Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

domingo, 14

de

julho

de

2024

ACESSE NO 

Como doar para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul? Veja os canais oficiais

Câmara de Canoinhas está há um ano discutindo PL que obriga loteador a pavimentar loteamentos

Últimas Notícias

Projeto faz parte do Plano Diretor da cidade

- Ads -

Entre os 12 projeto de lei que compõem o Plano Diretor de Canoinhas, enviados em 2022 à Câmara de Vereadores, apenas dois entraram em vigor até o momento, como mostrou reportagem do JMais publicada na segunda-feira, 3. Nove seguem nas comissões da Câmara de Vereadores e um já foi aprovado, mas ainda não entrou em vigor. Entre os que estão em discussão está um que, conforme a reportagem apurou, está suscitando muita pressão para cima dos vereadores. Trata-se do que disciplina os projetos e a execução de condomínios horizontais e parcelamentos do solo para fins urbanos no município de Canoinhas. Na prática, estabelece as regras que os loteadores precisam seguir para fatiarem e comercializarem lotes em Canoinhas.

O ponto mais polêmico do projeto obriga os loteadores a pavimentarem as ruas dos loteamentos, além de fornecer outros itens de infraestrutura como drenagem, escoamento, sistema de energia elétrica e de água. O texto em vigor atualmente isenta os loteadores de pavimentarem os loteamentos.

O artigo polêmico, que tem levado os vereadores a enfrentar protestos de proprietários de grandes e pequenas áreas de terras é o 91, que obriga a “pavimentação asfáltica ou lajota de concreto ou bloco intertravado, das pistas de rolamento das vias de circulação e de acesso ao loteamento, incluindo a construção de guias e sarjetas, de acordo com as normas do órgão municipal competente e o estabelecido na legislação vigente do Município”, que, na prática, só autoriza o loteamento mediante a pavimentação.

A reportagem conversou com vários vereadores para entender porque o projeto está demorando para ser colocado em votação. Segundo o presidente da Câmara, Mauricio Zimmermann (PL), “só depende das comissões. Não tem ficado nada para trás. Tudo que tem parecer está sendo pautado”.

De fato, o projeto está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), presidida por Osmar Oleskovicz (PSD), tendo como membros Gil Baiano (PL) e Zenilda Lemos (UB). À reportagem, Oleskovicz disse que “estamos trabalhando no projeto ainda” sem mais detalhes. Isso ocorre, contudo, desde julho do ano passado, quando a então prefeita Juliana Maciel Hoppe (PL) reenviou os projetos após passarem por uma revisão a pedido da Câmara.

Os vereadores ouvidos pela reportagem dizem que vêm sofrendo pressão, principalmente de proprietários de pequenas áreas, que reclamam do encarecimento dos lotes com a medida. Tatiane Carvalho (MDB) teme a criação de loteamentos irregulares, burlando a lei para escapar do alto custo. “Aí essas pessoas (os compradores) vão pensar em fazer empréstimo/financiamento. Linha de crédito sempre vai ter, porém, para a população pagar é o difícil. A renda média de Canoinhas é de 2,3 salários mensais. Em um financiamento de aproximadamente R$ 200 mil, a parcela fica em cerca de R$ 1,6 mil por mês. Daqui a alguns anos o que é para fazer o progresso vai levar centenas de famílias a morar em terrenos irregulares, que em um momento ou outro o município terá que regularizar e o povo vai pagar duas vezes. Entendo que tem loteadores que têm condições e que quem adquire os terrenos deles também tem. Mas e os menores?”, raciona a vereadora.

Willian Godoy (PSD) tem opinião semelhante. “Loteamentos de alto padrão, de pessoas com condição de pagar é uma coisa, mas e os loteamentos sociais, de classes mais baixas?”, questiona.


EXEMPLOS

No Planalto Norte, Canoinhas está em um clube restrito de três cidades que não exigem pavimentação em novos loteamentos. A reportagem buscou informações junto às dez cidades. Além de Canoinhas, apenas Monte Castelo e Irineópolis não exigem a pavimentação.

Monte Castelo, por sinal, foi instada pelo Ministério Público a revisar seu Plano Diretor. O texto atual está em vigor há mais de dez anos.

Embora os municípios tenham autonomia para legislar sobre o tema, existe uma lei federal que determina a pavimentação de loteamentos. A lei é de 1979 e dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências.

- Ads -
Olá, gostaria de seguir o JMais no WhatsApp?
JMais no WhatsApp?