sábado, 25

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Deputados criticam lockdown e politização do combate à pandemia

Últimas Notícias

- Ads -

Parlamentares discutiram também sobre a necessidade de dar celeridade à vacinação da população

 

 

 

A situação financeira de segmentos econômicos em Santa Catarina e as críticas à politização do combate à pandemia da covid-19 foram os principais assuntos da sessão ordinária da Assembleia Legislativa desta quinta-feira, 4. Além disso, parlamentares discutiram a possibilidade de decretação de lockdown no Estado – e as consequências dessa medida – e a necessidade de dar celeridade à vacinação da população.

 

 

 

O deputado Ricardo Alba (PSL) alertou para as dificuldades enfrentadas pelo setor de eventos no Estado, uma vez que esse tipo de atividade está proibido desde o início da pandemia. “Congressos, feiras, shows, espetáculos em geral, salões de baile, empresas de sonorização estão prejudicados há quase um ano, sem poder trabalhar”, afirmou o deputado. De acordo com o parlamentar, o setor de eventos movimenta mais de R$ 200 bilhões no Brasil.

 

 

 

Alba defendeu a criação de uma linha de crédito da Agência de Fomento de Santa Catarina (Badesc) para socorrer o segmento. “O mínimo que pode fazer é o Badesc abrir linha de crédito, com juro zero e longo prazo de pagamento para segmento de eventos. A linha é para que as empresas permaneçam vivas e elas precisam de crédito para isso.”

 

 

 

A iniciativa foi apoiada em aparte pelo deputado Jessé Lopes (PSL). “Se o Estado quer que a pessoa deixe de produzir, tem que subsidiar. Se não tem dinheiro, não pode fazer lockdown.”

 

 

 

POLITIZAÇÃO
O deputado Fernando Krelling (MDB) bateu forte no que classificou de “politização” do debate em torno da pandemia de covid-19. “Já ‘deu pra bola’ de ficar com briga ideológica no combate à covid. Estamos numa crise mundial. Vamos parar de brigar. Não dá para nossos líderes ficarem nessa guerrinha desde o ano passado. Se um disser uma coisa, o outro faz o contrário”, protestou o parlamentar.

 

 

 

Krelling lembrou que a Assembleia Legislativa devolveu R$ 20 milhões ao governo do Estado para ajudar na luta contra a doença, mas cobrou que o destino dessa verba seja a imunização da população. “Tem que usar para comprar vacina. Só temos esperança com vacina.”

 

 

 

Em apartes, Ada de Luca (MDB) e Moacir Sopelsa (MDB) apoiaram o colega de partido.

 

 

 

“Essa politização é o atraso. O paciente não quer saber do partido que o salvou, ele quer viver. Começa lá no chefe maior e isso é inaceitável. A morte está batendo à porta de todos, basta raciocinar, conscientizar. Queremos vacina já, imediatamente. Dinheiro tem. E precisa liberar prefeitos para comprar”, afirmou Ada de Luca.

 

 

 

“Algo precisa ser feito para diminuir a contaminação, para que os hospitais possam atender. Morto não compra nada, não precisa de emprego. Precisamos de vacina, não importa de onde vem”, disse Sopelsa.

 

 

 

TRANSPARÊNCIA NA VACINAÇÃO
Felipe Estevão (PSL) pediu aos colegas apoio a um projeto de lei de sua autoria que visa dar transparência ao processo de vacinação da população, evitando, entre outros problemas, que pessoas furem a fila de prioridades na imunização. “Em Bom Jardim da Serra, um secretário vacinou a esposa e disse que foi gesto de amor. Foi canalhice, enquanto tem gente de 70, 80 anos esperando há meses.”

 

 

 

De acordo com o parlamentar, o PL obriga o município a dar publicidade das ações. “A ideia não é expor, mas dar transparência ao processo de vacinação.”

 

 

 

Em aparte, o deputado Neodi Saretta (PT) apoiou a iniciativa, mas destacou que o centro do debate, que hoje está na questão dos “fura-filas”, é outro. “O centro da discussão é a quantidade de vacinas. Estamos clamando para que o Ministério da Saúde faça acordo com mais farmacêuticas. Não pode ter fura-fila, mas isso não pode predominar. O que precisa é de mais vacina.”

 

 

 

CRÍTICAS AO GOVERNO
O deputado Sargento Lima (PSL) criticou a possibilidade de lockdown no Estado e lamentou porque, na visão dele, em 2020 o assunto não foi abordado da maneira adequada. “Houve medo da reação das pessoas, que preferem o obscurantismo, o xamanismo, o achismo, em vez da ciência.”

 

 

 

Sargento Lima criticou o governador Carlos Moisés por medidas adotadas desde o ano passado que, na visão do parlamentar, não surtem efeito no combate à pandemia. “Se tivesse aberto três leitos em cada hospital, hoje teríamos 60 leitos.”

 

 

 

Na avaliação do deputado, as medidas de fechamento da economia são ineficientes. Sargento Lima ressaltou que os setores produtivos são contrários ao lockdown e até externaram sua posição num documento assinado por 80 entidades e entregue ao governo.

 

 

 

“Nesse fim de semana, alguns vão fechar as portas e deixar de trabalhar. Outros já vão à falência e alguns vão trabalhar clandestino. Enquanto isso, o Executivo defende a tese de ‘esperar e monitorar’. Essa desculpa vai ser usada até quando? 2022?”, questionou.

 

 

 

Lima cobrou que Moisés faça “as escolhas certas e mostre quem manda em Santa Catarina”.

 

 

 

Em aparte, Jessé Lopes endossou as críticas ao governador. “Ele [Moisés] não manda mais nada. A regra, a tabela que determina o grau de periculosidade é uma fraude. Está relacionada ao número de leitos de UTI disponíveis. Quando desce o número de infectados, eles desativam as UTIs. De repente dá um pico e decretam lockdown. Desse jeito, quem precisa reabrir não consegue.”

 

 

 

VISITA DO MINISTRO
Ivan Naatz (PL) comemorou a confirmação da visita do ministro da saúde, Eduardo Pazuello, a Chapecó, marcada para esta sexta-feira, 5. “Pazuello vem a Santa Catarina neste momento difícil para ouvir o prefeito de Chapecó e prefeitos da região, para ouvir pedido de maior número possível de vacinas”, afirmou o parlamentar, que registrou a visita como “conquista do senador Jorginho Mello”.

 

 

 

Segundo Naatz, o PL “se sente feliz de participar dessa chamada e ser atendido pelo ministro Pazuello para estar em Chapecó” e destacou a “importância de Santa Catarina ter senadores como Jorginho Mello, Esperidião Amin e Dário Berger”.

 

 

 

“Dário está na presidência da Comissão de Infraestrutura do Senado; Jorginho tem proximidade com Bolsonaro; Esperidião Amin é um guerreiro que conhece cada esquina desse Estado e tem contribuído muito”, avaliou o deputado.

 

 

 

Naatz também ressaltou as verbas destinadas pelo governo federal a Santa Catarina. “O governo não nos deixou na mão. O Estado recebeu R$ 2 bilhões, um trabalho do Pazuello, da frente parlamentar catarinense, e uma grande conquista do senador Jorginho Mello e dos outros senadores de Santa Catarina.”