segunda-feira, 20

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Câmara aprova autonomia do BC, Fiocruz produziu cloroquina em massa e dados de celulares vazados em destaque nesta quinta

Últimas Notícias

- Ads -

11 de fevereiro de 2021

 

 

Folha de S.Paulo

Ministério usou Fiocruz para produzir cloroquina

O Ministério da Saúde usou a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para a produção de 4 milhões de comprimidos de cloroquina, com o emprego de recursos públicos emergenciais voltados a ações contra a Covid-19 e com destinação prevista do medicamento a pacientes com coronavírus.

Documentos da pasta obtidos pela Folha, com datas de 29 de junho e 6 de outubro, mostram a produção de cloroquina e também de fosfato de oseltamivir (o Tamiflu) pela Fiocruz, com destinação a pacientes com Covid-19. Os dois medicamentos não têm eficácia contra a Covid-19, segundo estudos.

O dinheiro que financiou a produção partiu da MP (Medida Provisória) nº 940, editada em 2 de abril pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para o enfrentamento de emergência do novo coronavírus, como consta nos dois documentos enviados pelo Ministério da Saúde ao MPF (Ministério Público Federal) em Brasília. A MP abriu um crédito extraordinário, em favor do ministério, no valor de R$ 9,44 bilhões.

Para a Fiocruz, que é vinculada à pasta, foram destinados R$ 457,3 milhões para “enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus”.

 

 

 

 

  • Autonomia do Banco Central recebe aval da Câmara
  • Auxílio com tributo seria traumático, diz Pacheco
  • Vazam dados de mais de 100 mi de contas de celular
  • Governo vai retirar militares de fiscalização da Amazônia
  • SP antecipa dose para 85 anos; 80 a 84 será em 1º de março

 

 

 

 

 

 

 

O Estado de S.Paulo

BC ganha autonomia e diretoria terá mandato fixo e estabilidade

A autonomia do Banco Central, debatida durante três décadas no Congresso, foi aprovada ontem pela Câmara e vai a sanção de Jair Bolsonaro. O texto estabelece mandatos fixos e não coincidentes de quatro anos para o presidente da instituição e seus oito diretores, responsáveis pela condução da política monetária do País. O objetivo fundamental do BC, que não terá mais vínculo com o Ministério da Economia, será assegurar a estabilidade de preços. O fomento ao emprego ficou em segundo plano. O mandato do presidente do BC começará sempre no terceiro ano de governo do presidente da República. Ele e seus diretores poderão ser reconduzidos por quatro anos. Atualmente, a diretoria pode ser demitida ou permanecer indefinidamente. Mandatos fixos devem reduzir a influência política sobre a instituição, que define a taxa básica de juros da economia. A regra de transição prevê que Bolsonaro indique o comandante do BC em até três meses. O escolhido deve ser Roberto Campos Neto, que pode ficar até 2023.

 

 

 

 

 

  • Queda do varejo pode dar força a novo auxílio
  • Militares deixam o combate a desmate
  • Maioria do DEM não descarta apoio a reeleição
  • Faculdades devem ficar apenas no ensino remoto
  • Vazam dados de 100 milhões de celulares

 

 

 

 

 

 

O Globo

Câmara aprova autonomia do BC, em aceno à agenda de Guedes

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira o projeto que dá autonomia para o Banco Central (BC). Foram 339 votos a favor, 114 contrários e uma abstenção. Agora, o texto seguirá para sanção presidencial.

O objetivo principal do projeto é alterar a estrutura do BC para proteger a diretoria e o presidente da autarquia de possíveis interferências políticas por membros do governo.

Para isso, o texto estabelece que a diretoria terá mandatos fixos e define que o presidente da República não poderá demitir seus membros por vontade própria sem que a diretoria apresente “comprovado e recorrente” desempenho insuficiente e sem a aprovação da maioria absoluta no Senado.

 

 

 

 

  • Vendas do varejo despencam 6,1% em dezembro
  • Cúpula do Exército endossou pressão sobre o STF
  • Amazônia: sem GLO, fiscalização será reduzida
  • Rixas internas desafiam oposição para 2022
  • Brasil tem quase 3 mil denúncias de fura-filas da vacina
  • Mais de metade dos americanos é a favor da condenação de Trump