Câncer de próstata: o que é, sintomas, exames e tratamentos


O que é o câncer de próstata (CaP)?

É um crescimento da glândula, de forma maligna, colocando em risco a vida do paciente.

 

 

Qual a incidência?

É o câncer mais frequente no sexo masculino (21% dos casos), contudo, o índice de mortalidade dele é menor do que os de tumores de pulmão e cólon. É raro ocorrer antes dos 50 anos. Surge em 60% dos homens com 80 anos, mas só em 5% manifesta sintomas.

 

 

Por que surge?

9% têm causa hereditária. Nos demais casos, a origem é desconhecida.

  • Se tiver um parente de primeiro grau com CaP, a chance aumenta 2 vezes.
  • Se tiver dois parentes de primeiro grau com CaP, a chance aumenta 5 vezes.

Parece haver facilitação por fatores dietéticos (comida gordurosa), como se observou pela maior mortalidade nos países da Escandinávia, que é dez vezes maior que no extremo oriente, onde o consumo de gordura animal é três vezes menor. O câncer de próstata também é estimulado pelos hormônios masculinos.

 

 

Quais os sintomas?

Os sintomas iniciais são muito semelhantes aos da doença benigna:

  • 90% tem obstrução aguda.
  • 15% tem sangramento urinário.

 

Quando procurar o médico?

Como o CaP se desenvolve muito lentamente, não podemos nos basear nos sintomas. Quando eles surgem com maior intensidade, na maioria dos casos o tumor já está avançado. Daí a importância da prevenção.

  • Sem histórico familiar da doença: a partir dos 45 anos, 1 vez por ano.
  • Com histórico familiar da doença: a partir dos 40 anos, 2 vezes por ano.

 

 

 

Quais os exames necessários?

Exame clínico com toque retal, exame de urina, ultrassonografia e PSA (Prostate-Specific Antigen). Se houver suspeita, recorre-se ao ultrassom transretal com biópsias e exames para avaliar a extensão da doença, como a tomografia computadorizada, mapeamento ósseo, etc.

 

 

 

Quais os tratamentos?

Dependem da fase em que se encontra a doença.

  • Cirurgia radical: retirada da próstata, das vesículas seminais, parte da bexiga e da uretra.
  • Radioterapia: oferece técnicas mais modernas que diminuem os efeitos colaterais e têm bons resultados.
  • Hormonioterapia: visa bloquear os hormônios masculinos, que são estimulantes para o CaP.

 

 

Cirurgia da próstata causa impotência?

Depende, se o problema é benigno, não.

Se a cirurgia for radical, por câncer de próstata, as chances de impotência são consideráveis (cerca de 60 a 90%), pois cortam-se os nervos próximos à próstata, que são os responsáveis pela ereção.

O tratamento hormonal também pode prejudicar a função sexual.

 

 

*Texto produzido em parceria com o portal Leet Doc





Deixe seu comentário: