terça-feira, 9

de

agosto

de

2022

ACESSE NO 

Câmara de Bela Vista do Toldo reprova contas do último ano de mandato de Gilberto Damaso

Últimas Notícias

- Ads -

Ex-prefeito fez defesa oral na tribuna

Por seis votos a três os vereadores de Bela Vista do Toldo rejeitaram as contas de 2016 do então prefeito Gilberto Damaso da Silveira (MDB). Eles seguiram parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que apontava irregularidades nas contas.

Segundo o parecer, houve gastos de R$ 1,7 milhão sem previsão de caixa, o que corresponde a 9% da arrecadação anual total do Município. “Foram realizadas despesas com pessoal no total de R$ 10,6 milhões, o que corresponde a 57,3% da receita correspondente líquida e restos a pagar com recursos do Fundeb, sem disponibilidade financeira, além da realização de despesas no valor de R$ 1,1 milhão que não foram empenhados na época própria”, diz o parecer do TCE.

Damaso fez uma defesa oral antes da votação. Ele justificou os problemas que teve para fechar as contas e fez um relato de várias obras que concluiu ou que iniciou do zero. “Tínhamos orçado em 2015 uma receita em R$ 27,4 milhões e apenas arrecadamos R$ 18,6 milhões, queda de R$ 9,3 milhões. Como vai mexer com isso faltando um montante nessa quantia? Podem ter certeza de que é muito difícil. Caindo a receita, sobe o índice da folha. Eu não sabia que ia cair tanto, senão tinha exonerado algumas pessoas. A receita caiu, você fica na esperança que vai melhorar, mas nesse caso não melhorou. Tínhamos ainda um plano de cargos e salários dos professores que tínhamos de cumprir. Nunca disse não para os professores e quando vi que não tinha como aguentar falei para os professores que só pagaria se eles entrassem na Justiça.” Ele contou que fez uma defesa detalhada ao TCE, mas a defesa não foi aceita. Ele lembrou ainda que não é o primeiro prefeito de Bela Vista do Toldo a ter parecer desfavorável em relação a contas. “Vocês são soberanos. A Câmara de Vereadores é que vota, o Tribunal de Contas acata. Aqui não tem corrupção, não tem desvio de verba, o que faltou foi orçamento para cumprir nossos compromissos”, concluiu sua fala.

Votaram pela rejeição das contas os vereadores Maíra Mizwa (PL), Anselmo Woidella (Podemos), José Machado, Mauro Falkievicz (PSL), Marcos Kogi (PSL) e Valdecir Krauss.

Pela aprovação votaram Dinei Berdinaski (PDT), Osni Stelzner (MDB) e Rafael Alberti (PSL).