Debate morno deve ter mudado poucos votos em Canoinhas


Debate entre os candidatos a prefeito de Canoinhas realizado em 8 de novembro de 2020 no estúdio do JMais/Reprodução

Até calibrar tática, candidatos choveram no molhado

 

 

MORNO

Partindo do ponto de vista dos indecisos que viram o debate com os candidatos a prefeito de Canoinhas neste domingo, 8, aqui no JMais (assista aqui), eles devem ter saído com mais dúvidas do que certezas. Sem nenhum desempenho se sobressaindo, a maior contribuição que o debate poderia trazer era revelar as verdadeiras intenções dos três. Não foi possível.

 

 

 

Os três desconheciam a tática que os adversários usariam. Na dúvida, Beto Passos (PSD) decidiu dar um tapa com luva de pelica em Norma Pereira (PSDB), que respondeu pedindo direito de resposta, sendo este o ponto mais incisivo dos três primeiros blocos.

 

 

 

Mesmo sem poder esconder a tática no bloco de confrontos diretos, os três tentaram jogar para entender qual era a tática do outro. Foi assim que Passos abriu o bloco questionando Ivan, achando certamente que provocaria o discurso incisivo que o candidato vem demonstrando nas redes sociais. Não foi o que aconteceu. Um Ivan “paz e amor” se confirmou ali. Norma e Ivan se questionaram com assuntos amenos  e repetiram a dose na segunda rodada. A tática que parece ter sido ajustada por intuição durante o debate era isolar Beto.

 

 

 

Somente quando Beto fez a terceira e última pergunta da segunda rodada é que o debate esquentou. Ao questionar Norma sobre o uso do fundo eleitoral mostrou que estava disposto a tirar a limpo questões pendentes dos programas de rádio e redes sociais. Reparem que esperou ser provocado, não foi e decidiu partir para o ataque. Com seu conhecido poder de oratória, conseguiu desestabilizar Norma.

 

 

 

Quando a terceira rodada parecia esquentar, Beto recuou questionando Ivan, que novamente usou de uma retórica que não parece combinar com o que ele vinha mostrando nas redes sociais. Quando o debate parecia esquentar nas duas últimas perguntas, acabou e partiu para as considerações finais. Dessa forma, os candidatos perderam a chance de expor seus adversários ao eleitor e o eleitor perdeu a chance de confirmar ou decidir seu voto baseados na franqueza dos candidatos provocada por seus adversários.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAS E AS PROPOSTAS?

Não dá pra dizer que não foram apresentadas propostas. De fato os três falaram sobre partes da suas respectivas plataformas de governo, porém, isto está nas redes sociais de todos (pode ser consultado aqui). O debate deveria ter servido para os candidatos confrontarem os planos de um e de outro. Exemplos tem pelo menos um de cada candidato:

 

 

 

 

Beto Passos promete novamente o Parque da Cidade, mas por que em quatro anos pouco avanço teve no projeto apresentado nos primeiros dias de seu governo?

 

 

 

 

Norma Pereira promete programa Juro Zero, mas como se o Município não tem um banco?

 

 

 

 

Já Ivan Krauss promete melhorar a segurança pública, uma obrigação que é do Estado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CLIMA TENSO

Um grupo de apoiadores de Norma Pereira organizou uma caravana que ficou na esquina do estúdio do JMais para recepcionar a candidata. Beto Passos chegou antes e disse que foi assediado pelos partidários da adversária. A Polícia Militar, que já havia sido solicitada há semanas para garantir a segurança do debate, não precisou intervir porque os manifestantes se dispersaram, mas voltaram ao final do debate para aplaudir a candidata.

 

 

 

 

Ao final do debate Passos reclamou com Norma sobre a atitude do grupo e o clima esquentou entre ele e Paulinho Basilio, candidato a vice que acompanhava Norma. A turma do deixa disso entrou em ação e os dois deixaram o estúdio sem dar o braço a torcer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MELHORES E PIORES MOMENTOS

Beto Passos (PSD)

Foi bem: Ao instar a candidata Norma Pereira sobre o fundo eleitoral.

Foi mal: Ao negar que houve falha no edital para pavimentação de 12 trechos de rua de Canoinhas. O edital, de fato, teve de ser refeito por falhas apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado.

 

 

 

 

 

Ivan Krauss (PRTB)

Foi bem: Ao ser enfático durante direito de resposta ao rechaçar o que Passos tinha ventilado sobre sua coligação com o DC.

 

Foi mal: Ao responder a Passos que lhe alertou que mais de um partido é coligação.

 

 

 

 

 

 

Norma Pereira (PSDB)

Foi bem: Ao responder a Passos sobre o fato de seu hotel ter uma filial em Joinville. “Então nenhuma empresa canoinhense pode abrir filial fora?”, questionou.

 

Foi mal: Ao titubear na maioria dos ataques recebidos de Passos.

 

 

 

 

 

 

 

 

“O prefeito Beto Passos não fechou o comércio (durante a pandemia)”

Beto Passos

 

 

 

 

 

 

“Nenhum pedido de impeachment passaria porque o prefeito tem maioria na Câmara”

Norma Pereira 

 

 

 

 

 

 

 

“Faço parte de uma nova política, propositiva, sem ataque, sem fundo eleitoral”

Ivan Krauss

 





Deixe seu comentário: