Câmara aprova e Passos deve sancionar auxílio aluguel nesta terça-feira

Sessão da Câmara desta segunda, 17/Biluka/Divulgação

Auxílio será destino a 15 famílias que foram despejadas das casas da extinta Esquadria São José

 

 

APROVADO

A Câmara de Vereadores de Canoinhas aprovou em duas sessões nesta segunda-feira, 17, o projeto de lei que permite o pagamento de aluguel no valor máximo de 150 Unidades Fiscais do Município, o que dá aproximadamente R$ 500. As famílias têm até 28 de junho para deixar as casas, que serão demolidas para utilização comercial.

 

 

 

PRESENÇA

Beto Passos (PSD) acertou no trato com as famílias que foram despejadas da vila da extinta Esquadria São José. Desde a quinta-feira, 13, ele está em contato com as famílias e tem concentrado esforços em ajudar as famílias agora no processo de aluguel de casas.

 

 

 

As primeiras postagens no tribunal do Facebook atribuindo a ele o problema começavam a pipocar quando ele chegava na vila e intermediava o diálogo com Polícia e oficial de Justiça. Sem a presença dele o acordo esticando o prazo não teria sido feito. Somou pontos com o eleitorado.

 

 

 

O PORQUÊ

Cel Mario Erzinger (PL) fez uma defesa enfática da Polícia Militar no tocante a atuação na tentativa de desocupação da Vila. Lembrou que os policiais também se compadecem da situação, mas determinações judiciais são feitas para serem cumpridas.

 

 

 

E NÓS?

Mauricio Eskudlark (PSD) é canoinhense de nascimento, mas por motivos inexplicáveis nunca deu muita bola para a cidade natal. Em época de eleição graça por essas bandas em busca do que conseguir de votos. E consegue. Em 2018 ganhou 86 votos em Canoinhas. Bem por isso, o deputado virou alvo de críticas nas redes sociais. Em audiência com o ministro dos Transportes, Tarcísio Gomes de Freitas, nesta segunda-feira, 17, em Itajaí, Eskudlark voltou a cobrar ações do governo federal para a conclusão das obras nas rodovias BR-470 e BR-163, abandonadas pelo governo anterior, e pedir que sejam mantidas as obras da BR-282.

 

 

 

De acordo com o deputado, a BR-470 é prioridade pois é onde possui o maior fluxo de veículos do Estado, e ao lado da BR-282 são os corredores que escoam toda a produção agrícola do Estado. A indignação se dá pelo fato de o deputado não piar sobre as péssimas condições das rodovias estaduais que circundam Canoinhas.

 

 

 

 

CHICO MINEIRO

Vereador Chico Mineiro (PL) se pronunciou rapidamente nesta segunda-feira, 17, na sessão da Câmara sobre a acusação de furto de caneta que pesa contra ele, feita em boletim de ocorrência registrado na Delegacia de Canoinhas pelo dono de uma loja da cidade. “Os meus advogados estão tomando as medidas cabíveis e na data de amanhã (18/6) será entregue uma nota explicativa nesta casa legislativa para as providências que julgarem necessárias. Sou inocente, vítima, o que futuramente será comprovado”, disse lendo nota escrita junto a seus advogados.

 

 

 

34,5%

foi o aumento no preço do frango em um ano

 

 

 

DESINTEGRADA

A desintegração da SC-477, que liga o Planalto Norte ao Vale do Itajaí, por causa de gargalos na articulação com outras rodovias foi criticada na semana passada na Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Silvio Dreveck (Progressistas).

 

 

 

A obra de pavimentação completa da SC-477, que liga os municípios de Papanduva e Doutor Pedrinho, passando pelo interior de Itaiópolis e Rio Negrinho, encurta em torno de 80 km o trajeto entre o Planalto Norte e o Vale do Itajaí. Conforme o deputado, um investimento aproximado de R$ 250 milhões que aconteceu e encurta a distância do Planalto com o Litoral, e assim com a capital do Estado, mas que está desintegrado com a situação da BR-470. “É um corredor que permite o escoamento da produção, facilita as exportações e fortalece a economia”, afirmou Dreveck.

 

 

 

Há dois grandes gargalos na região, um deles que faz a ligação de Canoinhas, Major Vieira e Papanduva na BR-116. “É um trecho de 30 km que está intransitável, deteriorado. Pedimos a atenção especial para a recuperação porque existe a rodovia SC-477 que está permitindo o escoamento da produção, mas os caminhões continuam vindo pela BR-280”, descreveu Dreveck.

 

 

 

O FIM DAS COLIGAÇÕES

Apesar da preocupação de dirigentes partidários, a proibição das coligações nas eleições para as câmaras municipais no próximo ano não deve provocar profundas mudanças no quadro de representação das legendas, pelo menos nas capitais. É o que mostra uma simulação de como teriam sido as disputas de 2016 e 2012 se a nova regra estivesse em vigor.

 

 

 

Organizado pelas pesquisadoras Lara Mesquita e Gabriela Campos, do Centro Estudos de Política e Economia do Setor Público da FGV, o levantamento mostra que o número de partidos com presença nos parlamentos municipais nas 26 capitais passaria de 32 para 33 se a regra já tivesse sido aplicada em 2016. Em 2012, haveria queda de 28 para 26.

 

 

 

 

BÔNUS

O pagamento de bônus e honorários, penduricalhos criados nos últimos anos que engordam o salário de seis carreiras do funcionalismo público, custou aos cofres federais quase R$ 1,7 bilhão em 2018.

 

 

Levantamento interno do Ministério da Economia publicado pela Folha de S.Paulo mostra ainda que os pagamentos adicionais podem superar R$ 7.000 por mês. Com o benefício, servidores chegam a incrementar seus salários em até 30%.

 

 

 

Desde a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro critica reiteradamente o que chama de “indústria da multa” e defende o fim de incentivos à aplicação de penalidades em áreas específicas, como trânsito e ambiente.

 

 

 

Na prática, porém, os bônus concedidos pelo governo federal têm objetivo semelhante, ampliando ganhos de servidores para incentivar autuações de irregularidades.




Deixe seu comentário: