Depois de flertar com oposição, vice de Shimoguiri deve repetir dobradinha


Gilson Nagano

Eleição em Três Barras caminha para ser polarizada entre MDB e PSD

 

 

 

ACOMODAÇÃO

Depois de flertar com vários atores políticos em Três Barras, o vice-prefeito Gilson Nagano (PL) foi pragmático e optou por ficar exatamente onde está. Depois de muita conversa intermediada pelo ex-prefeito Elói Quege (PP), Nagano se acertou com o prefeito Luis Shimoguiri (PSD) e deve repetir a dobradinha vitoriosa de 2016.

 

 

 

Quege também terá seu percentual neste latifúndio, mas nada que o deixe na linha de frente da exposição política.

 

 

 

Do outro lado, Marco Antonio de Souza (MDB) ficou praticamente isolado, perdendo até mesmo sua companheira de oposição na Câmara de Vereadores. Com a abertura da janela para troca partidária em março, Daniele Kraiking trocou o MDB pelo PP. Seu marido foi agraciado com um cargo comissionado coincidentemente ao fim da abertura da janela.

 

 

 

 

Souza não desanima e já acertou um potencial candidato a vice. O ex-vereador por duas vezes Luciano Grein (MDB) deve ser seu parceiro na tentativa de tirar Shimoguiri da prefeitura.

 

 

 

 

Dessa forma, Três Barras deve ter entre duas e três candidaturas a prefeito. O Aliança pelo Brasil, partido recém-criado pelo presidente Jair Bolsonaro, não poderá lançar candidatos neste ano, mas os pioneiros do partido no Município estudam outra legenda para lançar um candidato.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DANÇA DAS CADEIRAS

Foi intenso o troca-troca partidário na Câmara de Três Barras com o fechamento da janela para troca de sigla sem perda de mandato. Além de Daniele Krailing trocar o MDB pelo PP, o presidente da Casa, Fabiano Mendes, o Bano, trocou o PSD pelo PL.

 

 

 

 

 

Ernani Wogeinaki Jr saiu do PSB e foi para o PSL, esvaziado depois da debandada de seus integrantes para o Aliança pelo Brasil.

 

 

 

 

Adilson Martins, o Dega, trocou o PSD pelo PDT. João Canani saiu do PSD e foi para o PSC.

 

 

 

 

 

 

 

MAMÓGRAFO

Em requerimento, os vereadores de Canoinhas solicitaram na sessão de terça-feira, 14, informações ao prefeito Beto Passos (PSD) e ao secretário de Administração, Diogo Seidel, sobre a utilização da emenda parlamentar do senador Jorginho Melo, no valor de R$ 225 mil. O recurso deveria ser utilizado para compra de um novo mamógrafo para o Hospital Santa Cruz de Canoinhas.

 

 

 

No texto os vereadores solicitam informações se o edital de processo licitatório para aquisição do novo mamógrafo já foi lançado, e em qual fase se encontra. “Fui questionado sobre esse assunto, e a vinda desse recurso para aquisição do mamógrafo foi anunciado em outubro do ano passado. Isso não pode cair no esquecimento é algo de extrema importância. Com esse requerimento haverá uma comunicação oficial por parte do prefeito e do secretário de como está o andamento desse processo”, comentou o vereador Coronel Mário.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAMÓGRAFO 2

A vereadora Zenici Dreher (PL) afirmou que realmente o anúncio aconteceu em outubro e o recurso efetivamente chegou aos cofres públicos em dezembro. O município solicitou auxílio do Centro de Diagnóstico de Imagens (CDI) para realização da descrição do mamógrafo para posterior lançamento do edital. “Que eu me lembre ainda não foi aberta a licitação, porque quando estava sendo realizada essa descrição do equipamento, isso há uns vinte dias, aí o foco todo foi para o covid-19. Mas a população não está desassistida porque tem equipamento no CDI e no CIC em funcionamento”, afirmou a vereadora.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ENERGIA

Na sessão desta terça-feira, 14, os vereadores também aprovaram requerimento direcionado ao governador do Estado, Carlos Moisés da Silva, e ao presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins. Na redação perguntam quais as medidas adotadas pelo governo em relação às empresas que possuem contratos de demanda de energia elétrica e que no período de isolamento social foram impedidas de desempenhar suas atividades, total ou parcialmente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CORTE

A ação popular movida pelo ex-secretário de Desenvolvimento Econômico de Canoinhas, Paulo Machado, nem precisou ser analisado pela Justiça para surtir efeito. Ontem foi publicado no Diário Oficial dos Municípios o corte do benefício de 30% para 45 comissionados com dedicação em tempo integral.

 

 

A propósito, Machado manda avisar que mora em Canoinhas e, aparentemente, não pretende voltar para sua terra, Blumenau. Ele fundou por aqui o PSB, cujo diretório municipal ele preside.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REMOTO

Nesta quinta-feira, 16, pela primeira vez na história, o Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça de SC irá se reunir por videoconferência. Na semana passada, o Órgão Especial realizou a sessão desta mesma forma, utilizando a PJSC-Conecta, plataforma desenvolvida em 2016 e ampliada no ano passado com a adoção no sistema eproc. Segundo a Divisão de Redes de Comunicação, de janeiro deste ano até segunda-feira passada foram realizadas pelo Poder Judiciário catarinense 10.770 transmissões por videoconferência, incluindo audiências e reuniões administrativas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NEGADO

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em matéria sob a relatoria do desembargador Ronei Danielli, reformou a sentença de 1º grau e negou indenização por férias e 13º salários do ex-prefeito e da ex-vice-prefeita de município no extremo oeste de Santa Catarina. Em decisão monocrática, o relator destacou a inexistência de lei municipal prevendo o benefício e, consequentemente, a falta de empenho orçamentário. As verbas postuladas pelos ex-agentes políticos ultrapassavam os R$ 70 mil.

 

 

 

 

 

Após a gestão no período de 2013 a 2016, o ex-prefeito e a ex-vice-prefeita ingressaram com ação cível cobrando o pagamento de férias, com o adicional de 1/3 constitucional, e do 13º salário. Com base no Recurso Extraordinário n. 650.898, do Supremo Tribunal Federal (STF), que ratificou a possibilidade de cumulação dos benefícios com o regime de subsídios, os agentes políticos conseguiram o direito em 1º grau. Inconformado, o município recorreu ao TJSC.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BOA NOTÍCIA

Para quem acha que só tem notícia ruim sobre esta pandemia de coronavírus, olha que bacana: Quinze países já têm mais casos de pacientes curados que doentes e mortos. É o caso da China, que tem 77.663 curados, 1.156 doentes e 3.341 mortos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

70%

foi a redução do atendimento a infartados no Brasil desde o início da pandemia. Uma das hipóteses dos cardiologistas é que as pessoas estão com medo de ir aos hospitais e contrair covid-19

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RELAÇÕES ESTREMECIDAS

Daniela Reinehr, vice-governadora, Diego Goulart e Carlos Moisés, governador/ Divulgação

Não convide para a mesma mesa o governador Carlos Moisés e a vice-governadora Daniele Reinehr.

 

 

Moisés respondeu a uma fala da vice-governadora de que o Executivo estadual deveria mudar o foco e assumir o modelo de hospital de campanha realizado pelo governo federal em Goiás.

 

 

 

“É lamentável esse tipo de posicionamento de uma pessoa que detém um alto cargo do poder executivo estadual penso que é uma declaração não responsável por quem tem acesso às informações do poder público”, afirmou. “O processo tem lisura e está sendo encaminhado da melhor forma possível”, acrescentou.

 

 

 

 

Segundo o governo, a comparação com a unidade goiana não é justa, porque a contratação do Estado inclui serviços 24 horas, segurança, limpeza, faxina, equipamentos, que não estão previstos no orçamento inicial deste outro hospital.

 





Deixe seu comentário: