instigante e necessita de muito cuidado. Demonizar o que aí está não é o caminho, mas propor alternativas, como me parece o intuito do Direita Canoinhas, é salutar.

 

 

Ademais, que fique claro, Beto Passos (PSD) iniciou sua carreira política no PT, mas se tinha alguma intenção de implementar alguma política de esquerda em Canoinhas, não o fez. Quando se assume o cargo de prefeito, a primeira coisa que se tem ciência é que ideologia ali não cabe. Ele é o que seus antecessores foram. Tenta melhorar a cidade e deixar sua marca na gestão pública com os parcos recursos que tem. Se a Direita buscar emergir criticando o fantasma de uma esquerda que não existe em Canoinhas, vai começar mal.



 

 

Mas vale a máxima: faça o mesmo de sempre e obtenha os mesmos resultados de sempre.

 

 

INSS

O deputado estadual Fernando Krelling (MDB) protocolou nesta semana na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, pedido de moção cobrando “medidas urgentes” na agência da Previdência Social no município de Canoinhas. Atualmente o local, que também atende outras cidades do planalto norte catarinense, conta com apenas sete servidores administrativos e uma médica perita licenciada há dois anos para atendimento de mais de 2.500 segurados por mês. A demora nos atendimentos, filas intermináveis e todo o contratempo causado pelo baixo número de servidores à disposição da população estão causando revolta e indignação.

 

Para o autor da moção, a situação é extremamente importante e precisa ser resolvida o mais rápido possível. “Chega a ser um descaso você deixar as pessoas esperando horas, perdendo quase um dia todo para serem atendidas. Ninguém está ali porque quer, muita gente tem apenas nesse valor aí o seu sustento e precisa ser mais bem assistida”, comentou o deputado. A moção é endereçada ao presidente da República, Jair Bolsonaro; ao secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho; e ao presidente do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), Renato Rodrigues. O documento aponta o número de servidores e pede medidas urgentes para preenchimento do quadro funcional da agência de Canoinhas.

 

 

CONQUISTA

Os funcionários do Hospital Félix da Costa Gomes, de Três Barras, estão comemorando uma conquista anunciada ontem. Além da habilitação em Psiquiatria que saiu na segunda-feira, 25, ontem eles receberam a notícia de que o Instituto PróVida, de São Paulo (SP), vai doar diversos equipamentos no valor de R$ 110 mil. Em maio saem mais US$ 100 mil doados ao hospital pelo Lions Internacional para reformas na pediatria e maternidade. Tudo isso sem interferência política, comemoram.

 

 

CPI DA PONTE

Os deputados Marcos Vieira (PSDB), João Amin (PP) e Bruno Souza (PSB) foram eleitos, respectivamente, presidente, vice-presidente e relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa de Santa Catarina que vai investigar supostas irregularidades nas obras de recuperação da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis. A comissão foi instalada na tarde desta quarta-feira, 27, e voltará a reunir no dia 12 de março.

 

 

644% 

foi o aumento nos casos prováveis de dengue registrado pelo Ministério da Saúde em SC em janeiro

 

 

VIDA BOA

Derrotados nas eleições de outubro, os ex-senadores Romero Jucá, Agripino Maia, Armando Monteiro, Edison Lobão, José Pimentel e Antonio Carlos Valadares recorreram à Diretoria Geral do Senado e pediram aposentadoria. Os valores chegam a R$ 32 mil mensais já a partir deste mês de fevereiro.

 

 

 

FORÇA DO MDB

Quem acha que os emedebistas atuarão como coadjuvantes na Assembleia, está errado. O MDB lidera o número de cadeiras nas presidências das bancadas setoriais na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O partido comandará a mais estratégica delas, a de Constituição e Justiça.

 

 

ABSURDO DA VALEC

A Valec, estatal que tem como obrigação, entre outras coisas, definir o trajeto da malfadada Ferrovia do Frango em Santa Catarina, torra a bagatela de R$ 1,3 milhão por dia. Isso sem tirar um dormente do lugar, pelo menos por aqui. Bolsonaro já anunciou que pretende extinguir a estatal.

 

 

 

 

 

Deixe seu comentário: