Destinação de recursos estaduais para obras federais é deboche com Planalto Norte


Tapa-buraco emergencial feito em janeiro deste anoDivulgação

SC-477 é flagelo antigo para a região

 

 

 

 

E A SC 477?

Após 1h30 de debates, os deputados catarinenses aprovaram por maioria de votos, na semana passada, os dois projetos de lei (PLs) que autorizam o governo catarinense a repassar recursos do Estado para obras viárias de responsabilidade do governo federal. Os projetos seguem para sanção da governadora Daniela Reinehr que, como boa bolsonarista, não tem porque não fazer esse agrado ao líder.

 

 

 

 

Os projetos foram encaminhados pelo Poder Executivo no mês passado, em regime de urgência. Pelo texto original do PL 64/2021, o governo criaria uma subação, no valor de R$ 750 milhões, no Plano Plurianual (PPA) 2020-2023, destinando recursos para obras federais no estado. No PL 65/2021, o Executivo abriria crédito suplementar de R$ 250 milhões, que seriam repassados para a duplicação da BR-470 e a recuperação da BR-163.

 

 

 

 

 

Até aí tudo bem, não se discute a importância dessas obras para o Estado, mas se são responsabilidade do Governo Federal que continuem na mão da União, que via de regra, abocanha a maior fatia dos impostos.

 

 

 

 

O agrado teria uma razão de ser se tivéssemos todas as rodovias de competência do Governo Estadual nos conformes. Não estão. Só pra citar duas situações, no Planalto Norte há a utopia de se ver um dia a SC-120, que liga Canoinhas a Timbó Grande, asfaltada, para não falar do surrado tema da SC-477 que, apesar de estar em fase de planejamento para recuperação total, sabe-se se lá se quando concluído o estudo – o prazo inicial era dezembro de 2021, mas a empresa responsável já externou o desejo de concluir antes, na mais otimista das hipóteses para agosto – o governo de turno (Moisés ou Daniela?) terá boa vontade em liberar os recursos milionários para a aplicação do projeto. Eis uma questão que fica em suspenso quando o governo decide compartilhar seus recursos com a União para recuperar obras de sua competência.

 

 

 

 

A história de recuperação da SC-477 é o maior conto da carochinha que a região ouve, há anos, de todos os últimos governos. Tem tudo para ficar na promessa mais uma vez. A ver.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Voto sim, mas que o governo tome as providências urgentes em relação aos buracos de quantos trechos das nossas SCs. Isso é inconcebível”

do deputado estadual Valdir Cobalchini (MDB)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MORADIA

Porto União está entre quinze cidades de Santa Catarina que fazem parte de um pacote de retomada proposto pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para reduzir o déficit habitacional no país. São mais de 44 mil imóveis populares em todo o Brasil, em cidades com até 50 mil habitantes, que estão paralisados desde 2018.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CPI

Entre as 32 assinaturas no requerimento pela criação da CPI da pandemia não há nenhuma de senador catarinense.

 

 

 

Jorginho Mello (PL), aliado do presidente Jair Bolsonaro, disse ao colunista Renato Ighor, da NSC, que o “ministro Barroso está criando caso em meio a uma pandemia enquanto o foco deveria ser salvar vidas e a economia. Este é um pedido fora de hora, um despropósito, uma interferência inadmissível. Será uma vergonha para o Senado caso a CPI vá adiante”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRESENÇA

A deputada federal Norma Pereira (PSDB) estará hoje à noite usando a tribuna da Câmara de Vereadores de Canoinhas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PARCIAL

O prefeito Beto Passos vetou parcialmente o projeto de lei de autoria do vereador Marcos Homer (Podemos) que institui incentivo ao artista local.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TRANSPARÊNCIA

Josi Gazaniga (MDB)

Vereadora Josi Gazaniga (MDB) apresentou requerimento ao prefeito Luiz Shimoguiri (PSD) pedindo que determine ao setor competente da Administração Municipal, providências para publicação no Portal da Transparência de todos os atos relativos à concessão de diárias aos servidores públicos, bem como dos atos de concessão de adiantamento de recursos para realização de despesas de pequeno valor, com a devida prestação de contas, acompanhada dos documentos pertinentes, no sentido de comprovar
a realização da viagem e da despesa efetivamente realizada. Ofício semelhante foi encaminhado ao Serviço Autônomo de Água e Saneamento (Samasa).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Não adianta esperar misericórdia do vírus. Nós é que temos de ter misericórdia uns dos outros e nos comportar adequadamente para não causar dezenas de milhares de mortes em abril”

do médico Paulo Chapchap, diretor geral do Hospital Sírio Libanês, em entrevista à Folha de S.Paulo





Deixe seu comentário: